Alçamento temporal em complementos infinitivos do português

Palavras-chave: Verbos modais, Tempo, Modalidade, Infinitivos

Resumo

Este artigo discute aspectos da interação entre tempo e modalidade relacionados à interpretação de orações com verbos modais no português. Defende-se que o complemento de todos os verbos modais pode hospedar um operador de futuro que se manifesta na morfologia do próprio verbo. Propõe-se também que o complemento dos modais epistêmicos hospeda uma projeção de tempo cujo núcleo é alçado para a oração principal, novamente se manifestando morfossintaticamente como desinência do verbo. Por fim, contrasta-se o comportamento dos complementos infinitivos dos verbos modais epistêmicos com o de verbos de atitude proposicional, notando que, para esses últimos, não há a possibilidade de um tempo referencial livre e nem a de alçamento para a oração principal, resultando em um perfil morfossemântico mais transparente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Ferreira, Universidade de São Paulo

Doutor em Linguística pelo Massachusetts Institute of Technology. Professor Doutor no Departamento de Linguística da Universidade de São Paulo.

Referências

ABUSCH, D. (1998) Generalizaing tense semantics for future contexts. In Rothstein, S., editor, Events and Grammar, pp. 13-33. Kluwer, Dordrecht.

CINQUE, G. (1999) Adverbs and Functional Heads. Oxford University Press, Oxford.

CONDORAVDI, C. (2002) Temporal interpretation of modals: Modals for the present and for the past. In Beaver, D., Kaufmann, S., Clark, B., & Casillas, L., editores, The Construction of Meaning, pp. 59-88. CSLI Publications, Stanford, CA.

FERREIRA, M. (2018) Estudos Formais sobre a Semântica Nominal e Verbal do Português. Tese de Livre-Docência. Universidade de São Paulo.

VON FINTEL, K. e GILLES, A. (2008) CIA Leaks. Philosophical Review 117, 77-98.

HACQUARD, V. (2006) Aspects of modality. Tese de Doutorado, Massachusetts Institute of Technology.

HEIM, I. (1994) Comments on Abusch's theory of tense. In Kamp, H., editor, Ellipsis, Tense, and Questions, pp. 143-170. University of Amsterdam, Amsterdam.

HOFFMAN, T. (1976). Past tense replacement and the modal system. In McCawley, J., editor, Notes from the Linguistic Underground, pp. 85-100. Academic Press, New York.

KLEIN, W. (1994). Time in language. Routledge, London; New York.

KRATZER, A. (1981). The notional category of modality. In Eikmeyer, H. & Rieser, H., editores, Words, Worlds, and Contexts: New Approaches in Word Semantics, pp. 38-74. de Gruyter, Berlin.

KRATZER, A. (1991). Modality. In von Stechow, A. & Wunderlich, D., editores, Semantics: An International Handbook of Contemporary Research, pp. 639-650. de Gruyter, Berlin.

KRATZER, A. (1998). More structural analogies between pronouns and tenses. In Proceedings of SALT VIII, pp. 92-110. CLC Publications.

KRATZER, A.; PIRES DE OLIVEIRA, R.; PESSOTTO, A. (2014) Talking about modality – an interview with Angelika Kratzer. ReVEL, especial issue 8.

LACA, B. (2010) On Modal Tenses and Tensed Modals. Paris. Université Paris 8/CNRS, Ms.

MENDES, J. (2019). Interações Modal-temporais no português brasileiro. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo

PARTEE, B. (1973). Some structural analogies between tenses and pronouns in English. Journal of Philosophy, 70: 601-609.

PESSOTTO, A. (2014) Epistemic and gradable modality in Brazilian Portuguese: a comparative analysis of poder, dever and ter que. ReVEL, special issue 8.

RULLMAN, H. e MATTHEWSON, L. (2018) Towards a theory of modal-temporal interaction. Language 94.2, pp. 281-331

STOWELL, T. (2004) Tense and modals. In Guéron, J. & Lecarme, J., editores, The Syntax of Time, pp. 621--635. MIT Press, Cambridge, MA.

WURMBRAND, S. (2014) Tense and aspect in English infinitives. Linguistic Inquiry, 45(3):403-447.

Publicado
2020-01-31
Como Citar
Ferreira, M. (2020). Alçamento temporal em complementos infinitivos do português. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 62, e020001. https://doi.org/10.20396/cel.v62i0.8655883