Denunciar, elaborar, (en)lutar

luto e memória na tag #mariellepresente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v63i00.8665070

Palavras-chave:

Análise de Discurso, Luto, Memória

Resumo

O trabalho tem como objetivo analisar a hashtag “Marielle Presente” a partir das relações entre discurso, luto e memória. Parte-se da questão de como as vítimas da violência estatal constroem suas memórias. Tomando por base as considerações de Mbembe (2017) e Butler (2014) sobre a distribuição social das vulnerabilidades sociais, debatemos o processo discursivo que se instaura entre o gesto de denúncia, a elaboração e a formulação do luto desses sujeitos e sua luta pela memória. Tomamos a tag como paradigma de análise e nos debruçamos sobre suas condições de produção, bem como na sua formulação. Por fim, pode-se afirmar que o processo de circulação e formulação desses dizeres são marcados pela relação de presença-ausência, que possibilita ao sujeito enunciador, ao evocar um nome, também falar de si mesmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cícero Villela, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas.

Wedencley Alves, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutor em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Sociedade da Universidade Federal de Juiz de Fora. Coordenador do grupo de pesquisa Sensus-Comunicação e Discursos.

Referências

AGAMBEN, G. Estado de Exceção: Homo Sacer II.1. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2004.

ALLOUCH, J. Erótica do Luto: No tempo da morte seca. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 1995.

ARIÈS, P. História da Morte no Ocidente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1977

BATISTA, V. M. O medo na cidade do Rio de Janeiro: dois tempos de uma história. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

BARTHES, R. Journal de deuil. Paris: Le Seuil/Imec, 2009.

BORGES, C. M. R; OLIVEIRA, V. V. H. Direito Penal do Inimigo e a guerra contra o tráfico de drogas no Brasil. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/direito/article/view/34565. Acesso em: 23 jan 2018.

BUTLER, J. Vida Precária: Os Poderes do Luto e da Violência. São Paulo: Autêntica, 2014.

CAMPOS, A. Do Quilombo à Favela: A Produção do “Espaço Criminalizado” no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, 2004.

COSTA, G. C. da. Sentidos de Milícia: Entre a Lei e o Crime. Campinas: Editora UNICAMP, 2014.

FOLHA DE S. PAULO. 3000 participam do enterro no Pará. Vicentinho ajuda na cerimônia. 1996.

FONTANA, M.G.Z. “Lugar de fala”: enunciação, subjetivação, resistência. Revista Conexão Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. v. 12, n. 18. Porto Alegre, 2017.

FREUD, S. Luto e Malencolia (1917). In: Obras Completas Vol. 12. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2010.

INDURSKY, F. A fala dos quarteis e as outras vozes: uma análise do discurso presidencial da Terceira República Brasileira (1964-1984). Orientadora: Eni Orlandi. 1992. 2v. Tese (Doutorado em Linguística) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/270684. Acesso em: 20 jan. 2021.

LOWY, M. Walter Benjamin: aviso de Incêndio. São Paulo: Boitempo, 2005.

MBEMBE, A. Políticas da Inimizade. Lisboa: Antígona. 2017.

MODESTO, R. “Você matou meu filho” e outros gritos: Um estudo das Formas de Denúncia. Tese de Doutorado apresentada no Programa de Pós-graduação em Linguística da UNICAMP. Campinas, SP. 2018.

ORLANDI, E. Discurso e Texto: Formulação e Circulação dos Sentidos. Campinas: Pontes, 2012.

ORLANDI, E. As Formas do Silêncio: No Movimento dos Sentidos. Campinas: Editora Unicamp, 2007.

ORLANDI, E. Interpretação: Autoria, Leitura e Efeitos do Trabalho Simbólico. Petrópolis: Editora Vozes, 1996

ORLANDI, E. Conversa com Eni Orlandi. In. BARRETO, R. Teias: Rio de Janeiro, ano 7, nº 13-14, jan/dez, 2006.

PAVEAU, M. A. "Hashtag”, Technologies discursives. 2013. Disponível em: http://technodiscours.hypotheses.org/488. Acesso em 12 jan. 2021.

PAVEAU, M. A. Análise do Discurso Digital: Dicionário das Formas e das Práticas. COSTA, J. L.; BARONAS, R. L. (Orgs.). Campinas: Editora Pontes, 2021.

PÊCHEUX, M. O Discurso. Estrutura ou Acontecimento. Campinas: Editora Pontes, 1997.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: Uma Crítica à Afirmação do Óbvio. Campinas: Editora Unicamp, 2009.

PRINS, B.; MEIJER, I. C. Como os corpos se tornam matéria: entrevista com Judith Butler. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 155-167, Jan. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2002000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 mar. 2021.

RIBEIRO Jr, A. C. As drogas, os inimigos e a necropolitica. Disponível em: https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:MaX11LehvzIJ:https://peri odicos.ucsal.br/index.php/cadernosdoceas/article/download/251/223+&cd=1&hl=ptBR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 17 fev. 2021.

SILVA, Denise F. da. Toward a global idea of race. Minneapolis, Londres: Univ. Minnesota Press, 2007.

WACQUANT, L. A política punitiva da marginalidade: revisitando a fusão entre workfare e prisonfare. Rev. Epos, Rio de Janeiro , v. 3, n. 1, jun. 2012. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2178-700X2012000100002&lng=pt&nrm=iso. Acessos em : 23 mar. 2021.

WACQUANT, L. Foucault, Bourdieu et L’État Pénal a l’ère néolibérale (2013). Disponível em: http://www.loicwacquant.com. Acesso em: 09 de maio de 2013.

VALLADARES, L. do P. A Invenção da Favela: Do de Origem a favela.com. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2005.

VILLELA, C. C. Mídia, Territorialidades e Subjetiviações: Uma Cartografia Discursiva sobre as Favelas. Dissertação de Mestrado apresentada no Programa de Pós-graduação de Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora. MG. 2015. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/1279. Acesso em: 20 de fevereiro de 2021.

ZAFFARONI, E. R. O inimigo no direito penal. Rio de Janeiro, Revan, 2011.

Downloads

Publicado

2021-11-29

Como Citar

VILLELA, C.; ALVES, W. Denunciar, elaborar, (en)lutar: luto e memória na tag #mariellepresente. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 63, n. 00, p. e021038, 2021. DOI: 10.20396/cel.v63i00.8665070. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8665070. Acesso em: 21 jan. 2022.

Edição

Seção

Versões do luto: análise do discurso e psicanálise