Banner Portal
“O mundo é masculino e assim deve permanecer”
PDF

Palavras-chave

Argumentação
Adjetivos e advérbios
Machismo

Como Citar

CURTI, Josyelle Bonfante; CORDEIRO, Isabel Cristina. “O mundo é masculino e assim deve permanecer”. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 65, n. 00, p. e023006, 2023. DOI: 10.20396/cel.v65i00.8673025. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8673025. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

Com respaldo na Linguística Textual, buscamos, neste artigo, analisar a carga argumentativa em declarações discriminatórias enunciadas pelo juiz Edilson Rumbelsperger Rodrigues, da comarca de Sete Lagoas – MG, em 2007. Para tanto, optamos por avaliar os adjetivos, manifestamente afetivos e reveladores de posições ideológicas do enunciador, e os advérbios, que conferem propriedade às qualidades, aos sujeitos e aos eventos da enunciação, marcando o grau de engajamento do enunciador e robustecendo os argumentos, os conteúdos, os sentidos e as convicções subjacentes, sendo que ambos são mobilizados como artifícios persuasivos na defesa dos pontos de vista externalizados. Trata-se de uma tentativa de justificar perspectivas valorativas e de levar a um convencimento sobre a proposição de que a sociedade deve ser regida e mantida nos moldes masculinos, posto que a quebra dessa prevalência e desse domínio masculino e a consequente independência feminina tornam o homem emocionalmente frágil, tolo, dependente e subjugado, por isso causam desequilíbrio, desarmonia e caos à sociedade – tradicionalmente patriarcal –, acima de tudo quando é criada uma lei (Lei Maria da Penha) que protege exclusivamente as mulheres de agressões e de violências. Por fim, o adjetivo e o advérbio regulam e encaminham a orientação interpretativa dos discursos, seus sentidos e seu aceite.

https://doi.org/10.20396/cel.v65i00.8673025
PDF

Referências

AMOSSY, Ruth. A argumentação no discurso. 1. ed. Tradução de Angela M. S. Corrêa et al. São Paulo: Contexto, 2020.

BARROS, Francisco Dirceu; SOUZA, Renee do Ó. Feminicídio: controvérsias e aspectos práticos. Leme: JH Mizuno, 2019.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 8 ago. 2006. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2006/lei-11340-7-agosto-2006-545133-publicacaooriginal-57150-pl.html. Acesso em: 10 dez. 2022.

CABRAL, Ana Lúcia Tinoco. A força das palavras: dizer e argumentar. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Abordagens da argumentação nos estudos de Linguística Textual. ReVEL, v. 14, n. 12, p. 106-124, 2016. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/ea45a0fb01f8dde37a9435628505a55d.pdf. Acesso em: 5 jan. 2023.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães et al. O texto e suas propriedades: definindo perspectivas para análise. Revista (Con)Textos Linguísticos, v. 13, n. 25, p. 25-39, 2019.

CONJUR. Consultor Jurídico. CNJ afasta juiz que fez declarações machistas. 2010. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2010-nov-09/cnj-afasta-juiz-fez-declaracoes-machistas-sentenca. Acesso em: 3 dez. 2022.

CONJUR. Consultor Jurídico. CNJ avalia decisão que tachou lei Maria da Penha de mostrengo. 2007. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2007-out-23/cnj_avalia_decisao_tachou_lei_monstrengo_tinhoso?pagina=2. Acesso em: 3 dez. 2022.

FARIA, Maria da Graça dos Santos; CAVALCANTE, Mônica Magalhães; BRITO, Mariza Angélica Paiva. Metadiscursividade e argumentatividade na construção de textos jornalísticos. In: OLIVEIRA, Esther Gomes de et al. (orgs.). Discurso e argumentação: tecendo os efeitos de sentido. 1. ed. Campinas: Pontes Editores, 2020. p. 105-124.

FIGUEREDO, Giacomo Patrocinio. Uma proposta de descrição do sistema de mensagem na organização funcional discurso. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 61, p. 1-23, e019003, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.20396/cel.v61i1.8653021. Acesso em: 25 jul. 2023.

KOCH, Ingedore Villaça. As tramas do texto. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

KOCH, Ingedore Villaça. Argumentação e linguagem. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KOCH, Ingedore Villaça. Introdução à linguística textual: trajetória e grandes temas. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2015.

KOCH, Ingedore Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Escrever e argumentar. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2018.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, 2000.

OACNUDH. Escritório Regional para a América Central do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos; ONU Mulheres. Modelo de protocolo latino-americano para investigação de mortes violentas de mulheres (femicídios/feminicídios). 2014. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2015/05/protocolo_feminicidio_publicacao.pdf. Acesso em: 8 dez. 2022.

OLIVEIRA, Esther Gomes. Aspectos ideológico-argumentativos em um conto de Judith Grossmann. In: OLIVEIRA, Esther Gomes de; SILVA, Suzete (orgs.). Semântica e estilística: dimensões atuais do significado e do estilo. Homenagem a Nilce Sant'Anna Martins. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 177-197.

OLIVEIRA, Michele Borges Chaves de; CORDEIRO, Isabel Cristina. Dia Internacional da Mulher: aspectos ideológico-argumentativos no discurso do primeiro ano de mandato de Bolsonaro. Entretextos, Londrina, v. 21, n. 1, p. 203-219, jan./jun. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.5433/1519-5392.2021v21n1p203. Acesso em: 20 dez. 2022.

OLIVEIRA, Esther Gomes de; OLIVEIRA, Lolyane Cristina Guerreiro de; VENTURINI, Bárbara Luise Hiltel. O advérbio como elemento argumentativo. Boletim, Centro de Letras e Ciências Humanas, Londrina, n. 66, p. 193-218, jan./jun. 2014.

SILVA, Suzete; OLIVEIRA, Esther Gomes de; OLIVEIRA, Lolyane Cristina Guerreiro de. A expressividade argumentativa do adjetivo no texto publicitário. Signum: Estudos da Linguagem, Londrina, v. 16, n. 1, p. 201-231, jun. 2013.

SOUSA, Marilia de Oliveira de; SIRELLI, Paula Martins. Nem santa, nem pecadora: novas roupagens, velhas dicotomias na coisificação da mulher. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 132, p. 326-345, maio/ago. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sssoc/a/gXHm78WFWRyz3mkK6qtYMPv/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 1 set. 2021.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Cadernos de Estudos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.