Produção das vogais altas em sílabas postônicas finais no falar popular de fortalezenses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8665661

Palavras-chave:

Redução vocálica, Vogais, Variação linguística

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar a produção das vogais /i/ e /u/ em sílabas postônicas finais na fala popular de fortalezenses, a fim de investigar variáveis sociais e linguísticas que possam explicar e prever o apagamento dessas vogais. Utilizou-se para análise dados do corpus NORPOFOR – Norma Oral do Português Popular de Fortaleza-CE. Foram analisadas as variáveis previsoras faixa etária, escolaridade, sexo/gênero, vogal da sílaba tônica, consoante precedente, número de sílabas e frequência da palavra em relação à variável resposta presença/ausência da vogal átona. Foram inspecionadas, em 16 gravações do tipo DID – Diálogo entre Informante e Documentador (uma entrevista informal com duração média de 1 hora), um total de 796 palavras, 398 terminadas em /i/ e 398 em /u/ postônicos finais. As palavras foram analisadas acusticamente a fim de classificar a produção da vogal átona final, e os dados foram utilizados para ajustar dois modelos de regressão logística de efeitos mistos, uma para cada vogal final. Houve mais apagamentos do que produção das vogais, e houve mais apagamentos de /i/ do que de /u/. Nenhuma variável social (idade, escolaridade, sexo/gênero) se mostrou significativa. Para /i/, o número de sílabas da palavra (quanto maior a palavra, mais apagamento) bem como a natureza da consoante precedente (desvozeada para vozeamento, e fricativa ou africada para modo de articulação) se mostraram relevantes para explicar e prever seu apagamento. Para /u/, apenas o vozeamento da consoante precedente (desvozeada) se mostrou significativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Mangueira Lima Júnior, Universidade Federal do Ceará

Doutorado em Linguística pela Universidade de Brasília. Professor Adjunto da Universidade Federal do Ceará, Brasil.

Francisco Alerrandro da Silva Araujo, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ABAURRE, M. B. M.; SANDALO, F.; GONZÁLEZ-LOPES, V. Apagamento vocálico e binariedade no português: uma investigação baseada em preditivas bayesianas. Delta, v. 30, n. 1, p. 1-21, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-44502014000100002

ALBANO, E. C. O português brasileiro e as controvérsias da Fonética atual: pelo aperfeiçoamento da fonologia articulatória. Delta, v. 15, p. 23-50, 1999. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-44501999000300002

ALBANO, E. C. O gesto e suas bordas: esboço de fonologia acústico-articulatória do português brasileiro. Campinas: Mercado das Letras, 2001.

AQUINO, P. A. O papel das vogais reduzidas pós-tônicas na constrição de um sistema de síntese concatenativa para o português do Brasil. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

ARAÚJO, A. A. O Projeto Norma Oral do Português Popular de Fortaleza - NORPOFOR. In: XV Congresso Nacional de Linguística e Filologia, 2011, Rio de Janeiro. Cadernos do CNLF (CiFEFil), v. XV. p. 835-845, 2011.

ARAUJO, A. A.; VIANA, R. B. M.; PEREIRA, M. L. S. O banco de dados NORPOFOR. In: ¬¬ARAUJO, A. A.; VIANA, R. B.M.; PEREIRA, M. L. S. (org.). Fotografias sociolinguísticas do falar de Fortaleza-CE. Fortaleza: EdUECE: 2018. p. 15-65.

BARBOSA, P. A. Syllable-timing in Brazilian Portuguese: uma crítica a Roy Major. DELTA, n. 16, v. 2, 2000, p 369–402. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-44502000000200006

BECKMAN, M. When is a syllable not a syllable? In: OTAKE, T. CUTLER, A. (ed.). Phonological structure and language processing. Berlin: De Gruyter, 1996. p. 95-124. DOI: https://doi.org/10.1515/9783110815825.95

BISOL, L. Sandhi in Brazilian Portuguese. Probus, v. 15, p. 177-200, 2003. DOI: https://doi.org/10.1515/prbs.2003.007

BOERSMA, P.; WEENINK, D. Praat: doing phonetics by computer [Computer program]. Versão 6.1.03. Disponível em: http://www.praat.org/. Acesso em: 8 out. 2019.

BROWMAN, C. P.; GOLDSTEIN, L. Articulatory Phonology – an overview. Haskins Laboratories Status Report on Speech Research, SR-111/112, p. 23-42, 1992.

BYBEE, J. Phonology and language use. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511612886

CAMARA JR., J. M. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, 1970.

CRISTÓFARO-SILVA, T.; FARIA, I. Percursos de ditongos crescentes no português brasileiro. Letras de Hoje: estudos e debates em linguística, literatura e língua portuguesa, v. 49, n. 1, p. 19-27, 2014. DOI: https://doi.org/10.15448/1984-7726.2014.1.14650

CRISTÓFARO-SILVA, T.; GOMES, C.A. Teoria de exemplares. In: HORA, D.; MATZENAUER, C. L. (Org.). Fonologia e fonologias: uma introdução. São Paulo: 2017. p. 157-168.

CRISTÓFARO-SILVA, T.; GOMES, C.A. Fonologia na perspectiva dos modelos de exemplares. In: GOMES, C. A. (Org.). Fonologia na perspectiva dos modelos de exemplares: para além do dualismo natureza/cultura na ciência linguística. São Paulo: Contexto, 2020. p. 13-36.

