Sobre/Viver e Re(ex)sistir

a persistência da vida em The Sissy’s Progress

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v10i00.8666211

Palavras-chave:

Corpo abjeto, Arte da performance, Nando Messias

Resumo

O ensaio aborda as noções de existência, resistência e sobrevivência a partir da performance The Sissy’s Progress, de Nando Messias. Para tanto, pergunta: O que apenas o evento performativo fomenta, que não encontra vazão em outras partes da cultura? Ao contemplar essa questão, busca evidenciar a indissociabilidade entre criação em perfromance e (re)invenção de si. Escritos de Judith Butler, Peter Pál Pelbart e Renato Ferracini, entre outros, são implementados na investigação das potenciais imbricações de existência-resistência-sobrevivência do ato performativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Montagner, Universidade de São Paulo

Doutora em Artes da Cena pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Colaboradora na Graduação em Artes Cênicas da Universidade de São Paulo.

Referências

ALVIM, Davis Moreira. O rio e a rocha: resistência em Gilles Deleuze e Michel Foucault. In: Revista Intuitio, v. 2, n. 3, Porto Alegre, 2009, pp. 78-90.

BULHÕES, Marcos. Coralidades performativas e a subversão da cis-heteronormatividade: teatro e performance na expansão de gênero, sexualidade e afetividade. In LEAL, Dodi; DENNY, Marcelo (Orgs.). Gênero expandido: performances e contrassexualidades. São Paulo: Annablume, 2018, pp. 343-376.

BUTLER, Judith. Bodies that matter. New York and London: Routledge, 1993.

BUTLER, Judith. Frames of war: when is life grievable? London and New York: Verso, 2009.

CARLSON, Marvin. Performance: a critical introduction. New York and Abingdon: Routledge, 2004.

FERRACINI, Renato et al. Uma experiência de cartografia territorial do corpo em arte. In: Revista Urdimento, v. 1, n. 22, julho de 2014, pp. 219-232.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

HEATHFIELD, Adrian; HSIEH, Tehching. Out of now: the lifeworks of Tehching Hsieh. London and Massachusetts: Live Art Development Agency and The MIT Press, 2015.

LAPOUJADE, David. As existências mínimas. Tradução de Hortencia Santos Lencastre. São Paulo: n-1 edições, 2017.

MESSIAS, Nando. Sissy that walk: The Sissy’s Progress. In CAMPBEL, Alyson; FARRIER, Stephen. Queer dramaturgies: international perspectives on where performance leads queer. Basingstoke and New York: Palgrave Macmillan, 2016, pp. 279-292.

PELBART, Peter Pál. Por uma arte de instaurar modos de existência que “não existem”. In: Como falar de coisas que não existem. 1 ed. São Paulo: Bienal de São Paulo, 2014, v. 1, pp. 250-265.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana. Amanhã vai ser maior: o que aconteceu com o Brasil e possíveis rotas de fuga para a crise atual. São Paulo, Planeta do Brasil, 2019.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas américas. Tradução de Eliana Lourenco de Lima Reis. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

Publicado

2021-12-10

Como Citar

Montagner, A. (2021). Sobre/Viver e Re(ex)sistir: a persistência da vida em The Sissy’s Progress. Conceição/Conception, 10(00), e021013. https://doi.org/10.20396/conce.v10i00.8666211

Edição

Seção

Artigos - Temas Livres