Aptidão motora dos policiais militares do curso da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos (ESFAS) da Brigada Militar de Santa Maria – RS

Autores

  • Ana Carolina Vale Fernandes Universidade Federal de Santa Maria
  • Andrezza Bond Vieira Furtado Universidade Federal de Santa Maria
  • Daiana Cristina Dickel Universidade Federal de Santa Maria https://orcid.org/0000-0001-7180-1428
  • Eduardo Mezomo Fantinel Universidade Federal de Santa Maria
  • Luciane Sanchotene Etchepare Daronco Universidade Federal de Santa Maria https://orcid.org/0000-0002-9726-5982

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v13i1.2148

Palavras-chave:

Aptidão motora, Brigada militar, Medidas e avaliação

Resumo

Para avaliar o nível de aptidão motora dos policiais militares inscritos no curso da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos da Brigada Militar de Santa Maria, foram mensuradas as qualidades físicas flexibilidade, agilidade, potência de membros superiores, potência de membros inferiores, velocidade, resistência muscular localizada e resistência cardiorrespiratória. O estudo contou com 117 participantes com idade média de 44,15 anos, que obtiveram, segundo estatística descritiva, resultados médios classificados como bom para os testes de abdominal modificado (32,91) e Cooper (2352,94m), intermediário para o arremesso de medicine ball (5,12m) e fraco para sentar e alcançar (26,38cm), Shuttle-Run (12,4s), 30 metros (5,2s) e impulsão horizontal (1,8m). O resultado não foi considerado satisfatório e, assim, são necessárias aplicações de medidas buscando o aprimoramento da aptidão motora dos inscritos na EsFAS. PALAVRAS-CHAVE: Aptidão motora; brigada militar; capacidade motora; medidas e avaliação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Vale Fernandes, Universidade Federal de Santa Maria

Especialização em Fisioterapia nas Disfunções Traumato-Ortopédicas/Universidade Estadual do Pará. Especializanda em Atividade Física, Desempenho Motor e Saúde/ Universidade Federal de Santa Maria. Núcleo de Medidas e Avaliação em Exercícios Físicos e Saúde (NEMAEFS)-UFSM, Santa Maria

Andrezza Bond Vieira Furtado, Universidade Federal de Santa Maria

Bacharel em Educação Física – Universidade Federal de Santa Maria. Núcleo de Medidas e Avaliação em Exercícios Físicos e Saúde (NEMAEFS) – Santa Maria

Daiana Cristina Dickel, Universidade Federal de Santa Maria

Bacharel em Educação Física – Universidade Federal de Santa Maria. Núcleo de Medidas e Avaliação em Exercícios Físicos e Saúde (NEMAEFS) – Santa Maria

Eduardo Mezomo Fantinel, Universidade Federal de Santa Maria

Bacharel em Educação Física – Universidade Federal de Santa Maria. Núcleo de Medidas e Avaliação em Exercícios Físicos e Saúde (NEMAEFS) – Santa Maria

Luciane Sanchotene Etchepare Daronco, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Ciência do Movimento Humano. Professora Adjunta da Universidade Federal de Santa Maria. Coordenadora do Núcleo de Medidas e Avaliação em Exercícios Físicos e Saúde (NEMAEFS)- UFSM, Santa Maria

Referências

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

RIO GRANDE DO SUL. Constituição do Estado do Rio Grande do Sul. Diário Oficial do estado do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul. 1989.

BERRIA, J.; DARONCO, L. S. E.; BEVILACQUA, L. A. Aptidão motora e capacidade para o trabalho de policiais militares do batalhão de operações especiais. Salusvita, Bauru, v. 31, n. 2, p. 89-104, 2011.

CORBIN, C. B. A multidimensional hierarchical model of physical fitness: a basis for integration and collaboration. Quest, v. 43, p. 296-306, 1991.

BAUMGARTNER, T. A.; JACKSON, A.S. Meansurement for evaluation in physical education and exercise science. 1995.

GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P. Crescimento, composição corporal em crianças e adolescentes. São Paulo: Balieiro, 1997.

OLIVEIRA, H. G. Prevalência dos fatores para doença cardiovascular em uma amostra de servidores da Brigada Militar do Rio Grande do Sul. 2006. 67f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso Avançado em Administração Policial Militar) – Academia de Policia Militar, Porto Alegre, 2006.

DANTAS, E. H. M. Flexibilidade, alongamento e flexionamento. 4. ed. Rio de Janeiro: Shape, 1998.

ARAÚJO, C. G. S. Flexiteste: um método completo para avaliar a flexibilidade. Barueri: Manole: 2005.

QUEIROGA, M. R. Testes e medidas para avaliação da aptidão física relacionada à saúde em adultos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

ACHOUR JUNIOR, A. Exercícios de alongamento: anatomia e fisiologia. 2. ed. Barueri: Manole, 2006.

PITANGA, F. J. G. Testes, medidas e avaliação em educação física e esportes. 5. ed. São Paulo: Phorte, 2008.

BAUMGARTNER, T.; JACKSON, A. Measurement for evaluation in physical education and exercise science. Iowa: Brown & Benchmark, 1995.

FONTOURA, A. S.; FORMENTIN, C. M.; ABECH, E. A. Guia prático de avaliação física: uma abordagem didática, abrangente e atualizada. São Paulo: Phorte, 2008.

