A gente combinamos de não morrer

necropolítica e produção artística

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v9i00.8661943

Palavras-chave:

Racismo, Necropolítica, Arte

Resumo

Este artigo busca discutir como o racismo estruturado na sociedade brasileira funciona como poderosa tecnologia cultural que fundamenta privilégios e exclusões no panorama da vida social. Nosso interesse é compreender as articulações desenvolvidas por grupos dominantes na elaboração de projetos raciais determinantes para a consolidação das desigualdades institucionalizadas. Além disso, pretendemos analisar procedimentos estéticos que partam de temáticas relacionadas à dominação racial e à necropolítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Hugo Neves Oliveira, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Ciências Sociais (UERJ) com estágio doutoral em Antropologia da Dança na Université Paris Nanterre. Professor do Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal da Paraíba. 

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo Estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

ATLAS. Atlas da Violência 2020. IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Brasília, DF, 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020. Acesso em: 20 out. 2020.

EVARISTO, Conceição. A gente combinamos de não morrer. In.: Olhos d’Água. Rio de Janeiro: Pallas, 2015.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

hooks, bell. Olhares Negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: Episódios de Racismo Cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1 Edições, 2020.

MOREIRA, Adilson. Racismo Recreativo. São Paulo: Pólen, 2019.

NASCIMENTO, Abdias do. O Genocídio do Negro Brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NOGUERA, Renato. Denegrindo a Filosofia: o pensamento como coreografia de conceitos afroperspectivistas. Griot - Revista de Filosofia. [S.L]. v. 4, n. 2, p. 1-19, 2011.

OLIVEIRA, Amurabi. A Quarentena é branca: classe, raça, gênero e colonialidade. Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais, v. 1, n. 1, jan-jun/2020.

PESSANHA, Eliseu Amaro de Melo. Necropolítica & Epistemicídio: as faces ontológicas da morte no contexto do racismo. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília. Programa de Pós-Graduação em Metafísica, 2018.

PESSANHA, Eliseu Amaro de Melo & NASCIMENTO. Wanderson Flor do. Necropolítica: Estratégias de extermínio do corpo negro. In.: ODEERE, [S. l.], v. 3, n. 6, p. 149-176, 2018.

PIEDADE, Vilma. Dororidade. São Paulo: Editora Nós, 2019.

SILVA, Bruno de Jesus da. Opaxorô, Ofá e Oxê: legado, narrativas de danças de Mestre King e Jorge Silva. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Bahia. Programa de Pós-Graduação em Dança, 2020.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se Negro. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

WILLIAM, Rodney. Apropriação Cultural. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

OLIVEIRA, V. H. N. A gente combinamos de não morrer: necropolítica e produção artística. Conceição/Conception, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e020021, 2020. DOI: 10.20396/conce.v9i00.8661943. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conce/article/view/8661943. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos Temáticos