Produção onírica e trabalho de luto em contexto pandêmico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v63i00.8665134

Palavras-chave:

Sonhos, Acontecimentos traumáticos, Trabalho de luto

Resumo

A “Roda de Conversa sobre Sonhos” surgiu como proposta de acolhimento e partilha de experiências junto aos estudantes do curso de Psicologia em decorrência da suspensão do calendário acadêmico no contexto da pandemia. Este artigo visa apresentar as ações de uma psicanálise implicada com o seu tempo e com a invenção de modos de cuidado e um método de intervenção. Por meio da escuta e circulação da palavra sobre a narrativa onírica foram criadas intervenções em duas dimensões de tratamento do material trazido pelo sonhante: a inescapável singularidade e o comum partilhado. Os sonhos são entendidos como trabalho psíquico de elaboração dos acontecimentos traumáticos que reencenam interpelações direcionadas ao sujeito em duas direções: o contexto histórico e sociopolítico e as reminiscências do passado. O encontro produziu reflexões sobre morte e despedidas e sobre o desalento diante das incongruências dos representantes do governo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaquelina Maria Imbrizi, Universidade Federal de São Paulo

Professora Associada da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Campus Baixada Santista, SP, Brasil.

Jussara de Souza Silva, Universidade Federal de São Paulo

Graduanda do curso de Psicologia na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Campus Baixada Santista, SP, Brasil.

Lais da Silva Vieira, Universidade Federal de São Paulo

Graduanda do curso de Psicologia na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Campus Baixada Santista, SP, Brasil.

Jeniffer Cambi de Freitas, Universidade Federal de São Paulo

Graduanda do curso de Psicologia na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Campus Baixada Santista, SP, Brasil.

Referências

AB’SÁBER, Tales AM. O sonhar restaurado: formas do sonhar em Bion, Winnicott e Freud. São Paulo: Editora 34, 2005. 320 p.

BERADT, Charlotte. Sonhos no Terceiro Reich: com o que sonhavam os alemães depois da ascensão de Hitler. São Paulo: Três Estrelas, 2017. 184 p. Tradução de Sílvia Bittencourt.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coronavírus Brasil. Ministério da Saúde. 2020.

CANAVEZ, F. et al. Corpos desaparecidos: guerra e resistência no Brasil. Birman J, Fortes I, organizadores. Guerra, catástrofe e risco: uma leitura interdisciplinar do trauma. São Paulo: Zagodoni Editora, p. 119-30, 2018.

CARRETEIRO, Teresa Cristina. Acontecimento: categoria biográfica individual, familiar, social e histórica. Família e casal: arranjos e demandas contemporâneas. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio/Loyola, p. 267-85, 2003.

FREUD, Sigmund. (1919). O “estranho”. In: SALOMÃO, Jayme (Org.), Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 17). Rio de Janeiro: Imago, p. 273-314, 1976.

FREUD, Sigmund. (1914). Recordar, repetir e elaborar: novas recomendações sobre a técnica da psicanálise II. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 12). Rio de Janeiro: Imago, p. 163-171, 1996.

FREUD, Sigmund. (1920). Além do princípio do prazer. (Vol. 14). São Paulo: Companhia das Letras, 2010a. Traduzido por Paulo César de Souza.

FREUD, Sigmund. (1915). Considerações atuais sobre a guerra e a morte. (Vol. 12). São Paulo: Companhia das Letras, 2010b. Traduzido por Paulo César de Souza.

FREUD, Sigmund. (1917). Luto e melancolia. São Paulo: Cosac Naify, 2012. Tradução de Marilene Carone.

FREUD, Sigmund. (1900). A interpretação dos Sonhos. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2017. Tradução de Renato Zwick.

IMBRIZI, Jaquelina. M. (2020). Arte e sonho: abordagem psicanalítica nos modos de cuidar das juventudes. Projeto de Extensão Universitária Unifesp – Baixada Santista, Santos, SP, Brasil, aprovado pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Unifesp (PROEX) em jun. 2020, cadastrado com Código PROEX: 17774 em https://www.unifesp.br/reitoria/proec/siex-frame. Texto não publicado.

