Saúde, ciência e política na encruzilhada de discursos

outra guerra da vacina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v63i00.8665092

Palavras-chave:

Análise de Discurso, Vacinação, Covid-19, Revolta da vacina, Anticiência

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o discurso sobre vacinação contra o novo coronavírus. Fundamenta-se no quadro teórico da Análise do Discurso materialista e toma como corpus principal textualidades digitais contemporâneas que circulam no Twitter, observando para tal o modo de funcionamento das marcas linguísticas presentes nas textualidades selecionadas. Uma guerra (informacional) da vacina está sendo produzida: sentidos favoráveis e contrários circulam e fazem ecoar efeitos de sentidos que percorreram outros momentos históricos por meio de um trabalho da memória discursiva. Em virtude desse movimento de sentidos, constituímos um corpus secundário com charges publicadas em jornais do início do século XX e imagens postadas em outra rede social, o Facebook. Trabalhando no entremeio de diferentes textualidades, promovemos um gesto de interpretação que intenta a constituição do discurso anticiência, na inter-relação com o discurso conservador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Felipe Andrade Silva, Universidade Federal da Bahia

Dramaturgo e professor da Área de Texto, discurso e ensino; doutor em Letras pela UERJ.

Angela Corrêa Ferreira Baalbaki, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Doutora em Letras pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

ALTHUSSER, L. Elementos de autocrítica. Barcelona: Editora Laia, 1974.

ALTHUSSER, L. Ideologia e Aparelhos Ideológicos de Estado (Notas para uma investigação). In: ZIZEK, S. (org.). Um mapa da ideologia. Trad. V. Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 1995 [1971], p.105-142.

ALTHUSSER, L. Contradição e sobredeterminação (Notas para uma pesquisa). In: _____. Por Marx. Trad. M. L. F. R. Loureiro. Campinas: Editora da Unicamp, 2015a [1966], p.71-106.

ALTHUSSER, L. Sobre a dialética materialista (Da desigualdade das origens). In: _____. Por Marx. Trad. M. L. F. R. Loureiro. Campinas: Editora da Unicamp, 2015b [1966], p.133-181.

AVRITZER, L. Política e antipolítica: a crise do governo Bolsonaro. São Paulo: Todavia, 2020.

BAALBAKI, A.; D’OLIVO, F. M. A segurança não é para todos: discursos sobre violência e segurança pública. Entremeios: revista de estudos do discurso, v.13, p.249-64, jul./dez. 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2LyYDZt>. Acesso em: 20 jul. 2019.

BOLSONARO, Jair M. O Brasil disponibilizará vacinas… S.l., 8 dez. 2020. Twitter: @jairbolsonaro. Disponível em: https://twitter.com/jairbolsonaro/status/1336416466539778048. Acesso em: 12 dez. 2020.

BRASIL tem aumento de 34% na média móvel de mortes por Covid-19 e quase todas regiões com salto de óbitos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 dez. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/12/brasil-tem-aumento-de-34-na-media-movel-de-mortes-e-quase-todas-as-regioes-com-salto-de-obitos.shtml. Acesso em: 11 dez. 2020.

CARVALHO, J. M. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CORRIDA pela vacina, A. Folha de S. Paulo, São Paulo, 8 dez, 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/12/a-corrida-da-vacina.shtml. Acesso em: 11 dez. 2020.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. Trad. H. R. Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUNKER, C. I. L. Psicologia das massas digitais e análise do sujeito democrático. In: Democracia em risco?: 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras, 2019, p.116-135.

GRANTHAM, M. R. Da releitura à escritura: um estudo da leitura pelo viés da pontuação. Campinas: Editora R&G, 2009.

HAN, B.-C. Sociedade da transparência. Trad. E. P. Giachini. Petrópolis: Vozes, 2017.

MARASCIULO, M. Na pandemia de Covid-19, negros morrem mais que brancos. Por quê? Galileu, 28 mai. 2020. Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2020/05/na-pandemia-de-covid-19-negros-morrem-mais-do-que-brancos-por-que.html. Acesso em: 18 dez. 2020.

MARCOS, F. L. F. Antipolítica e democracia no pós-2008: um estudo sobre os mecanismos de despolitização da esfera pública no Brasil atual. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa. Lisboa, 95 p., 2018.

ORLANDI, E. P. Terra à vista! Discurso do confronto: velho e o novo mundo. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 4ed. Campinas, SP: Pontes: Vozes, 2004 [1996].

ORLANDI, E. P. Discurso em Análise: Sujeito, Sentido, Ideologia. Campinas: Pontes, 2012.

PALMA, Ana. Dias de Revolta. Agência Fiocruz de notícias. 9 ago. 2006. Disponível em:<https://agencia.fiocruz.br/dias-de-revolta#:~:text=Na%20quinta%2Dfeira%2C%2010%20de,mesmo%20ano%2C%20ap%C3%B3s%20calorosa%20pol%C3%AAmica.>. Acesso em: 15 dez. 2020.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P.; et al. (org.). Papel da memória. 2 ed. Campinas, SP: Pontes, 2007, p.49-57.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. E. P. Orlandi et al. 4.ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009 [1975].

PÊCHEUX, M. Reflexões sobre a situação teórica das ciências sociais e, especialmente, da psicologia social. In: ORLANDI, E. P. (org.). Análise de discurso: Michel Pêcheux. 2.ed. Campinas: Pontes Editores, 2011 [1966], p.21-54.

PFEIFFER, C. C. Bem dizer e retórica: um lugar para o sujeito. 2000. 183 f. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, 2000.

PÔRTO, A.; PONTE, C. F. Vacinas e campanhas: as imagens de uma história a ser contada. História, ciências, saúde, Rio de Janeiro, v. 10 (supl. 2); p.725-742, 2003.

RANCIÈRE, J. Sobre a teoria da ideologia: a política de Althusser. Trad. L. Cary e J. J. M. Ramos. Porto: Portucalense Editora, 1971 [1969].

RIO DE JANEIRO. 1904 – Revolta da Vacina. A maior batalha do Rio. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro; Secretaria Especial de Comunicação Social, 2006. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/4204434/4101424/memoria16.pdf. Acesso em: 18 dez. 2020.

SANTINI, Edmilson. Oswaldo Cruz, entre a febre e a espada. In: ALMEIDA, Carla; MASSARANI, Luisa; MOREIRA, Ildeu de Castro (Org.). Cordel e ciência: a ciência em versos populares. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2011. p. 54-55.

SCHWARCZ, L. M.; STARLING, H. M. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SILVA, S. P. C.; MENANDRO, M. C. S. Representações de idosos sobre vacina da gripe. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.18, n. 8, p.2179-2188, ago. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000800002. Acesso em: 20 ago. 2020.

Downloads

Publicado

2021-06-09

Como Citar

SILVA, L. F. A.; BAALBAKI, A. C. F. Saúde, ciência e política na encruzilhada de discursos: outra guerra da vacina. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 63, n. 00, p. e021017, 2021. DOI: 10.20396/cel.v63i00.8665092. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8665092. Acesso em: 25 set. 2021.