Causas denominativas na categoria dos cronotopônimos

os nomes dos municípios brasileiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8665027

Palavras-chave:

Cronotopônimos, Causas denomonativas, Municípios brasileiros

Resumo

Em estudos da toponímia brasileira, um dos procedimentos mais utilizados pelos pesquisadores quanto à análise dos nomes geográficos é a aplicação de um modelo taxionômico. O modelo de Dick (1990b), que tem como objetivo a classificação dos elementos motivadores de forma objetiva e de uma perspectiva sincrônica, inclui, por exemplo, a categoria dos crononotopônimos –  topônimos com indicadores cronológicos representados pelos adjetivos novo(a) e velho(a). Quando se deseja evidenciar as causas específicas – que envolvem as razões do denominador – é necessário o levantamento de pelos menos alguns aspectos da história do acidente geográfico nomeado, isto é, a perspectiva passa a ser diacrônica. O objetivo do estudo apresentado neste texto é demonstrar que em uma mesma categoria, as causas denominativas, apesar de específicas para cada designativo, podem ser sistematizadas e divididas em grupos conforme seu conteúdo semântico. Para isso, toma-se a lista de nomes de municípios brasileiros disponibilizada pelo IBGE e separam-se os 137 considerados cronotopônimos; na sequência, investigam-se aspectos da história de cada município (especialmente a partir do Portal Cidades@ do IBGE e dos sites oficiais de cada município). No que se refere às reflexões teóricas, parte-se dos estudos de Lognon (1920), Dauzat (1947) e Dick (1990a, 1990b, 1999). A pesquisa evidenciou como principais causas denominativas dos cronotopônimos as seguintes: a) um aglomerado humano já nomeado, após atos administrativos, passa à categoria de município e inclui o adjetivo novo(a) para marcar um outro momento da história do seu desenvolvimento; b) o município recebe o nome em referência a outra cidade, estado, país etc. e, para evitar a homonímia de topônimos, inclui-se o adjetivo novo(a). Além dessas, outras causas denominativas estão descritas no artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Carolina Chierotti dos Santos Ananias , Universidade Estadual do Paraná

Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina. Professor colaborador da Universidade Estadual do Paraná, Brasil.

Marilze Tavares, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina. Professora efetiva da Universidade Federal da Grande Dourados, Brasil.

Referências

BACKHEUSER, Everardo. Toponímia. Suas regras, sua evolução. Revista Geográfica, Rio de Janeiro, v. 9/10, n. 25, p. 163-195, 1952.

DARGEL, Ana Paula Tribesse Patrício; ISQUERDO, Aparecida Negri Isquerdo. A macro-toponímia dos municípios sul-mato-grossenses: mecanismos de classificação semântica. ISQUERDO, Aparecida Negri Isquerdo (Org.) Toponímia: tendências toponímicas no estado de Mato Grosso do Sul, v.2 [recurso eletrônico] – Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/3549. Acesso em: 01 jun. 2021.

DAUZAT, Albert. Les noms de lieux. Origine et évolution. Librairie Delagrave, Paris, 1947.

DICK, Maria Vicentina do Amaral. Método e questões terminológicas na Onomástica. Estudo de Caso: Atlas Toponímico do estado de São Paulo. Investigações – Lingüística e Teoria Literária, Recife/UFPE, v. 9, ano XII, p. 119-148, 1999.

DICK, Maria Vicentina do Amaral. A Motivação Toponímica e a Realidade Brasileira. São Paulo: Edições Arquivo do Estado, 1990a.

DICK, Maria Vicentina do Amaral. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1990b.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Portal Cidades@. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/ . Vários acessos.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Biblioteca IBGE. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/. Vários acessos.

LOGNON, Auguste Honoré. Les noms de lieu de la França. Leur origine, leur signification, leurs tranformations. Ed. Champion, Paris, 1920. Disponível em : https://archive.org/details/lesnomsdelieudel01long. Acesso em: 17 fev. 2021.

RAMOS, Ricardo Tupiniquim. Toponímia dos municípios baianos: descrição, história e mudanças. 2008. 549f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Universidade Federal da Bahia, Bahia, 2008.

RODRIGUES, Adriano José Dias. Novo Planalto – GO (décadas de 1950 e 1960): história e memória. In: Anais do X Seminário de Pesquisa da Pós-graduação em História (UFG/PUC-GO), 6-7 nov. 2017; Goiânia. UFG/PUC-Goiás, 2017. p. 36-49. Disponível em: https://sites.pucgoias.edu.br/pos-graduacao/mestrado-historia/publicacoes/seminario-de-pesquisa-da-pos-graduacao-em-historia-puc-goiasufg/. Acesso em: 26 fev. 2021

SAPIR, Edward. Língua e ambiente. In: Linguística como ciência. Ensaios. Livraria Acadêmica, p. 43-62, 1969.

SOUZA, Gleisson Santana de. Análise de resiliência do assentamento Margarida Alves – Nova União-RO. 2018. 43f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Agronomia) – Universidade Federal da Fronteira Sul, Pontão, 2018.

Downloads

Publicado

2022-04-25

Como Citar

ANANIAS , A. C. C. dos S.; TAVARES, M. Causas denominativas na categoria dos cronotopônimos: os nomes dos municípios brasileiros . Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022011, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8665027. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8665027. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção Geral