Ler o arquivo em análise de discurso

observações sobre o alienismo brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8664658

Palavras-chave:

Discurso, Arquivo, História

Resumo

Este artigo busca investigar de que maneira o alienismo brasileiro se constitui em estreita relação com as teorias raciais, com a memória antiafricana e com novas formas de organização do direito e do espaço urbano no século XIX. Ancorado teoricamente na Análise de Discurso materialista, o texto busca dar visibilidade aos processos históricos da produção do sentido, montando um arquivo que permita escutar a conjuntura discursiva do Brasil oitocentista. O presente estudo permite, pois, uma compreensão semântica das contradições e das relações de sentido a partir da montagem e da leitura de um arquivo singular, que abre espaço para a formulação de um dispositivo distinto do historiográfico, pondo em primeiro plano o funcionamento material, ou seja, histórico, da língua.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Ramos Barbosa Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Ler O Capital, volume II. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1980.

ALTHUSSER, Louis. Por Marx. Campinas: Editora da UNICAMP, 2015.

ARQUIVO NACIONAL (BRASIL). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Publicações Técnicas; nº 51. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA. Guia de fontes para a história da escravidão negra na Bahia. Salvador: APEBa, 1988, v. 1.

AUGUSTINI, Carmen. (N)as dobraduras do dizer e (n)o não-um do sentido e do sujeito: um efeito da presença do interdiscurso no intradiscurso. In: Indursky, Freda; Ferreira, Maria Cristina Leandro. (Org.). Análise do Discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz, 2007 (p. 303-312).

AVÉ-LALLEMANT. Viagem pelo Norte do Brasil no ano de 1859. 1° volume. Traduzido do original alemão por Eduardo de Lima Castro. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1961.

ALBUQUERQUE, Wlamyra Ribeiro de. Algazarra nas ruas: comemorações da independência na Bahia (1889-1923). Campinas: Editora da UNICAMP, 1999.

AZEVEDO, Célia Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites no século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987

BALDINI, Lauro. “Um pouco de possível senão eu sufoco”. In: Romão, Lucília Maria de Sousa; Pacífico, Soraya Maria Romano. Efeitos de leitura, sujeitos e sentidos em movimento. Ribeirão Preto: Alphabeto, 2010. (p. 57-66)

BARBOSA FILHO, Fábio Ramos. O discurso antiafricano na Bahia do século XIX. São Carlos: Pedro e João Editores, 2018a.

BARBOSA FILHO, Fábio Ramos. O não-dizer do arquivo. n: ABRAHÃO E SOUSA, Lucília Maria; ISHIMOTO, Adonai Takeshi; DARÓZ, Elaine Pereira; GARCIA, Dantielli Assumpção. Resistirmos, a que será que se destina? São Carlos: Pedro e João Editores, 2018b (pp. 477-498)

BIASIN, Olivia. “Olhares estrangeiros: impressões dos viajantes acerca da Bahia no transcurso dos oitocentos”. In: MOURA, Milton (org.) A larga barra da Baía Editora da Universidade Federal da Bahia, 2011. (p. 18-55).

BRASIL. “Código Criminal do Império”. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim-16-12-1830.htm

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. “Negros, loucos negros”. In: Revista USP, n.18, p. 146-151, 1993. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i18p144-151

FERRARI, Ana Josefina. Nomes próprios e descrição: um estudo da descrição e do nome próprio a partir da analise das descrições presentes nos anúncios de fuga de escravos publicados nos jornais de Campinas entre 1870 e 1876. Tese de doutorado apresentada ao Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2008.

FERRETTI, Sérgio. “Revoltas de escravos na Bahia em início do século XIX”. In: Cadernos de Pesquisa de São Luís, n° 4, volume 1, p. 65 - 86, jan/jun, 1988.

FONSECA, Rodrigo. A interdição discursiva: o caso da Conjuração Baiana de 1798 e outros limites à participação popular na história política brasileira. Tese de doutorado apresentada ao Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2012.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos: Estética. Literatura e pintura, música e cinema (vol. III). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. (p. 264-298)

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FRAGA FILHO, Walter. Mendigos, moleques e vadios na Bahia do século XIX. São Paulo: Editora Hucitec; Salvador: EDUFBA, 1996.

GALLI, Fernanda. “As dobraduras do discurso”. In: Revista Fragmentum, v. 32, p. 13-17, 2012. DOI: https://doi.org/10.5902/217921944730

GEREMEK, Bronislaw. La potence ou la pitié: l’Europe et les pauvres du Moyen Âge à nos jours. Paris: Gallimard, 1987.

GEREMEK, Bronislaw. Truands et misérables dans l’Europe moderne (1350-1600). Paris: Gallimard, 2014.

GUILHAUMOU, Jacques; MALDIDIER, Denise; ROBIN, Regine. Discours et archive. expérimentations en analyse du discours. Paris: Mardaga, 1994.

HEMEROTECA DIGITAL DA BIBLIOTECA NACIONAL. “Gazeta Médica da Bahia” (GMB), 1866, números 1 e 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/hdb/

HERBERT, Thomas. “Reflexões sobre a situação teórica das ciências sociais e, especialmente, da psicologia social”. In: Revista Tempo Brasileiro, 30/31, p. 3-36, 1972.

