Tendências genolexicais em adjetivos neológicos no português de Moçambique

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8666593

Palavras-chave:

Português de Moçambique, Formação de adjetivos neológicos, Sufixos –ic(o) e –nt(e)

Resumo

O objetivo deste estudo é descrever as tendências dos falantes do português de Moçambique na construção de adjetivos neológicos, à luz das teorias de morfologia e de mudança linguística. Constitui objeto do estudo um setor genolexical particular que abrange os processos de derivação de adjetivos denominais e deverbais pelos sufixos -ic(o) e -nt(e). A base empírica é constituída por adjetivos neológicos disponíveis na plataforma do Observatório de Neologismos de Moçambique. A análise qualitativa dos dados revela que, no processo de derivação lexical, embora recorrendo, às vezes, a unidades morfológicas das línguas bantu, os adjetivos derivados por cada sufixo obedecem aos preceitos da morfologia do português, o que justifica a necessidade da sua legitimação através de instrumentos normalizadores do portugugues de Moçambique. As novas unidades lexicais beneficiam em grande medida o processo de nativização do português no contexto moçambicano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diocleciano Nhatuve, Universidade de Coimbra

Doutorado em Doutoramento em Linguística do Português pela Universidade de Coimbra.

Referências

ABDULA, R. A. M. A criatividade da língua portuguesa: estudo de moçambicanismos no português de Moçambique. RILP - Revista Internacional em Língua Portuguesa, n. 32, pp. 81-97, 2017. DOI: https://doi.org/10.31492/2184-2043.RILP2017.32/pp.81-97

AHMAD, K. Neologisms, nonces and word formation. In HEID, U.; EVERT, S.; LEHMANN, E.; ROHRER C. (Eds.). The 9th EURALEX Int. Congress, v. 2. Munich: Universitat Stuttgart. pp 711-730, 2000.

ALVES, I. M. O conceito de neologia: da descrição lexical à planificação lingüística ieda maria alves. Alfa, São Paulo, 40: 11-16, 1996.

ALVES, I. M.; MARONEZE, B. Neologia: histórico e perspectivas. GTLex, Uberlândia, v. 4, n. 1, p. 5-32, 2018. DOI: https://doi.org/10.14393/Lex7-v4n1a2018-1

ANDERSON, S. R. A short history of morphological theory. In: AUDRING, J.; MASINI, F. (Eds.) The handbook of morphology theory. Oxford: University Press, p. 1-16, 2018. DOI: https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199668984.013.2

ARONOFF, M.; FUDEMAN, C. What is morphology? Oxford: Wily-Blackwel, 2011. DOI: https://doi.org/10.1093/obo/9780199772810-0001

AZUAGA, L. Morfologia. In: FARIA, I. H. et al. (Orgs.) Introdução à linguística geral e portuguesa. Lisboa: Caminho, p. 215-246, 1996.

BARRETO, T. Lexicalização e gramaticalização: processos independentes ou complementares?. In: LOBO, T., et al., (Orgs.) Rosae: Linguística Histórica, História das Línguas e outras Histórias [online]. Salvador: EDUFBA, p. 407-416, 2012. Disponível em SciELO Books <http://books.scielo.org>. Acesso: 3.08.2021.

BEVILACQUA, C. R.; SILVA, F. M. Morfologia concatenativa e morfologia não concatenativa: do princípio morfológico ao princípio prosódico. Confluência. Rio de Janeiro: Liceu Literário Português, n. 60, p. 353-372, 2021. DOI: https://doi.org/10.18364/rc.v1i60.389

BIDERMAN, M. T. C. As ciências do léxico. In: OLIVEIRA, A. M. P. P.; ISQUERDO, A. N. (Orgs.). As Ciências do Léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: Editora UFMS. p. 11-20, 12-22, 2001.

BLOOMFIELD, L. Language. New York: Holt, 1933.

BOOIJ, G. The Grammar of the Word. New York: Oxford University Press, 2005.

CASTELEIRO, J. M. Sintaxe transformacional do djetivo. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1981.

CHOMSKY, N. Syntatic strutures. The Hague: Mouton, 1957. DOI: https://doi.org/10.1515/9783112316009

CHOMSKY, N. Systems of Syntactic Analysis. The Journal of Symbolic Logic 18, p. 242–256, 1953. DOI: https://doi.org/10.2307/2267409

COELHO, H. M. Correspondências entre sufixos em palavras complexas: um levantamento em quatro línguas românicas. 80f. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro (Dissertação de Mestrado em Linguística), 80p. 2010.

COSTA, S. R. Análise morfo-semântica de alguns pares de sufixos eruditos e populares latinos no período entre os séculos XII a XVI. 388f. Araraquara: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Doutorado em Lingüística e Língua Portuguesa), 388p. 2008.

CUNHA, C.; CINTRA L. F.L. Nova gramática do português contemporâneo. Lisboa: Sá da Costa, 2005.

DUARTE, I. Língua portuguesa: instrumento de análise. Lisboa: Universidade Aberta, 2000.

FERREIRA, M. B. et al. Variação linguística: perspectiva dialectológica. In: FARIA, I. et al. (Org.) Introdução à linguística geral e portuguesa. Lisboa: Caminho, p. 479-502, 1996.

