A (in)igualdade dos gêneros em uma perspectiva discursiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v63i00.8658953

Palavras-chave:

Mulher, Análise do discurso, Memória, Atualidade

Resumo

Os discursos sobre as mulheres atravessam os tempos, regularizando determinados sentidos que se materializam nas práticas sociais. Em atenção ao papel da memória na regularização desses dizeres/sentidos sobre o feminino, propomos uma reflexão sobre os dizeres que se materializam nos movimentos antifeministas, em especial na sua primeira fase, tomando como aporte teórico-analítico os pressupostos da Análise de discurso (Pêcheux). Para tanto, propomos uma breve reflexão sobre o movimento feminista liderado pelas ditas sufragistas e, a seguir, uma análise de dois panfletos antifeministas da época. Nessa perspectiva, buscamos melhor compreender o modo de funcionamento desses dizeres na regularização de uma memória sobre a mulher na atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaine Pereira Daróz, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Análise crítica da teoria marxista. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

ARISTÓTELES. Retórica. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2006.

ARISTÓTELES. Éthique à Nicomaque. Paris: Éditions Les Échos du Maquis, 2014.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. v. 1. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BÍBLIA Online. Gênesis 2: Disponível em: https://www.bibliaonline.com.br/acf/busca?q=costela+ad%C3%A3o. Acesso em: 30 dez. 2019.

COMTE, Auguste. Systeme de Politique Positive, v. 1. Paris: A La Librairie Scientifique, 1851.

DAVALLON, Jean. A imagem, uma arte de memória? In: ACHARD, Jean-Pierre et all. Papel da Memória. Campinas: Pontes, 2010.

DARWIN, Charles. Descent of man and the sexual selection. London: John Murray, 1871.

DUBY, George; PERROT, Michelle. Histoire des femmes en Occident: l´Antiquité. Paris: Perrin, 2002.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987

JUTEAU, Danielle; LAURIN, Nicole. L’évolution des formes d’appropriation des femmes: des relieugeses aux “mere porteuses”. Revue Cannadienne de Sociologie et D’Anthropologie, v. 25. n. 2, 1988, p. 183-207.

LAGAZZI, Suzy. O recorte significante na memória. In: INDURSKY, F; FERREIRA M. C. L.; MITTMANN, S. (Orgs.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Claraluz, 2009.

MALDIDIER, Denise. A inquietação do discurso: (re)ler Michel Pêcheux hoje. Campinas, Pontes, 2017.

MARCONDES, Danilo. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, Françoise; HAK, Tony (Orgs.). Por uma análise automática do discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 1997 [1969].

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 1988 [1975].

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 1990 [1983]

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre. (Org.). Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999 [1983].

PÊCHEUX, Michel. Remontemos de Foucault a Spinoza. Campinas: Mimeo, 2000 [1977].

PROUDHON, Pierre-Joseph. La pornocratie ou lês femmes dans les temps modernes. Paris: Lacroix, 1875.

SAUSSURE, Ferdinand de. Cours de linguistique générale. Paris: Grande Bibliotheque Payot, 1967.

SÉCRÉTAN, C. Le droit de la femme. Paris: Hacette/BnF, 2018.

Downloads

Publicado

2021-03-23

Como Citar

DARÓZ, E. P. A (in)igualdade dos gêneros em uma perspectiva discursiva. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 63, n. 00, p. e021008, 2021. DOI: 10.20396/cel.v63i00.8658953. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8658953. Acesso em: 17 out. 2021.