Fracasso, utopia queer ou resistência?

chaves de leitura para pensar as artes das dissidências sexuais e de gênero no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v10i00.8664371

Palavras-chave:

Fracasso, Utopia queer, Resistência

Resumo

O texto aponta as diferenças entre as ideias de arte queer do fracasso (Jack Halberstam) e utopia queer (José Esteban Muñoz) situando-as em relação à “teoria antissocial” dos estudos queer. Por fim, aposta na resistência como possibilidade de pensar determinadas produções da cena artística das dissidências sexuais e de gênero do Brasil da atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Colling, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia. Professor associado do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) Professor Milton Santos.

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

AHMED, Sara. La promesa de la felicidad. Una crítica cultural al imperativo de la alegría. Buenos Aires: Caja negra, 2019.

AZEVEDO, Adriana Pinto Fernandes. Reconstruções queers - por uma utopia do lar. 2016. Tese (Doutorado em Letras) Programa de Pós-Graduação em Literatura, Cultura e Contemporaneidade, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

BERNINI, Lorenzo. Apocalipsis queer. Elementos de teoría antisocial. Madrid: Egales, 2015.

BERSANI, Leo. Homos. Buenos Aires: Ediciones Manantial, 1998.

BIRMAN, Joel. As pulsões e seus destinos: do corporal ao psíquico. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

BLANCA, Rosa Maria. Arte a partir de uma perspectiva queer: Arte desde lo queer. 2011. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

COLLING, Leandro. Artivismos das dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2019.

COLLING, Leandro. O que performances e seus estudos têm a ensinar para a teoria da performatividade de gênero? Urdimento, Florianópolis, v. 1, n.40, p.1-19, mar./abr. 2021.

COLLING, Leandro. Que outros sejam o normal – tensões entre movimento LGBT e ativismo queer. Salvador: EDUFBA, 2015.

COLLING, Leandro; ARRUDA, Murilo Souza; NONATO, Murillo Nascimento. Perfechatividades de gênero: a contribuição das fechativas e afeminadas à teoria da performatividade de gênero. Cad. Pagu, Campinas, n. 57, p. 1-34, 2019.

COLLING, Leandro; SOUSA, Alexandre Nunes; SENA, Francisco. Enviadescer para produzir interseccionalidades. In: OLIVEIRA, João Manuel de; AMÂNCIO, Lígia. (ed.), Géneros e sexualidades: interceções e tangentes. Lisboa: Maiadouro, 2017, p. 193-216.

COSTA, Pablo Assumpção Barros e GREINER, Christine. Dobrar a morte, despossuir a violência: corpo, performance, necropolítica. Conceição | Conception, Campinas, SP, vol. 9, p.1-19, 2020.

CRIMP, Douglas. Duelo y militancia. In: CRIMP, Douglas. Posiciones críticas. Ensayos sobre las políticas de arte y la identidad. Madrid: Ediciones Akal, 2005, p. 61-72.

DELEUZE, Gilles. Spinoza: filosofía práctica. Buenos Aires: Tusquets Editores, 2013.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Levantes. São Paulo: Ed. SESC SP, 2017.

EDELMAN, Lee. No al futuro. La teoría queer y la pulsión de muerte. Madrid: Egales, 2014.

FERREIRA, Glauco B. ‘Arte Queer’ no Brasil? Relações raciais e não-binarismos de gênero e sexualidades em expressões artísticas em contextos sociais brasileiros. Urdimento, Florianópolis, v.2, n.27, p.206-227, dezembro 2016.

HALBERSTAM, Jack. El arte queer del fracaso. Madrid: Egales, 2018.

HALBERSTAM, Jack. The politics of negativity in recent queer theory. PMLA, vol. 121, n. 3, pp. 823-824, 2006.

HALL, Stuart. “A questão multicultural”. In: HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG: Brasília: Representações UNESCO no Brasil, 2003, p. 51-100.

JUP DO BAIRRO. Corpo Sem Juízo, prod. BADSISTA (Áudio Oficial), 2019. https://www.youtube.com/watch?v=6il3RlZSlgM Acesso em 13/11/2019.

LIMA, Carlos Henrique Lucas. Linguagens pajubeyras: re(ex)sistência cultural e subversão da heteronormatividade. Salvador: Devires, 2017.

LINN DA QUEBRADA. Enviadescer - Clipe Oficial, 2016. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=saZywh0FuEY - Acesso em 13/11/2019.

LINN DA QUEBRADA. Pajubá, 2017. Disponível em https://linndaquebrada.bandcamp.com/releases - Acesso em 15/03/2020

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Gênero, arte e educação: resistências e novas paisagens do possível. Cartema, Recife, n.8, p. 81-96, 2020.

MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

MUÑOZ, José Esteban. Fantasmas do sexo em público: desejos utópicos, memórias queer. Periódicus, Salvador, n. 8, nov. 2017. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/24603 - Acesso 24/04/2020.

MUÑOZ, José Esteban. La esperanza frente a la desolación. In: MUÑOZ, José Esteban. Utopía queer. El entonces y allí de la futuridad antinormativa. Buenos Aires: Caja negra, 2020b, p. 335-346.

MUÑOZ, José Esteban. Thinking beyond antirelationality and antiutopianism in queer critique. PMLA, vol. 121, n. 3, pp. 825-826, 2006.

MUÑOZ, José Esteban. Utopía queer. El entonces y allí de la futuridad antinormativa. Buenos Aires: Caja negra, 2020a.

OLIVEIRA, João Manoel de. Desobediências de gênero. Salvador: Devires, 2017.

OLIVEIRA, João Manuel Calhau de. Performatividade pajubá. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 2, e59952, 2019.

ROJAS, José David. Identidades queer no vídeo arte: uma aproximação Brasil - Colômbia. Revista do Colóquio de Arte e Pesquisa do PPGA-UFES, Vitória, v. 7, N. 12, pp. 62-69, junho de 2017.

SIMAS, Luiz Antônio e RUFINO, Luiz. Traquinagem e morte. In: Flexa no tempo. Rio de Janeiro: Mórula, 2019, p. 45-50

SOUZA, Fábio Feltrin e BENETTI, Fernando José. Os estudos queer no Brasil: um balanço. In: ALVES, Douglas (org.) Gênero e diversidade sexual: teoria, política e educação em perspectiva. Tubarão: Copiart; Chapecó: EFFS, 2016, p. 115-136.

SUPLEMENTO PERNAMBUCO. A arte quer do fracasso, 2020. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=mMvzBC6bq0w – Acesso em 24/04/2020.

TADEU DA SILVA, Tomaz. A produção social da identidade e da diferença. In: TADEU DA SILVA, Tomaz (org.). Identidade e diferença. A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, Vozes, 2007, p 73-102.

TRÓI, Marcelo de. Teat(r)o Oficina, corpo dissidente na cena brasileira. In: COLLING, Leandro (Org.). Artivismos das dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2019, p. 41-56.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. 2015. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade), Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil.

Publicado

2021-08-12

Como Citar

COLLING, L. Fracasso, utopia queer ou resistência? : chaves de leitura para pensar as artes das dissidências sexuais e de gênero no Brasil. Conceição/Conception, Campinas, SP, v. 10, n. 00, p. e021004, 2021. DOI: 10.20396/conce.v10i00.8664371. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conce/article/view/8664371. Acesso em: 16 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos - Temas Livres