Memória em funcionamento no discurso

o futuro em exposição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v62i0.8655864

Palavras-chave:

Futuro do trabalho, Museu do Amanhã, Memória, Discurso

Resumo

A memória do discurso pode ser construída a partir de diferentes lugares de (res)significações sociais, em que certos imaginários são colocados à prova em relação aos contextos de sua circulação. Assim, a memória pode adquirir novos sentidos no interior de um interdiscurso, em que por meio de novas instâncias de enunciação irrompem novas ressignificações de memórias sobre o futuro. É, pois, considerando essa noção de memória social no âmbito do trabalho que propomos uma reflexão das ideias de futuro baseadas numa exposição de arte intitulada “Ofisuka 2068 - imaginando um futuro do trabalho”, realizada em setembro de 2018 no Museu do Amanhã. O objetivo foi observar as mutações de memória e discurso na sociedade em relação às ideias pré-estabelecidas da noção de trabalho num amanhã que ainda está por vir. Conhecer, assim, novas instâncias discursivas que ressignificam certas formulações no interior do interdiscurso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucília Maria Abrahão e Sousa, Universidade de São Paulo

Doutorado direto em Psicologia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Docente da Universidade de São Paulo.

Marco Antonio Almeida Ruiz, Universidade de São Paulo

Doutor em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos e doutor em sociologia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) de Paris. 

João Flávio de Almeida, Universidade de Ribeirão Preto

Doutorado em Ciência, Tecnologia e Sociedade pela Universidade Federal de São Carlos.
Docente da Universidade de Ribeirão Preto, Brasil.

Gustavo Grandini Bastos, Universidade de São Paulo

Doutorado em Psicologia pela Universidade de São Paulo. Bibliotecário da Prefeitura Municipal de Araras, Brasil.

Referências

ALMEIDA, J. F. Epistemologia da Errância: erro, hiância e ciência em discurso. Campinas: Pontes, 2019.

BAUMAN, Z. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BLADE Runner. Direção: Ridley Scott. Produção: Michael Deeley. Los Angeles: Warner Brothers, 1991. 1 DVD (117 min), son., color.

COURTINE, J-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EDUFSCar, 2014 [1981].

COURTINE, J-J. Metamorfoses do discurso político: derivas da fala pública. São Carlos: Claraluz, 2006.

DAROZ, E.; SOUSA, L. M. A. No museu, o Amanhã no entrelaçamento entre história e memória. Revista Letras Raras, v. 8, n. 2, p. 133-149, 2019. Disponível em: http://revistas.ufcg.edu.br/ch/index.php/RLR/article/view/1377. Acesso em: 6 mar. 2020.

DAVALLON, J. A imagem, uma arte de memória? In: ACHARD, P. (org.). Papel da memória. Campinas: Pontes, 2010. p. 23-32.

DIAS, C. P. Para uma compreensão discursiva do digital: o sentido de tecnologia. In: GRIGOLETTO, E.; DE NARDI, F. S. (org.). A análise do discurso e sua história: avanços e perspectivas. Campinas: Pontes, 2016. p. 297-309.

"2001", Uma odisseia no espaço. Direção: Stanley Kubric. Produção: Metro-Goldwyn-Mayer. EUA, Metro-Goldwyn-Mayer, 1968. 1 DVD (142 min), son., color.

FERREIRA, M. C. L. Memória discursiva em funcionamento. In: ROMÃO, L. M. S.; GALLI, F. C. S. (org.). Conceitos discursivos em rede. São Carlos: Pedro & João, 2012. p. 141-152.

FONTANA ZOPPI, M. G. Althusser e Pêcheux: um encontro paradoxal. Conexão Letras, v. 9, n. 12, p. 23-35, 2014. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/conexaoletras/article/view/55118/33519. Acesso em: 10 mar. 2020.

NUNES, J. H. Introdução. In: ACHARD, P. (org.). Papel da memória. Campinas: Pontes, 2010. p. 7-10.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2002.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. (org.). Papel da memória. Campinas: Pontes, 2010. p. 49-57.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Unicamp, 2014.

PFEIFFER, C. R. C. Língua em museu: institucionalização de um nós no recobrimento de um resto histórico. Letras, n. 46, p. 225-244, jun. 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/11750/7179>. Acesso em: 07 mar. 2020.

SOUSA, L. M. A.; BARBOSA FILHO, F. R. O que o amanhã guarda: eis o enigma. In: GRIGOLETTO, E.; DE NARDI, F. S.; SILVA SOBRINHO, H. F. Sujeito, sentido, resistência: entre a arte e o digital. Campinas: Pontes, 2019. p. 37-58.

SOUSA, L. M. A. et al. Estandartes de direitos humanos, tramas de um discurso. Revista Linguasagem, São Carlos, v. 31, n. 1, p. 180-195, jul./dez. 2019. Disponível em: http://www.linguasagem.ufscar.br/index.php/linguasagem/article/view/508. Acesso em: 6 mar. 2020.

Downloads

Publicado

2020-05-11

Como Citar

SOUSA, L. M. A. e; RUIZ, M. A. A. .; ALMEIDA, J. F. de .; BASTOS, G. G. . Memória em funcionamento no discurso : o futuro em exposição. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, SP, v. 62, p. e020002, 2020. DOI: 10.20396/cel.v62i0.8655864. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8655864. Acesso em: 30 out. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)