IGNACE, Etienne. A revolta dos malês. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil, ano XIV, n° 33, tomo LXXII, parte II, 1907, p. 67-.126

IGNACE, Etienne. Os malês. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil, volume 72, n° 2, 1909, pp. 69-126.

LIMA, Ivana Stolze. O Brasil Mestiço: discurso e prática sobre relações raciais na passagem do século XIX para o século XX. Dissertação (Mestrado em História Social e da Cultura) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994.

LIMA, Ivana Stolze. Cores, marcas e falas: sentidos de mestiçagem no Império do Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

MACHADO, Roberto (et al). Danação da norma: a medicina social e a constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1978.

MALDIDIER Denise, GUILHAUMOU Jacques. La mémoire et l'événement: le 14 juillet 1789. In: Langages, 28ᵉ année, n°114, 1994. Mémoire, histoire, langage, sous la direction de Jean-Jacques Courtine. p. 109-125. DOI: https://doi.org/10.3406/lgge.1994.1681

NINA RODRIGUES, Raimundo. Os africanos no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1935.

NINA RODRIGUES, Raimundo. As raças humanas e a responsabilidade penal no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

NINA RODRIGUES, Raimundo. As coletividades anormais. Brasília: Edições do Senado Federal, 2006.

ODA, Ana Maria Raimundo. Alienação mental e raça: a psicopatologia comparada dos negros e mestiços brasileiros na obra de Raimundo Nina Rodrigues. Tese de doutorado apresentada à Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas: 2003.

ORLANDI, Eni. Terra à vista!: discurso do confronto, novo e velho mundo. Campinas: Editora da UNICAMP, 2008.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da UNICAMP, 2009.

PÊCHEUX, Michel. Ler o arquivo hoje. In: ORLANDI, Eni (Org.). Gestos de leitura: da história no simbólico. Campinas: Editora da UNICAMP, 2010 (p. 49-59)

PÊCHEUX, Michel. Leitura e memória: projeto de pesquisa. In: ______. Análise de Discurso: Michel Pêcheux – Textos escolhidos por Eni Orlandi. Campinas: Pontes, 2011a (p. 141-150)

PÊCHEUX, Michel. Análise de discurso e informática. In: ______. Análise de Discurso: Michel Pêcheux – Textos escolhidos por Eni Orlandi. Campinas: Pontes, 2011b (p. 275-282)

PINEL, Philippe. Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental ou a mania. [1800] Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

RANCIÈRE, Jacques. Os nomes da história: ensaio de poética do saber. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês. São Paulo: Brasiliense, 1986.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. Edição revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

RIOS, Venétia Durando Braga. O Asylo de São João de Deos: as faces da loucura. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Estudos pós-graduados em História da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo: 2006.

ROBIN, Régine. Histoire et linguistique. Paris: A. Collin, 1973.

ROBIN, Régine. Langage et idéologies. In: GUILHAUMOU, Jacques; MALDIDIER, Denise; PROST, Antoine; ROBIN, Régine. Langage et idéologies: le discours comme objet de l’Histoire. Paris: Les Éditions Ouvrières, 1974. (pp. 3-11)

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. “Usos e abusos da mestiçagem e da raça no Brasil: uma história das teorias raciais em finais do século XIX”. In: Revista Afro-Ásia, n° 18, 1996, p. 77-101. DOI: https://doi.org/10.9771/aa.v0i18.20901

SIGAUD, José Francisco Xavier. “Reflexão sobre o livre trânsito dos doidos na cidade do Rio de Janeiro” [1835]. In: Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental, VIII, 3, p. 559-562, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/1415-47142005003014

SUZANNET, Comte de. Souvenirs de voyage. [Edição digital da coleção Brasiliana/José Mindlim]. Paris: G.A. Dentu, 1846.

VIANA, Jorge. Liberdade na escravidão: uma abordagem semântica do conceito de liberdade em cartas de alforria. Tese de doutorado apresentada ao Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2008.

ZATTAR, Neuza. Os sentidos de liberdade dos escravos na constituição do sujeito de enunciação sustentada pelo instrumento de alforria do escravo nos enunciados das cartas de alforria ou cartas de liberdade. Dissertação de mestrado apresentada ao Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2002.

ZATTAR, Neuza. O cidadão liberto na Constituição Imperial: um jogo enunciativo entre o legal e o real. Tese de doutorado apresentada ao Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2007.

ZOPPI-FONTANA, Mónica. “Acontecimento, arquivo, memória: às margens da lei”. In: Revista Leitura, n° 30, Maceió: 2002, p. 175-205. DOI: https://doi.org/10.28998/0103-6858.2002v2n30p175-205

ZOPPI-FONTANA, Mónica. Arquivo jurídico e exterioridade: a construção do corpus discursivo e sua descrição/interpretação. In: Brum-de-Paula, Miriam Rose; Guimarães, Eduardo (Org.). Sentido e memória. Campinas: Pontes, 2005. (p. 93-115).

Downloads

Publicado

2022-03-21

Como Citar

BARBOSA FILHO, F. R. Ler o arquivo em análise de discurso: observações sobre o alienismo brasileiro. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022007, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8664658. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8664658. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção Geral