Efeitos da prática regular de exercícios físicos por portadores de lúpus eritematoso sistemico

estudo de revisão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v11i3.8637609

Palavras-chave:

Lúpus Eritematoso Sistêmico, Exercício, Imunidade, Aptidão física

Resumo

A quantidade de estudos relacionando os efeitos do exercício físico sobre parâmetros imunológicos e fisiológicos em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico (LES) ainda é restrita. Objetivo: Revisar a literária a respeito dos efeitos do exercício sobre parâmetros imunológicos e fisiológicos em pacientes com LES. Procedimentos Metodológicos: Foi realizada uma busca nas bases de dados PubMed e Scielo, e nos portais de periódicos Capes e Portal da Pesquisa. Os estudos foram selecionados pela leitura e análise de títulos, resumos e artigos completos. Resultados: No total foram encontrados 140 estudos relacionados ao tema. Após adoção dos critérios de exclusão, seis estudos fizeram parte da análise crítica do conteúdo deste estudo, dentre os quais dois demonstraram haver alterações imunológicas e quatro melhorias nos parâmetros fisiológicos com a execução de exercícios físicos em pacientes com LES. Conclusão: O exercício físico parece ocasionar melhorias na capacidade física, funcional e na função imunológica de indivíduos com LES em baixa atividade da doença. Todavia, existem ainda muitos aspectos que devem ser esclarecidos em relação aos componentes imunológicos e fisiológicos de indivíduos com LES submetidos a programas de exercícios físicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cátia Fernandes Leite, Universidade Federal de Pelotas

Mestra em Educação Física Curso de Mestrado em Educação Física, Laboratório de Bioquímica e Fisiologia de Exercício, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Marcio Neres dos Santos, Universidade Federal de Pelotas

Mestre em Educação Física Curso de Mestrado em Educação Física, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Airton José Rombaldi, Universidade Federal de Pelotas

Pós-Doutorado em Epidemiologia, Universidade Federal de Pelotas Escola Superior em Educação Física, Curso de Mestrado e Educação Física, Laboratório de Bioquímica e Fisiologia do Exercício, Grupo de Estudos em Epidemiologia da Atividade Física, Universidade Federal de Pelotas, pelotas, RS, Brasil. Endereço para contato. Escola Superior de Educação Física - Universidade Federal de Pelotas Rua Luiz de Camões, 625 - CEP: 96055-630, Pelotas, RS, Brasil Fone (fax): 533273-2752 e-mail: rombaldi@ufpel.tche.br

Referências

REIS, M. G.; LOUREIRO, M. D. R.; SILVA, M. G. Aplicação da metodologia da assistência a pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico em pulsoterapia: uma experiência docente. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 2, p. 229-232, 2007.

RINGOLD, S.; LYNM, C.; GLASS, R. M. Systemic lupus erythematosus. JAMA: the journal of the American Medical Association, v. 293, n. 24, p. 3130, 2005.

TELLES, R. W. et al. Frequência de doença cardiovascular aterosclerótica e de seus fatores de risco em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico. Revista Brasileira de Reumatologia, São Paulo, v. 47, n. 3, p. 165-173, 2007.

ROSA, S. B. et al. The use of stem cells for the treatment of autoimmune diseases. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, Ribeirão Preto, v. 40, n. 12, p. 1579-1597, 2007.

TISKIEVICZ, F. et al. Prolactina e macroprolactina no lúpus eritematoso sistêmico (LES). Revista Brasileira de Reumatologia, São Paulo, v. 45, n. 3, p. 191-194, 2005.

GARCIA, S.; CAMPO-DE-CARVALHO, A. C. Neonatal lupus syndrome: the heart as a target of the immune system. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v. 72, n. 1, p. 83-90, 2000.

MARSHAK-ROTHSTEIN, A.; RIFKIN, I. R. Immunologically active autoantigens: the role of toll-like receptors in the development of chronic inflammatory disease. Annual Review of Immunology, v. 25, p. 419-441, 2007.

PERES, J. M. C.; TEDDE, P. F. B.; LAMARI, N. M. Fadiga nos portadores de lúpus eritematoso sistemático sob intervenção fisioterapêutica. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 141-145, 2006.

CARVALHO, M. R. P. et al. Effects of supervised cardiovascular training program on exercise tolerance, aerobic capacity, and quality of life in patients with systemic lupus erythematosus. Arthritis and Rheumatism, v. 53, n. 6, p. 838-844, 2005.

CLARKE-JENSSEN, A. C. et al. Effects of supervised aerobic exercise in patients with systemic lupus erythematosus: a pilot study. Arthritis and Rheumatism, v. 53, n. 2, p. 308-312, 2005.

HOUGHTON, K. M. et al. Fitness, fatigue, disease activity, and quality of life in pediatric lupus. Arthritis and Rheumatism, v. 59, n. 4, p. 537-545, 2008.

KEYSER, R. E. et al. Evidence for aerobic insufficiency in women with systemic lupus erythematosus. Arthritis and Rheumatism, v. 49, n. 1, p. 16-22, 2003.

POOL, A. J. et al. Serum cortisol reduction and abnormal prolactin and CD4+/CD8+ T-cell response as a result of controlled exercise in patients with rheumatoid arthritis and systemic lupus erythematosus despite unaltered muscle energetic. Rheumatology, v. 43, n.1, p. 43-48, 2004.

ISENBERG, D. A. et al. Variation in circulating immune complex levels with diet, exercise, and sleep: a comparison between normal controls and patients with systemic lupus erythematosus. Annals of the Rheumatic Disease, v. 40, p. 466-469, 1981.

Downloads

Publicado

2013-09-19

Como Citar

Leite, C. F., Santos, M. N. dos, & Rombaldi, A. J. (2013). Efeitos da prática regular de exercícios físicos por portadores de lúpus eritematoso sistemico: estudo de revisão. Conexões, 11(3), 166–175. https://doi.org/10.20396/conex.v11i3.8637609

Edição

Seção

Artigo de Revisão