Banner Portal
Minha cadeira de rodas, meu corpo
PDF

Palavras-chave

Deficiência. Corpo. Atletas. Não atletas.

Como Citar

D´ANGELO, Silvia Mayeda; SALERNO, Marina Brasiliano; SILVA, Rita de Fátima da; ARAÚJO, Paulo Ferreira de. Minha cadeira de rodas, meu corpo. Conexões, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 113–141, 2012. DOI: 10.20396/conex.v10i3.8637651. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637651. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

A efetivação da participação da pessoa em condição de deficiência (PCD) nos mais diversos âmbitos sociais nos tem levado a diferentes discussões relacionando a Educação Física e sua participação na vida desse grupo específico. É notória a aproximação que há entre as atividades físicas e a pessoa com deficiência física, foco de nosso trabalho. Encontramos diversos estudos que objetivam compreender mais sobre essa relação: quais os interesses que fazem com que a PCD procure praticar uma atividade física? Como se sentem quando a praticam? E o esporte de alto rendimento, como essa população se relaciona com ele? Nosso objetivo foi ir um pouco além, buscar compreender outro fator, como as pessoas com deficiência física, que fazem uso de cadeira de rodas, se percebem frente a sociedade? Como é essa incorporação da cadeira de rodas ao seu corpo? Há diferença nessa visão entre pessoas que praticam ou não esportes? O que percebemos é que essa diferenciação ocorre, ou seja, as pessoas que fazem uso de cadeira de rodas e estão ativas em algum grupo de prática esportiva, conseguem enxergar-se de outra forma, com um olhar diferenciado, percebendo a cadeira como parte de seu corpo e fundamental para sua independência.
https://doi.org/10.20396/conex.v10i3.8637651
PDF

Referências

GOFFMAN E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988. 159p.

SILVIA, O. M. Epopéia ignorada: a pessoa deficiente na história do mundo de ontem e hoje. São Paulo: CEDAS, 1986. 470p.

TAVARES M. C. G. C. Imagem corporal: conceito e desenvolvimento. Barueri: Manole, 2003. 147p.

MERLEAU–PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2006. 662p.

PORTO, E. T. R. A Corporeidade do cego: novos olhares. 2002. Tese (Doutorado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002. Disponível em: http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000294998. Acesso em: 10 fev. 2005.

CYRULNIK, B. Do sexto sentido: o homem e o encantamento do mundo. Lisboa: Instituto Piaget, 1999. 296p.

DAOLIO, J. Cultura, educação física e futebol. 2. ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 2003.

ROLLIM, T. meu andar sobre rodas. São Paulo: Áurea, 2001. 248p.

SCHILDER, P. A imagem do corpo: as energias construtivas da psique. São Paulo: Martins Fontes. 1999. 405p.

SANTANA, V. H Avaliação do auto-conceito e atividade física. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

PEREIRA, C. A. A. O diferencial semântico: uma técnica de medida nas ciências humanas e sociais. São Paulo: Ática, 1986. 132p.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.