Banner Portal
A gente combinamos de não morrer
PDF
PDF (English)

Palavras-chave

Racismo
Necropolítica
Arte

Como Citar

OLIVEIRA, Victor Hugo Neves. A gente combinamos de não morrer: necropolítica e produção artística. Conceição/Conception, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e020021, 2020. DOI: 10.20396/conce.v9i00.8661943. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conce/article/view/8661943. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

Este artigo busca discutir como o racismo estruturado na sociedade brasileira funciona como poderosa tecnologia cultural que fundamenta privilégios e exclusões no panorama da vida social. Nosso interesse é compreender as articulações desenvolvidas por grupos dominantes na elaboração de projetos raciais determinantes para a consolidação das desigualdades institucionalizadas. Além disso, pretendemos analisar procedimentos estéticos que partam de temáticas relacionadas à dominação racial e à necropolítica.

https://doi.org/10.20396/conce.v9i00.8661943
PDF
PDF (English)

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo Estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

ATLAS. Atlas da Violência 2020. IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Brasília, DF, 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020. Acesso em: 20 out. 2020.

EVARISTO, Conceição. A gente combinamos de não morrer. In.: Olhos d’Água. Rio de Janeiro: Pallas, 2015.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

hooks, bell. Olhares Negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: Episódios de Racismo Cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1 Edições, 2020.

MOREIRA, Adilson. Racismo Recreativo. São Paulo: Pólen, 2019.

NASCIMENTO, Abdias do. O Genocídio do Negro Brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NOGUERA, Renato. Denegrindo a Filosofia: o pensamento como coreografia de conceitos afroperspectivistas. Griot - Revista de Filosofia. [S.L]. v. 4, n. 2, p. 1-19, 2011.

OLIVEIRA, Amurabi. A Quarentena é branca: classe, raça, gênero e colonialidade. Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais, v. 1, n. 1, jan-jun/2020.

PESSANHA, Eliseu Amaro de Melo. Necropolítica & Epistemicídio: as faces ontológicas da morte no contexto do racismo. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília. Programa de Pós-Graduação em Metafísica, 2018.

PESSANHA, Eliseu Amaro de Melo & NASCIMENTO. Wanderson Flor do. Necropolítica: Estratégias de extermínio do corpo negro. In.: ODEERE, [S. l.], v. 3, n. 6, p. 149-176, 2018.

PIEDADE, Vilma. Dororidade. São Paulo: Editora Nós, 2019.

SILVA, Bruno de Jesus da. Opaxorô, Ofá e Oxê: legado, narrativas de danças de Mestre King e Jorge Silva. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Bahia. Programa de Pós-Graduação em Dança, 2020.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se Negro. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

WILLIAM, Rodney. Apropriação Cultural. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Victor Hugo Neves Oliveira

Downloads

Não há dados estatísticos.