Complexidade enunciativa em memórias da Emília

formas de representação do discurso-outro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v62i00.8659889

Palavras-chave:

Complexidade enunciativa, Memórias da Emília, Heterogeneidade mostrada

Resumo

Este artigo analisa um recorte da complexidade enunciativa da narrativa Memórias da Emília (1939 [1969]). Essa análise tem como objetivo descrever em que planos dessa complexidade deslocamentos do locutor-narrador são representados no material analisado. Para tanto, como referencial teórico-metodológico, foram utilizados os estudos sobre a heterogeneidade mostrada, de Authier-Revuz (1998, 2004), e os estudos sobre o paradigma indiciário, de Ginzburg (1991). Os resultados expuseram uma complexidade enunciativa constitutiva da organização do dizer, sob a forma de uma complexa justaposição de enunciações em que o locutor, atribuído à figura de narrador, simula relações dialógicas construídas como enunciadas por diferentes interlocutores nessas relações. Essa complexidade indicia planos de enunciação que marcam uma heterogeneidade de formas de inscrição do outro no (fio do) discurso, que não se enunciam numa transparência do dizer, dada a dialogia que constitui esses planos. Essas diferentes formas sugerem, pois, que se narra por uma justaposição de planos enunciativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Suelen Santos, Universidade Federal do Acre

Doutorado em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professor Adjunto da Universidade Federal do Acre , Brasil.

Lourenço Chacon Jurado Filho, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho"

Professor na Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho", Campus Marília.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Cadernos de Estudos Linguísticos. Campinas, v. 19, 1990. p. 25-42.

AUTHIER-REVUZ, J. Palavras incertas: as não-coincidências do dizer. Campinas: Unicamp, 1998.

AUTHIER-REVUZ, J. Entre a transparência e a opacidade – um estudo enunciativo do sentido. Trad. Alda Scher e Elsa Maria Nitsche Ortiz. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2004.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GINZBURG, C. “Chaves do mistério: Morelli, Freud e Sherlock Holmes”. In: ECO, U. de SEBEOK, T. A. (orgs.). O signo de três: Dupin, Holmes, Peirce. São Paulo: Perspectiva, 1991, p. 89-129.

LOBATO, M. Memórias da Emília. 16 ed. São Paulo: Brasiliense, 1969 [1936].

SANTOS, A. S. Heterogeneidade mostrada e dialogia com o já falado/escrito em Memórias da Emília. (Tese de doutorado). São Paulo: UNESP. 2019. In: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/181919.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

SANTOS, A. S.; JURADO FILHO, L. C. Complexidade enunciativa em memórias da Emília: formas de representação do discurso-outro. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 62, n. 00, p. e020028, 2020. DOI: 10.20396/cel.v62i00.8659889. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8659889. Acesso em: 28 nov. 2021.