Reformulação de valores

Victor Hugo em defesa da imprensa feminista do século XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v62i00.8656005

Palavras-chave:

Victor Hugo, Valores, Auditório, Imprensa Feminista

Resumo

No período determinado entre 1871 e 1914, cerca de trinta e cinco jornais feministas foram publicados na França. O primeiro a ganhar vida, le Droit des femmes (1869), teve uma má recepção por parte da sociedade da época, o que fez com que o seu editor, Léon Richer, fosse hostilizado publicamente. O escritor, romancista e ativista político, Victor Hugo, reconhecido personagem pertencente ao movimento progressista, escreve uma carta a Léon Richer, em apoio à causa feminista. O presente artigo procura analisar os procedimentos argumentativos adotados pelo autor, cujo objetivo era o estabelecimento de um diálogo em uma sociedade contrária aos novos ideais propostos, entre elas a reformulação dos valores. Dentre os resultados, é possível inferir um domínio da arte da persuasão por parte de Victor Hugo, ao buscar o contato prévio com o auditório, como se valer, em determinados trechos, do gênero epidítico para lidar com um grupo específico. O resultado obtido pelo autor ajuda na compreensão do modelo de sociedade aberta, proposto por Danblon, onde o dissenso é enxergado como algo saudável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Pastorini, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Minas Gerais. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Referências

ABRAHAM, P., DESNÉ, R. Manuel d’histoire littéraire de la France: 1789-1848. Poitiers : Aubin, 1987, 4v.

ALBISTUR, Maïté; ARMOGATHE, Daniel. Histoire du féminisme français. Du Moyen Age à nos jours. Paris : Editions des Femmes, 1977.

AMARANTE, Maria Inês. Flora Tristan: jornalismo militante em tempo de revoltas. Revista Katal, v. 13 n.1, 2010.

ANGENOT, Marc. O discurso social e as retóricas da incompreensão. Consensos e conflitos na arte de (não) persuadir. Org. Carlos Piovezani. São Carlos: EdufsCar, 2015.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 2005.

CAUQUELIN, Anne. L’art du lieu commun. Du bon usage de la doxa. Paris : Seuil, 1999.

CHENUT, H. H. L’esprit antiféministe et la campagne pour le suffrage en France, 1880-1914. Cahiers du Genre, vol. 52, nº. 1, 2012, p. 51-73.

DANBLON, Emmanuelle. Argumenter em démocratie. Bruxelles: Éditions Labor, 2005.

DUARTE, Constância Lima. Nisia Floresta. Vida e Obra. Natal: Editora da UFRN, 2008.

DUBY, G.; FRAISSE, G.; PERROT, M. História das Mulheres no Ocidente: o século XIX. Porto: Edições Afrontamento, 1994. 4v.

DUNKER, Christian et al. Ética e Pós-verdade. São Paulo: Porto Alegre, 2017.

FIORIN, José Luíz. Elementos de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2018.

FORGET, Evelyn L. Saint-Simonian Feminism. In : Feminist Economics, vol. 7, nº 1, 2001, p. 79-96.

GOUGES, Olympe de. Déclaration des droits de la femme et de la citoyenne. In: Gallica: Les essentiels. Littérature. Anthologie: Déclaration des droits de la femme et de la citoyenne. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/essentiels/anthologie/declaration-droits-femme-citoyenne-0. Acesso em 06 jan. 2019.

HUGO, Victor. Último dia de um condenado. Tradução: Paulo Neves. Porto Alegre: L L&PM POCKET, 2017.

HUGO, Victor. Claude Gueux. Paris: Livre de Poche, 2019

INNERARITY, Daniel. A política em tempos de indignação. A frustração popular e os riscos para a democracia. Tradução de João Pedro George. Rio de Janeiro: LeYa, 2017.

JÚNIOR, Manuel Alexandre. Eficácia Retórica: A palavra e a imagem. In: Rhêthorikê: revista digital de retórica. Convilhã, v. 1, 2008.

KLEJMAN, L., ROCHEFORT, F. Le féminisme sous la troisième république: 1870-1914. Matériaux pour l’histoire denotre temps, n°1, 1985. Histoire des femmes et du féminisme. p. 8-11

MOTTA, A. R. (Org.), SALGADO, L. (Org.). Éthos discursivo. São Paulo : Contexto, 2008.

SCOTT, Joan W. A cidadã paradoxal : as feministas francesas e os direitos dos homens. Tradução Élvio Antônio Funck. Florianópolis : Ed. Mulheres, 2002.

PERROT, Michelle. Minha História das Mulheres. São Paulo: Contexto, 2015.

PERELMAN, Chaim; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da argumentação. A nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Carta escrita por Victor Hugo, acesso em 02/03/2019: https://www.huffingtonpost.fr/morgane-ortin/lettre-de-victor-hugo-a-leon-richer_b_9112154.html

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

PASTORINI, V. Reformulação de valores: Victor Hugo em defesa da imprensa feminista do século XIX. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 62, n. 00, p. e020025, 2020. DOI: 10.20396/cel.v62i00.8656005. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8656005. Acesso em: 28 nov. 2021.