IMBRIZI, Jaquelina Maria; ROSA, Miriam Debieux. A Desconstrução do Discurso sobre Trauma em dois filmes de Eastwood: uma contribuição das intervenções psicanalíticas clínico-políticas. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, [S.L.], v. 22, n. 3, p. 280-289, dez. 2019. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1809-44142019003003.

MESA 6: Sonhos para adiar o fim do mundo, com Ailton Krenak e Sidarta Ribeiro. [S.l.: S.n.], 2020. 1 vídeo (76 min). Publicado pelo canal Companhia das Letras. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=95tOtpk4Bnw. Acesso em: 25 maio 2020.

PELLEGRINO, Hélio. Pacto edípico e pacto social: da gramática do desejo à sem-vergonhice brasileira. 2017. In: RIVERA, Tania.; CELES, Luiz. A. M.; SOUZA, Edson. L. A., Coleção ensaios brasileiros contemporâneos: Psicanálise. Rio de Janeiro: Funarte.

PEREIRA, Felipe. Velórios de vítimas da covid-19 em SP duram 1 hora e têm limite de pessoas. UOL, São Paulo, 23 mar. 2020. Disponivel em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/03/24/velorios-de-vitimas-da-covid-19-vao-durar-uma-hora-e-restritos-a-10-pessoas.htm. Acesso em: 06 ago. 2021.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009. 72 p.

RIVERA, Tania. Prefácio: o sonho e o século. In: FREUD, Sigmund. A interpretação dos Sonhos. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2017. Tradução de Renato Zwick, Volumes I e II. (Trabalho original publicado em 1900).

RIVERA, Tania. Prefácio: o sonho e o século. In: FREUD, Sigmund. A interpretação dos Sonhos. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2017. Tradução de Renato Zwick, Volumes I e II. (Trabalho original publicado em 1900).

ROSA, Miriam Debieux. A pesquisa psicanalítica dos fenômenos sociais e políticos: metodologia e fundamentação teórica. Rev. Mal-Estar Subj., Fortaleza, v. 4, n. 2, p. 329-348, set. 2004. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482004000200008&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 06 ago. 2021.

ROSA, Miriam Debieux. Psicanálise implicada: vicissitudes das práticas clínico-políticas. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre. 2018. Disponível em: https://www.veredaspsi.com.br/wp-content/uploads/2018/04/artigo-miriam-clinica-politica.pdf.Acesso em: 25 maio 2020.

RUDGE, Ana Maria. As fantasias oníricas, para que servem? Estados Gerais da Psicanálise. Psyche, 3(4), 63-72, 1999. Disponível em: http://egp.dreamhosters.com/EGP/114-as_fantasias_oniricas.shtml. Acesso em 5 abr. 2020.

SILVEIRA, Paulo. A interpelação ideológica: a entrada em cena da outra cena. A Peste: Revista de Psicanálise e Sociedade e Filosofia., v. 2, n. 1, 2010. Disponível em:https://revistas.pucsp.br/apeste/article/view/12080. Acesso em: 25 maio 2020.

Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Organização mundial da saúde declara pandemia do novo coronavírus. Disponível em: https://www.unasus.gov.br/noticia/organizacao-mundial-de-saude-declara-pandemia-de-coronavirus. Acesso em 25 maio. 2020.

VELOSO, Caetano. Um índio. In: Bicho. VELOSO, Caetano. Philips Records, 1977. Disponível em: https://www.letras.mus.br/caetano-veloso/44788/. Acesso em: 25 maio 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-29

Como Citar

IMBRIZI, J. M.; SILVA, J. de S.; VIEIRA, L. da S. .; FREITAS, J. C. de . Produção onírica e trabalho de luto em contexto pandêmico. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 63, n. 00, p. e021033, 2021. DOI: 10.20396/cel.v63i00.8665134. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8665134. Acesso em: 21 jan. 2022.

Edição

Seção

Versões do luto: análise do discurso e psicanálise