JOHNSON, B. L.; NELSON, J. K. Practical measurements for evaluation in physical education. Minessota: Burges Publishing Company, 1979.

MARINS, J. C. B.; GIANNICHI, R. S. Avaliação e prescrição de atividade física: Rio de Janeiro: Shape, 1998.

AAHPERD HEALTH RELATED PHYSICAL FITNESS TEST MANUAL. Reston: American Alliance for Health, Physical Education, Recreation and Dance, 1980.

FLECK, S.; KRAEMER, W. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

KRAEMER, W. J.; FRY, A. C. Strength testing: development an d evaluation of methodology. In: MAUD, P. J.;FOSTER, C. (Ed.). Physiological assessment of human fitness. Champaign: Human Kinetics, 1995.

AAHPERD HEALTH RELATED PHYSICAL FITNESS TEST MANUAL. Reston: American Alliance for Health, Physical Education, Recreation and Dance, 1980.

HEYWARD, V. H. Advanced fitness assessment and exercise prescription. Champaign: Human Kinetics, 1991.

POWELL, K. E. et al. Physical activity and the incidence of coronary heart disease. Annual Review of public Health, v. 8, p. 253-287, 1987.

COOPER, K. H. A means of assessing maximal oxygen intake. Correlation between field and treadmill testing. Journal of Medical Association, v. 203, n. 3, p. 201-204, 1968.

SHARKEY, B. J. Condicionamento físico e saúde. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

PITANGA, F. J. G. Testes, medidas e avaliação em educação física. 3. ed. São Paulo : Phorte, 2004.

BARBANTI, V. J. Teoria e prática do treinamento desportivo. 2. ed. São Paulo Edgard Blucher, 1979.

MAUD, P. J.; FOSTER, C. Avaliação fisiológica do condicionamento físico humano. 2. ed. São Paulo: Phorte, 2009.

MARINS, J. C. B.; GIANNICHI, R. S. Avaliação e prescrição de atividade física: guia prático. 3. ed. Rio de Janeiro: Shape, 2003.

MANN, P. S. Introductory Statistics. 2nd ed. New York: Wiley, 1995.

SHEPHARD, R. J. Occupational demand and human rights: public health officers and cardiorespiratory fitness. Sports Medicine, v. 12, 1991.

MINAYO, M. C. S. Missão prevenir e proteger: condições de vida, trabalho e saúde dos policiais militares do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

MACHADO, A. J. M. Flexibilidade em policiais militares: um estudo descritivo. Fundação Universidade Federal de Rondônia. Porto velho, 2011.

MORROW, J. et al. Medida e avaliação do desempenho humano. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SANTOS, M. R.; FERNANDES FILHO, J. Estudo do perfil dermatoglífico, somatotípico e das qualidades físicas dos policiais do batalhão de operações especiais (pmerj) do ano de 2005. Fitness and Performance Journal, v. 6, n. 2, p. 98-104, 2007.

VIEIRA, A. N. Aptidão motora em policiais militares do sexo masculino do município de Porto Velho (RO). 2010. 42f. Trabalho de Conclusão de Curso (Educação Física) - Fundação Universidade Federal de Rondônia, Rondônia, 2010.

BOYCE , R. W. et al. Longitudinal changes in strength of police officers with gender comparisons. Journal Strength Conditioning Research, v. 32, n. 8, p. 2411, 2418, nov. 2009.

ROCHA, P. S. O., CALDAS, P. R. L. Treinamento desportivo. Brasília: Ministério da Educação e Cultura, Departamento de Documentação e Divulgação, 1978.

GOEDERT, J.; OLIVEIRA, J. C. Efeitos do treinamento físico para militares do ppt de blumenau. Universidade Regional de Blumenau, 2010.

POPOV, T. Cuardernos de atletismo: entrenamiento de alto nível: carreras. Real Federación Española de Atletismo, 1986.

POLLOCK, M. L. ; WILMORE, J. H. Exercícios na saúde e na doença. Avaliação e prescrição para reabilitação. 2. ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 1993.

BERRIA, J.; DARONCO, L. S. E.; BEVILACQUA, L. A. Aptidão motora e capacidade para o trabalho de policiais militares do batalhão de operações especiais. Salusvita, Bauru, v. 31, n. 2, p. 89-104, 2011.

COOPER, K. H. A means of assessing maximal oxygen intake. Correlation between field and treadmill testing. Journal of American Medical Association, v. 203, n. 3, p. 201-204, 1968.

PITANGA, F. J. G. Testes, medidas e avaliação em educação física e esportes. 5. ed. - São Paulo: Phorte, 2008.

MATOS, D. G. et al. Perfil evolutivo do condicionamento aeróbio e da força em policiais militares. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 2010.

STRATING, M. et al. A job-related fitness test for the Dutch police. Occupational Medicine, London, v. 60, n. 4, p. 255-60, june 2010.

NABEEL, I. et al. Correlation between physical activity, fitness, and musculoskeletal injuries in police officers. Minnerva Médica, v. 90, n. 9, p. 40-43, sept. 2007.

Downloads

Publicado

2015-03-31

Como Citar

Fernandes, A. C. V., Furtado, A. B. V., Dickel, D. C., Fantinel, E. M., & Daronco, L. S. E. (2015). Aptidão motora dos policiais militares do curso da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos (ESFAS) da Brigada Militar de Santa Maria – RS. Conexões, 13(1), 36–52. https://doi.org/10.20396/conex.v13i1.2148

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)