FIRMINO, G. Aspectos da nacionalização do português de Moçambique. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas. Porto Alegre, v. 9, p. 115-135, 2008. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316.2/34455. Acesso: 29 out. 2016.

HALLE, M.; MARANTZ, A. Distributed morphology and the pieces of inflection. In: HALE, K.; KEYSER, S. J. (Eds.) The View from Building 20, p. 111–176, 1993. Cambridge, MA: MIT Pres.

HASPELMATH, M. E SIMS, A. D. Understanding morphology. London: Hodder Education, 2010.

HRUSCHKA, D. J. et al. Building social cognitive models of language change. In: Opinion: trends in cognitive sciences, vol.13 n.11, p. 464-469, 2009. DOI: https://doi.org/10.1016/j.tics.2009.08.008

LABOV, W. Building on empirical foundations. In: LEHMANN, W; MALKIEL, W (Eds.). Perspectives in historical linguistics. Amsterdam: John Benjamins, 17-82, 1982.

MARTINET, A. Économie des changements phonétiques: traité de phonologie diachonique. Bern: Francke, 1955.

MATTOS; SILVA, R. V. Teorias da mudança lingüística e a sua relação com a(s) história(s) da(s) língua(s). Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, v. 3, p. 39-53, 2008.

NHATUVE, D. J. R. Ensino-aprendizagem do vocabulário de português como L2 em contextos multilingues – o caso do ensino Secundário de Moçambique. 148f. Évora, Universidade de Évora (Dissertação de Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação), 148p. 2013.

NHATUVE, D. Para a normatização do português de moçambique: Aspectos fonético fonológicos da vibrante “r” e da lateral “lh” no português oral de Maputo. Revista de Letras, Curitiba, v. 21. n. 32, p.130-144, 2019. DOI: https://doi.org/10.3895/rl.v21n32.6948

NHATUVE, D. Reflexão sobre a normatização do português de Moçambique. Fórumlinguistico, Florianópolis, v.14, n.2, p. 1997 – 2007, 2017. DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2017v14n2p1997

NHATUVE, D. Para a normatização do português de Moçambique: Aspectos do uso do imperativo. Novas Edições Académicas, 2018a.

NHATUVE, D. Para a normatização do português de Moçambique: Aspectos do uso do imperativo por estudantes Universitários. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, vol. 12, n. 1, 465-491, 2018b. DOI: https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-16

PEREIRA, R. V.; SILVESTRE, J. P.; VILLALVA, A. Os adjetivos em –vel formados em português: estrutura argumental, estrutura temática e aspecto da base verbal. ReVEL, v. 11, n. 20, p. 43-66, 2013.

PEZATTI, E. A gramática da derivação sufixal: Três casos exemplares. In: Alfa. São Paulo, 33, p. 103- 114, 1989.

RIO-TORTO, G. Formação de avaliativos. In: RIO-TORTO, G. et al. (Org.) Gramática derivacional do português. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, p. 357-383, 2013.

RIO-TORTO, G. Mudança genolexical: teoria e realidade. In: Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto - Vol. 3, 2008, p. 223-240, 2008.

RIO-TORTO, G. Para uma gramática do adjetivo. In: Alfa, São Paulo, 50 (2): 103-129, 2006.

RIO-TORTO, G; RODRIGUES, A. S. Formação de adjetivos. In: RIO-TORTO, G. et al. (Org.) Gramática derivacional do português. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, p. 240-296, 2013. DOI: https://doi.org/10.14195/978-989-26-0641-5

SANKOFF, G. Linguistic outcomes of language contact. In: CHAMBERS, K.; TRUDGILL, P. e SCHILLING-ESTES, N. (Ed.) The Handbook of Language Variation and Change. Blackwell Publishing LTD, p. 638-668, 2002. DOI: https://doi.org/10.1111/b.9781405116923.2003.00034.x

VAN ROMPAEY, T.; DAVID, K.; PETRÉ, P. Lexicalization and grammaticalization: the case of the verbo-nominal expressions be on the/ones way/road. Functions of Language. John Benjamins Publishing Company, p. 232-263, 2015. DOI: https://doi.org/10.1075/fol.22.2.03rom

VIARO, M. E. A derivação sufixal do português: elementos para uma investigação semântico-histórica. 220f. São Paulo: Universidade de São Paulo (Tese com vista à obtenção do título de Livre-Docente), 220p. 2011.

VIARO, M. Estudo diacrônico da formação e da mudança semântica dos sufixos derivacionais eiro/eira na Língua Portuguesa. In: MASSINI-CAGLIARI, G. et al. (Eds.) Trilhas de Mattoso Câmara e outras trilhas: fonologia, morfologia, sintaxe. São Paulo: Editora Cultura Acadêmica, p. 45-84, 2007.

VILLALVA, A. Formação de palavras: afixação. In: MATEUS, M. H. M. et al. (Orgs.) Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Caminho, p. 939-968, 2003.

WEINREICH, U; LABOV, W; HERZOG, M. Empirical foundation for a theory of language change. In: LEHMANN, W. P. E MALKIEL, Y. (Ed.) Directions for Historical Linguistics. Austin. University of Texas, p. 95-195, 1968.

Downloads

Publicado

2022-07-15

Como Citar

NHATUVE, D. Tendências genolexicais em adjetivos neológicos no português de Moçambique. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022023, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8666593. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8666593. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção Geral