O humor em (dis)curso

Efeitos do feminismo nas mídias digitais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v63i00.8662018

Palavras-chave:

Feminismo, Humor, Resistência

Resumo

Historicamente, nossa sociedade se construiu a partir de um modelo masculino de organização, e ao longo de sua constituição promoveu e ratificou formas de violência contra as mulheres, sempre fundamentadas na concepção de fragilidade e sensibilidade femininas, que traziam implicadas as noções de inferioridade e submissão. Como militantes e em busca por igualdade, as mulheres saíram às ruas e seus corpos tornaram-se discursos que trazem o “avesso” da história de dominância, construindo outras possibilidades de sentido e de memória na luta contra o machismo. Neste artigo, nosso objetivo é observar, em algumas publicações em redes sociais, o lugar atribuído à mulher e ao feminismo no bojo de estereotipias e imaginários cristalizados em nossa sociedade e que ocupam nosso espaço discursivo. Para tal, nosso material é composto por quatro memes publicados no Instagram ressaltando, sobretudo, esse ideal dominante pré-determinado e utópico acerca do papel da mulher, satirizando a luta e a resistência configurada pelos movimentos sociais e, em especial, o feminismo. Nesse sentido, nossa empreitada analítica estará embasada nos pressupostos teóricos da análise do discurso de matriz francesa, especialmente, em considerações acerca das noções de memória e pré-construído.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Antonio Almeida Ruiz, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professor Adjunto na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Câmpus de Aquidauana (UFMS/CPAQ)

Lígia Mara Boin Menossi de Araújo, Universidade Federal de São Carlos

Professora Adjunta do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Carlos.

Luciana Carmona Garcia Manzano, Universidade de Franca

Docente Permanente na Universidade de Franca

Referências

AMOSSY, R. & PIERROT, A. H. Estereotipos y clichés. Traducción y adaptación: Lelia Gándara. 1ª ed. 4ª. reimp. Buenos Aires: Eudeba, 2001. Ed. original: 1997. Enciclopedia Semiológica. 136p.

BASSANEZZI, Carla. As mulheres dos anos dourados. In: DEL PRIORE, E. M. (org.). BASSANEZI, C. (coord.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007, p. 608.

Bela, recatada e do lar. Revista Veja, 18 abr. 2016. Disponível em: https://veja.abril.com.br/brasil/marcela-temer-bela-recatada-e-do-lar/. Acesso em: 23 out. 2020.

BONEFANT, M. Le méme numérique : étude sémiotique des réseaux à partir des concepts de trace e d'indice. In: RISCP 12. http://communiquer.revues.org/1295, 2014.

BRANDÃO, H, H. N. Introdução à análise do discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.

BRIGLIA, T. M.; SACRAMENTO, S. M. P. Percursos da nação e do feminino nos anos dourados. In: Revista Cadernos de Letras da UFF. Volume 40, 2010. p. 203 – 221. Disponível em: <http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/edicoes/40/artigo10.pdf> . Acesso em 2 de julho de 2019.

Camillarafiso. “Posso viver sem o feminismo, mas sem minha máquina de lavar roupa...nunca!!!”. Instagram, 15 jan. 2019. Disponível em: <https://www.instagram.com/p/Bspzj0VA9Kt/?igshid=1n85s0h43jnfv>. Acesso em 23 de out. 2020.

CASTELS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da inter-net. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CESTARI, M. J. Nós político no discurso feminista dos anos 70. Anais do Seta, n. 4, p. 779-792, 2010.

CHAVES, T. V. Da Marcha das Vadias às vadias da marcha: discurso sobre as mulheres e o espaço. 2015. 145p. Dissertação (Dissertação em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/271053/1/Chaves_Tyara

Veriato_M.pdf. Acesso em: 1º. jun. 2021.

DAVALLON, J. A imagem, uma arte de memória? In: ACHARD, P. (org.). Papel da memória. Campinas: Pontes, 2010.

FOUCAULT, M. O jogo de Michel Foucault. In:_Ditos e escritos XIX: genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015, p. 44-77.

FLOOD, M. International encyclopedia of men and masculinities. Abingdon/UK: Routlege, 2007.

Mulherespatriotas. “Feminina sim. Feminista, jamais! Buenos días!”. Instagram, 25 jul. 2018. Disponível em: <https://www.instagram.com/p/BlqJSNSAdP5/?igshid=gc90dx6lnuty>. Acesso em 23 de out. 2020.

NUNES, J. H. Introdução. In: ACHARD, P. (org.). Papel da memória. Campinas: Pontes, 2010.

ORLANDI, E. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2002.

PAVEAU, M. A. L’analyse du discours numérique. Dictionnaire des formes et des pratiques. Paris: Hermann, 2017.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. (org.). Papel da memória. Campinas: Pontes, 2010.

PÊCHEUX, M. Delimitações, inversões, deslocamentos. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, n. 19, p. 7-24, jul. 1990.

PINTO, C. R. J. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

PIOVEZANI, C.; GENTILE, E. A linguagem fascista. São Paulo: Editora Hedra, 2020.

POSSENTI, S. Cinco ensaios sobre humor. São Paulo: Editora Parábola, 2018. 176p.

Postagem da Revista TPM, 03 mai. 2019. Disponível em: <https://twitter.com/revistatpm/status/1124389313242857474?lang=da>. Acesso em 03 jun. 2021.

SCHMIDT, M. T. Refutações ao feminismo: (des)compassos da cultura letrada brasileira. Estudos feministas. vol. 14, n. 3. Florianópolis: UFSC, set./dez. 2006, p. 765-799. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2006000300011, acesso em 04 jun. 2021.

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

RUIZ, M. A. A.; ARAÚJO, L. M. B. M. de .; MANZANO, L. C. G. O humor em (dis)curso: Efeitos do feminismo nas mídias digitais. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 63, n. 00, p. e021018, 2021. DOI: 10.20396/cel.v63i00.8662018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8662018. Acesso em: 18 set. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)