Futebol e psicologia do esporte

contribuições da psicologia social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v12i2.2171

Palavras-chave:

Futebol profissional, Psicologia esportiva, Psicologia social, PichonRivière

Resumo

Neste artigo procurei detectar no discurso de alguns sujeitos do futebol profissional indicativos acerca da importância e necessidade da intervenção da psicologia esportiva, buscando ainda analisar as contribuições da psicologia social para o estreitamento e qualificação desta relação. Foi analisado um grupo de futebol profissional e realizadas entrevistas semiestruturadas com os funcionários do departamento de futebol, comissão técnica e jogador. Conclui-se que a psicologia esportiva vem ganhando notoriedade neste contexto. Entretanto, necessita-se ainda de mais estudos que tenham a psicologia social como referência, pois sua contribuição poderá ser muito útil ao trabalho psicológico, no campo da intervenção ou da pesquisa, com equipes do futebol profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Moreno Castellani, Universidade de São Paulo

Formado em 2005 no curso de licenciatura em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/ Rio Claro), Mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e Doutor em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo (USP), tem suas primeiras experiências acadêmicas circunscritas à Psicologia do Esporte e ao Futebol.

Referências

RUBIO, K. Psicologia do esporte aplicada. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003b.

ALMEIDA, P.; LAMEIRAS, J. Treinamento psicológico e futebol na era da globalização. In: BRANDÃO, M. R. F. et al. Futebol: psicologia e produção do conhecimento. Rio de Janeiro: Atheneu, 2008.

LEMA, V. Z. Conversaciones con Enrique Pichon-Rivière sobre el arte y la locura. Argentina: Ediciones Cinco, 2004.

PICHON-RIVIÈRE, E.; QUIROGA, A. P. Psicologia da vida cotidiana. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BRANDÃO, M. R. F. Fatores de stress em jogadores de futebol profissional. 2000. Tese (Doutorado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

RUBIO, K. Da psicologia do esporte que temos à psicologia do esporte que queremos. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, v. 1, n. 1, p. 1-13, 2007.

SAMULSKI, D. Psicologia do esporte. Belo Horizonte: Manole, 2002.

SMITH, B. Invasão de campo: Adidas, Puma e os bastidores do esporte moderno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

ESCHER, T.; REIS, H. H. B. As relações entre futebol globalizado e nacionalismo: o exemplo da Copa do Mudo de 2006. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 30, n. 1, p. 41-55, 2008.

ALMEIDA, R. Análise da descontinuidade do patrocínio esportivo em clubes de futebol no Brasil. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

PICHON-RIVIÈRE, E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

CASTELLANI, R. M. Em jogo a relação entre pesquisador e clube: futebol e processos grupais. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de campinas, Campinas, 2010.

OLMEIDILLA, A. et al. Uma análisis del papel professional del psicólogo del deporte desde lá percepción del entrenador de futból. Revista de Psicologia Del Deporte, Barcelona, v. l7, n. 2, p. 95-111, 1998.

ABDO, E. Psicologia do esporte no Brasil. In: RUBIO, K. (Org.). Encontros e desencontros: descobrindo a psicologia do esporte. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

CASAL, H.; BRANDÃO, M. R. F. Modelos de prática profissional na psicologia do esporte. In: BRANDÃO, M. R. F.; MACHADO, A. A. Coleção psicologia do esporte e do exercício. São Paulo: Atheneu, 2007. v. 1.

RUBIO, K. Rendimento esportivo ou rendimento humano? o que busca a psicologia do esporte? Revista Eletrônica Internacional de La Unión Latinoamericana de Entidades de Psicologia, n. 1, p. 01-06, fev. 2004. Disponível em: www.psicolatina.org/01/rendimiento.html.

PICHON-RIVIÈRE. Teoria do vinculo. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

SCARCELLI, I. R. O Movimento Antimanicomial e a rede substitutiva em saúde mental: a experiência do munícipio de São Paulo 1989-1982. 1998. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

MAILHIOT, G. B. Dinâmica e gênese dos grupos: atualidades das descobertas de Kurt Lewin. São Paulo: Duas Cidades, 1970.

LEWIN, K. Teoria de campo em ciência social. São Paulo: Pioneira, 1965.

LEWIN, K. Problemas de dinâmica de grupo. 2. ed. São Paulo: Cultrix; 1973.

SAIDÓN, O. O grupo operativo de Pichon-Rivière: guia terminológico para construção de uma teoria crítica dos grupos operativos. In: BARENBLITT, G. (Ed.). Grupos: teoria e técnica. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

ANDRADE, D. Grupo: como o entende Bauleo. In: BARENBLITT, G. (Ed.). Grupos: teoria e técnica. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

RUBIO, K. Estrutura e dinâmica dos grupos esportivos. In: RUBIO, K. (Ed.). Psicologia do esporte: teoria e prática. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003a.

GIESENOW, C. Psicologia de los equipos deportivos: claves para formar equipos exitosos. Buenos Aires: Claridad, 2007.

FEIJÓ, O. Psicologia para o esporte: corpo e movimento. 2. ed. Rio de Janeiro: Shape; 1998.

APITZCH, E. La personalidade del jugador de fútbol de elite. Revista de Psicologia del Deporte, n. 6, 1994.

Downloads

Publicado

2014-07-11

Como Citar

Castellani, R. M. (2014). Futebol e psicologia do esporte: contribuições da psicologia social. Conexões, 12(2), 94–113. https://doi.org/10.20396/conex.v12i2.2171

Edição

Seção

Artigo Original