Análise da composição corporal e prática de atividade física em mulheres pós-menopausa.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v11i3.8637607

Palavras-chave:

Menopausa, Composição corporal, Atividade física

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar a concentração de gordura corporal e o nível de atividade física de mulheres pós-menopausa. Participaram da amostra 20 mulheres pós-menopausa com idade média de 54,6 (± 3,05) anos. Foi aplicado o IPAQ para avaliar o nível de prática de atividade física e um questionário de percepções corporais após a menopausa. Foi feita uma análise com bioimpedância Biodynamics modelo 310, para avaliar o percentual de gordura e medida a circunferência abdominal, peso e estatura das participantes. O tempo médio de menopausa foi de 67 (± 47,16) meses. Mulheres ativas tiveram melhores resultados de IMC, Circunferência Abdominal e Percentual de gordura corporal. 80% das participantes foram classificadas como suficientemente ativas. Assume-se então que a prática de atividade física e um estilo de vida saudável são cruciais para a manutenção da saúde, e a prevenção de doenças advindas do envelhecimento em mulheres pós-menopausa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eloise Werle Almeida, Universidade Estadual de Londrina

Graduação em Esporte pela Universidade Estadual de Londrina (2012) e graduação em Educação Física pela Universidade Norte do Paraná (2015). Em ambos os cursos, o trabalho de conclusão foi relacionado a aspectos do climatério e menopausa e atividade física. No mestrado em Educação Física (Atividade Física e Saúde) pela Universidade Estadual de Londrina (2015) pesquisou o Estado de saúde, a prática de atividade física e composição corporal em mulheres com deficiência visual no climatério e pós-menopausa. Atualmente é professora da Universidade Norte do Paraná e cursa doutorado em Educação Física, também na área de atividade Física e Saúde.

Márcia Greguol, Universidade Estadual de Londrina

Possui mestrado e doutorado pela Escola de Educação Física e Esportes da Universidade de São Paulo (2005) e pós doutorado pela Universidade de Pádova (Itália) em Atividade Física Adaptada. Atualmente é professora adjunta do Centro de Educação Física e Esporte da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência nas áreas de Educação Física e Esporte, com ênfase em Atividades Físicas e Esportes Para Pessoas com Deficiências, atuando principalmente nos seguintes temas: educação física adaptada, inclusão, aptidão física e saúde e esporte adaptado para pessoas com deficiência.Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisa em Atividade Física e Defficiência (GEPAFID).

Referências

MONTEIRO, R. C. A.; RIETHER, P. T. A.; BURINI, R. C. Efeito de um programa misto de intervenção nutricional e exercício físico sobre a composição corporal e os hábitos alimentares de mulheres obesas em climatério. Revista de Nutrição, Campinas, v. 17, n. 4, p. 479-489, out./dez. 2004.

PINHEIRO, A. R. O.; FREITAS, S. F. T.; CORSO, A. C. T. Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Revista de Nutrição, Campinas, v. 17, n. 4, p. 523-533, out./dez. 2004.

FRANCISCHI, R. P. P. et al. Obesidade: atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Revista de Nutrição, v. 13, n. 1, p.17-28, jan./abr. 2000.

WAHRLICH, V.; ANJOS, L. A. Aspectos históricos e metodológicos da medição e estimativa da taxa metabólica basal: uma revisão de literatura. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 801-817, jul./ago. 2001.

REIS, C. M. R. F. et al. Composição corpórea, distribuição de gordura e metabolismo de repouso em mulheres histerectomizadas no climatério: há diferenças de acordo com a forma da administração de estrogênio? Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, São Paulo, v. 44, n. 2, abr. 2000.

RASKIN, D. B. F. et al. Fatores associados à obesidade e ao padrão andróide de distribuição da gordura corporal em mulheres climatéricas. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 22, n. 7, p. 435-441, 2000.

DE LORENZI, D. R. S. et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade no climatério. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 27, n. 8, p. 479-484, 2005.

SCHMITT, A. C. B.; CARDOSO M. R. A.; ALDRIGHI J. M. Tendências da mortalidade em mulheres brasileiras no climatério. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 18, n.1, p.11-15, 2008.

FERNANDES, L. F. C.; ALDRIDHI, A. P. S.; ALDRIGHI, J. M. Gordura abdominal visceral após a menopausa: novo tratamento? Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 51, n. 3, p.121-132, 2005.

