O jogo como conteúdo da educação física e suas possibilidades co-educativas

  • Junior Vagner Pereira da Silva Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Tânia Mara Vieira Sampaio Universidade Católica de Brasília
Palavras-chave: Educação física. Jogo. Co-educação.

Resumo

Observado não só entre humanos, mas também entre animais, historicamente diferentes significados têm sido atribuído ao jogo, seja em relação ao local de sua realização, objetivos ou organização. Em relação ao local de realização, embora a rua por muito tempo tenha figurado como palco do jogo, sobretudo entre crianças, que por lá jogavam, se divertiam e se desenvolviam, sua ocorrência também se estende à outros contextos, dentre eles a escola. Contudo, se no contexto informal o jogo é realizado pelo simples prazer, ou seja, é o jogo pelo jogo, no âmbito escolar, sobretudo nas aulas de Educação Física, sua aplicação na mesma perspectiva não se justifica, pois sub-entende que caracterizada como componente curricular obrigatório da Educação Básica e o jogo como conteúdo, a Educação Física tem saberes a serem trabalhados. Desta forma, este estudo tem como objetivo refletir sobre o jogo como conteúdo da Educação Física e suas possibilidades co-educativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Junior Vagner Pereira da Silva, Universidade Estadual de Santa Cruz
Doutorando em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília - UCB; Docente no Colegiado de Educação Física (Departamento de Ciências da Saúde) na Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC; Editor Adjunto da Revista Brasileira Ciência e Movimento; Bolsista Prosup/CAPES; atualmente desenvolve pesquisas relacionadas a Educação Física, políticas públicas de lazer, jogo e acessibilidade.
Tânia Mara Vieira Sampaio, Universidade Católica de Brasília
Doutora em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo; Docente no Programa de Mestrado e Doutorado em Educação Física da Universidade Católica de Brasília - UCB.

Referências

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1971.

CAILLOIS, R. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Gallimard, 1967.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1997.

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança. São Paulo: Zahar, 1971.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte, 2003.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1998.

COLDEBELLA, A. O. C.; LORENZETTO, L. A.; COLDEBELLA, A. práticas corporais alternativas: formação em Educação Física. Motriz, Rio Claro, v. 10, n. 2, p. 111-122, 2004.

BORTOLETO, M. A. C.; CALCA, D. H. Circo e Educação Física: compendium das modalidades aéreas. Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, v. 8, n. 11, p. 345-360, 2007.

ARMBRUST, I.; PEREIRA, D. W. Pedagogia da aventura. Jundiaí, SP: Fontoura, 2010.

KREBS, R. J. Considerações organizacionais para a Educação Física nas séries inicias do ensino fundamental. Cinergis, v . 1, n. 1, p. 19-38, 2000.

SACRISTÀN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

RANGEL, I. C. A.; DARIDO, S. C. Jogos e brincadeiras. In: DARIDO, S. C.; RANGEL, C. A. (Ed.). Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. p. 155-175.

SILVA, J. V. P.; SAMPAIO, T. M. V. Jogos tradicionais: reprodução, ampliação, transformação e criação da cultura corporal do movimento. Revista Brasileira Ciência e Movimento, Brasília, v. 19, n. 1, p. 72-86, 2011.

MOSSTON, M. La enseñanza de la Educacion Física. Buenos Aires: Paidós, 1982.

FARIA JUNIOR, A. G.; CORREA, E. S.; BRESSLANE, R. S. Prática de ensino em Educação Física, estágio supervisionado. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1987.

LE BOULCH, J. O desenvolvimento psicomotor: do nascimento até 6 anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984.

TANI, G. et al. Educação Física escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. São Paulo: EPU/EDUSP, 1988;

FARINATTI, P. T. V.; FERREIRA, M. S. Saúde, promoção da saúde e Educação Física: conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: Ed. da UERJ, 2006.

SAMPAIO, T. M. V. Gênero e lazer: um binômio instigante. In: MARCELLINO, N. C. (Org.). Lazer e Sociedade, múltiplas relações. Campinas: Alínea, 2008. p. 139-154.

Publicado
2012-12-20
Como Citar
Silva, J. V. P. da, & Sampaio, T. M. V. (2012). O jogo como conteúdo da educação física e suas possibilidades co-educativas. Conexões: Educação Física, Esporte E Saúde, 10(3), 87-100. https://doi.org/10.20396/conex.v10i3.8637649
Seção
Artigos