CRISTÓFARO-SILVA, T.; VIEIRA, M. J. B. Redução vocálica em postônica final. Revista da ABRALIN, v. 14, n. 1, p. 379-406, jan./jun. 2015. DOI: https://doi.org/10.5380/rabl.v14i1.42822

DIAS, E.; SEARA, I. Redução e apagamento de vogais átonas finais na fala de crianças e adultos de Florianópolis: uma análise acústica. Letrônica, v. 6, n. 1, p. 71-93, 2013.

DUBIELA, M. A vogal /e/ átona final em falantes curitibanos. 2013. Monografia (Graduação em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

FERNANDES, A. C. G. Apagamento de vogais átonas em trissílabas proparoxítonas: um contributo para a compreensão da supressão vocálica em português europeu. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade do Porto, Porto, 2007.

FROTA, S.; VIGÁRIO, M. Aspectos de prosódia comparada: ritmo e entoação no PE e no PB. In Actas do XV Encontro da Associação Portuguesa de Linguística. Braga: APL, 2000, p. 533- 555.

GODOY, M. C.; NUNES, M. A. Uma comparação entre ANOVA e modelos lineares mistos para análise de dados de tempo de resposta. Revista da ABRALIN, v. 19, n. 1, pp. 1–23, 17 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.25189/rabralin.v19i1.1388

GOMES, M. F. A redução segmental em sequências #(i)sC no português brasileiro. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

GUZZO, N. B.; GARCIA, G. D. Gradience in prosodic representation: vowel reduction and neoclassical elements in Brazilian Portuguese. OSF Preprints. Disponível em: https://osf.io/548gv. Acesso em: 15 de maio 2021. DOI: https://doi.org/10.31219/osf.io/548gv

HASEGAWA, Y. Japanese: A linguistic introduction. Cambridge: Cambridge, 2015. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139507127

KONDO, M. Syllable structure and its acoustic effects on vowels in devoicing environments. In: WEIJER, J. V.; NANJO, K.; NISHIHARA, T. (ed.). Voicing in Japanese. Berlin: Mouton de Gruyter, 2005, p. 229-245.

LEITE, C. T. Sequencias de (oclusiva alveolar + sibilante alveolar) como um padrão inovador no português de Belo Horizonte. 125 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - UFMG, Belo Horizonte, 2006.

LIMA JR, R. M.; GARCIA, G. D. Probing rhythmic patterns in English-L2: a preliminary study on production data of Brazilian learners at different ages. Journal of Speech Sciences, v. 6, n. 1, p. 47-58, 2017 DOI: https://doi.org/10.20396/joss.v6i1.14984

LIMA JR, R. M.; GARCIA, G. D. Diferentes análises estatísticas podem levar a conclusões categoricamente distintas. OSF Preprints. Disponível em: https://osf.io/ndwbh. Acesso em: 16 de maio de 2021. DOI: https://doi.org/10.31219/osf.io/ndwbh

MATOS, M. P.; SANDALO, M. F. S. Síncope vocálica no português brasileiro. In: Encontro do Círculo de Estudos Linguísticos do Sul, 6, 2004, Florianópolis. Anais do Encontro do Círculo de Estudos Linguísticos do Sul. Florianópolis: 2004.

MENESES, F. O. As vogais desvozeadas no português brasileiro: investigação acústico-articulatória. 2012. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

MENESES, F. O. Uma visão dinâmica dos processos de apagamento de vogais no português brasileiro. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

NASCIMENTO, K. R. S. Emergência de Padrões Silábicos no Português Brasileiro e seus reflexos no Inglês Língua Estrangeira. 187f. Tese (Doutorado em Linguística) - UECE, Fortaleza, 2016.

NARO, A. J. Estudos diacrônicos. Petrópolis: Vozes, 1973.

PIERREHUMBERT, J. B. Exemplar dynamics: Word frequency, lenition and contrast. In: BYBEE, J.; HOPPER, P. (Ed.). Frequency effects and the emergence of linguistic structure. Amsterdam: John Benjamins, 2001. v. 45, p. 137-157. DOI: https://doi.org/10.1075/tsl.45.08pie

ROLO, M.; MOTA, J. Um Estudo sociolinguístico sobre o apagamento de vogais finais em uma localidade rural da Bahia. Signum, n. 15, p. 311-334, 2012. DOI: https://doi.org/10.5433/2237-4876.2012v15n1p311

SILVA, A. R. S. A interfonologia dos padrões silábicos do Português Brasileiro e do Inglês Segunda Língua. Dissertação de mestrado. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Mossoró, 2019.

SILVA, A. R. S.; LIMA JR, R. N. Efeito de tonicidade e vozeamento na redução da vogal /i/ e efeito da redução sobre a duração da consoante precedente. OSF Preprints. acessado em 15 de maio 2021.

SOUZA, Ricardo Fernandes. Redução de vogais altas pretônicas no português brasileiro de Belo Horizonte: uma abordagem baseada na gradiência. 146 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - UFMG, Belo Horizonte, 2012.

VIEGAS, M. C.; OLIVEIRA, A. Apagamento da vogal átona final em Itaúna/MG e atuação lexical. Revista da ABRALIN, v. 7, n. 2, p. 303-322, jul./dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.5380/rabl.v7i2.52491

VIEIRA, M. J. B.; LOPES, F. P. Cancelamento vocálico de postônicas finais: efeitos de frequência. Revel, n. 14, p. 25-44, 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-08

Como Citar

LIMA JÚNIOR, R. M.; ARAUJO, F. A. da S. . Produção das vogais altas em sílabas postônicas finais no falar popular de fortalezenses. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022017, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8665661. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8665661. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção Geral