O lugar da sintaxe no jogo produtivo do semântico

uma experimentação teórica a partir da linguística de Émile Benveniste

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v63i00.8663934

Palavras-chave:

Sintaxe, Sentido, Benveniste

Resumo

Exploramos, neste artigo, as consequências decorrentes da tomada de posição benvenistiana, segundo a qual a significância só é possível em função da relação inalienável entre sintaxe e sentido, o que produz visibilidade ao jogo da linguagem fundado na articulação entre sintagmatização e semantização da língua. Para tanto, produzimos uma releitura da teorização benvenistiana sob a perspectiva da História das Ideias Linguísticas estabelecida pela prática teórico-metodológica da Análise de Discurso, de modo a restituir na arquitetura teórica de Benveniste o lugar decisivo da sintaxe para a compreensão do funcionamento da linguagem na produção dos sentidos. É a partir da análise do plano da sintaxe que Benveniste faz desdobrar o duplo funcionamento da língua: o semiótico e o semântico. Os resultados dessa releitura analítica nos levaram a compreender que o ponto de vista semiológico que determina a teorização benvenistiana sobre a linguagem está marcado metodologicamente por uma entrada na compreensão do uso da língua – por uma regulação dada – pela sintaxe. Foi também a partir desses resultados que pudemos analisar o jogo entre sintaxe e sentido determinando a significância – sentidos e derivas de sentido – no enunciado "Cidadão, não. Engenheiro, civil, formado. Melhor do que você".

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Alves Rodrigues, Universidade Virtual do Estado de São Paulo

Doutor em Linguística (IEL/UNICAMP). Supervisor de Curso de Letras e Linguística na Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP).

 

Carmen Agustini, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Linguística pela Unicamp. Docente e pesquisadora na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia/MG – Brasil.

Referências

ALTHUSSER, Louis. A corrente subterrânea do materialismo do encontro. Trad. Bras. Revista Crítica Marxista, nº 20, Editora Revan, p. 9-48, 2005. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/althusser/1982/mes/corrente.pdf. Acesso ago 2020.

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. 3a ed. Trad. Port. Lisboa: Presença; Martins Fontes, 1980 [1970].

BARBISAN, Leci B.; FLORES, Valdir do N. Sobre Saussure, Benveniste e outras histórias da linguística [texto de introdução]. In: NORMAND, Claudine. Convite à linguística. Trad. Bras. São Paulo: Contexto, 2009.

BENVENISTE, E. Últimas aulas no Collège de France (1968 e 1969). Trad. Bras. São Paulo: Editora Unesp, 2014 [2012].

BENVENISTE, E. O aparelho formal da enunciação. In: Problemas de Linguística Geral, vol. 2. Trad. Bras. Campinas: Pontes, 2006 [1970]. p. 81-90.

BENVENISTE, E. Estrutura da língua e estrutura da sociedade. In: Problemas de Linguística Geral, vol. 2. Trad. Bras. Campinas: Pontes, 2006 [1968]. p. 93-104.

BENVENISTE, E. Estruturalismo e linguística. In: Problemas de Linguística Geral, vol. 2. Trad. Bras. Campinas: Pontes, 2006 [1968]. p. 11-28.

BENVENISTE, E. A forma e o sentido na linguagem. In: Problemas de Linguística Geral, vol. 2. Trad. Bras. Campinas: Pontes, 2006 [1966]. p. 220-242.

BENVENISTE, E. A linguagem e a experiência humana. In: Problemas de Linguística Geral, vol. 2. Trad. Bras. Campinas: Pontes, 2006 [1965]. p. 68-90.

BENVENISTE, E. Vista d'olhos sobre o desenvolvimento da linguística. In: Problemas de Linguística Geral, vol. 1. Trad. Bras. Campinas: Pontes, 2005 [1963]. p. 19-33.

BENVENISTE, E. Os níveis da análise linguística. In: Problemas de Linguística Geral, vol. 1. Trad. Bras. Campinas: Pontes, 2005 [1962]. p. 127-140.

BENVENISTE, E. Da subjetividade na linguagem. In: Problemas de Linguística Geral, vol. 1. Trad. Bras. Campinas: Pontes, 2005 [1958]. p. 284-293.

COQUET, Jean-Claude; FENOGLIO, Irène. Introdução. In: BENVENISTE, E. Últimas aulas no Collège de France (1968 e 1969). Trad. Bras. São Paulo: Editora Unesp, 2014 [2012]. p. 67-86.

DUDUVIER, Gregório; SILVA, Paulo Henrique. "Escola tem de formar cidadão, não é criar gado", diz Duvivier após polêmica em prova do Loyola. Hoje em Dia [Almanaque, Entrevista, online], Belo Horizonte, Ediminas S/A, 10 de out. 2019. Disponível em: https://www.hojeemdia.com.br/almanaque/escola-tem-de-formar-cidadão. Acesso em set. 2020.

KRISTEVA, Julia. Prefácio: Émile Benveniste, um linguista que não diz nem oculta, mas significa. In. BENVENISTE, E. Últimas aulas no Collège de France (1968 e 1969). Trad. Bras. São Paulo: Editora Unesp, 2014 [2012]. p. 29-66.

NORMAND, Claudine. Convite à linguística. Trad. Bras. São Paulo: Contexto, 2009.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Bras. Campinas: Editora da Unicamp, 1995 [1975].

PORTINE, Henri. Benveniste et la question de la fondation d'une syntaxe. Linx [Revue des linguistes de l’université Paris X Nanterre, édition spéciale: Émile Benveniste. Vingt ans après], 9, 81-94, 1997. Disponível em http://journals.openedition.org/linx/10021997. Acesso set. 2020.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2006 [1916].

SERRANI, Silvana M. A linguagem na pesquisa sociocultural: um estudo da repetição na discursividade. 2a ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

Downloads

Publicado

2021-05-19

Como Citar

RODRIGUES, E. A.; AGUSTINI, C. O lugar da sintaxe no jogo produtivo do semântico: uma experimentação teórica a partir da linguística de Émile Benveniste. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 63, n. 00, p. e021015, 2021. DOI: 10.20396/cel.v63i00.8663934. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8663934. Acesso em: 18 set. 2021.