PEREIRA, W. M. P. et al. Ansiedade no climatério: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 19, n.1, p. 89-97, 2009.

PINOTTI, J. A.; HALBE, H. W.; HEGG, R. Menopausa. São Paulo: Roca, 1995.

PARDINI, D. P. Alterações hormonais na mulher atleta. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, São Paulo, v. 45, n. 4, p. 343-351, ago. 2001.

TRIEN, S. F. Menopausa: a grande transformação. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1991.

BONGANHA, V. et al. Taxa metabólica de repouso e composição corporal em mulheres pós-menopausa. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, v. 56, n. 4, p. 755- 759, 2009.

ORSATTI, F. L. et al. Indicadores antropométricos e as doenças crônicas não transmissíveis em mulheres na pós-menopausa da região Sudoeste do Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 30, n. 4, p. 182-189, 2008.

NAVEGA, M. T.; OISHI, J. Comparação da qualidade de vida relacionada à saúde entre mulheres na pós-menopausa praticantes de atividade física com e sem osteoporose. Revista Brasileira de Reumatologia, São Paulo, v. 47, n. 4, p. 258-264, jul./ago. 2007.

RASO, V. A adiposidade corporal e a idade prejudicam a capacidade funcional para realizar as atividades da vida diária de mulheres acima de 47 anos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 8, n. 6, p. 225-234, nov./dez. 2002.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Disponível em: < http://www.who.int/topics/en/>. Acesso em: 09 abr. 2012.

PEIXOTO, M. R. G.; BENÍCIO, M. H. D.; JARDIM, P. C. B. V. Validade do peso e da altura auto-referidos: o estudo de Goiânia. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 6, p. 1065-1072, 2006.

MATSUDO, S. et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista Atividade Física e Saúde, Londrina, v. 6, n. 2, p. 01-18, 2001.

POLLOCK, M. L.; WILMORE, J. H. Exercícios na saúde e na doença: validação e prescrição para prevenção e reabilitação. Rio de Janeiro: Medsi, 1993. p. 233-362.

FRANÇA, A. P.; ALDRIGHI, J. M.; MARUCCI, M. F. N. Fatores associados à obesidade global e à obesidade abdominal em mulheres pós-menopausa. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 8, n. 1, p. 65-73, jan./mar. 2008.

TREVISAN, M. C.; BURINI, R. C. Metabolismo de repouso de mulheres pós-menopausa submetidas a programa de treinamento com pesos (hipertrofia). Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 13, n. 2, p.133-137, mar./abr. 2007.

CHAVES, L. M. et al. Relação entre variáveis da composição corporal e densidade mineral óssea em mulheres idosas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 11, n. 6, p. 352- 356, nov./dez. 2005.

GUIMARÃES, A. C. A.; BAPTISTA, F. Atividade física habitual e qualidade de vida de mulheres na meia-idade. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 17, n. 5, p. 305- 309, set./out. 2011.

6KEMPER, C. et al. Efeitos da natação e do treinamento resistido na densidade mineral óssea de mulheres idosas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v.15, n.1, p. 10-13, jan./fev. 2009.

KRAUSE, M. P. et al. Associação de aptidão cardiorrespiratória e circunferência abdominal com hipertensão em mulheres idosas brasileiras. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 93, n.1, p. 2-8, 2009.

ALMEIDA, R. T.; ALMEIDA, M. M. G.; ARAÚJO, T. M. Obesidade abdominal e risco cardiovascular: desempenho de indicadores antropométricos em mulheres. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 92, n. 5, 2009.

MEDEIROS, S. L.; PADIAL, R. Doença arterial coronária no climatério e exclusão social. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 16, n.1, p. 45-56, jan./ abr. 2007.

SILVA, R. B. et al. Atividade física habitual e risco cardiovascular na pós-menopausa. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 52, n. 4, p. 242-246, 2006.

CIBEIRA, G. H.; GUARAGNA, R. M. Lipídio: fator de risco e prevenção do câncer de mama. Revista de Nutrição, Campinas, v. 19, n.1, p. 65-75, jan./fev. 2006.

Downloads

Publicado

2013-09-19

Como Citar

Almeida, E. W., & Greguol, M. (2013). Análise da composição corporal e prática de atividade física em mulheres pós-menopausa. Conexões, 11(3), 129–146. https://doi.org/10.20396/conex.v11i3.8637607

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)