Banner Portal
Atividades gímnicas: uma proposta de atividade física para crianças de 4 a 6 anos de idade
PDF

Palavras-chave

Desenvolvimento motor. Criança. Ginástica.

Como Citar

MINCIOTTI, Alessandra Nabeiro; FURTADO, Verônica Valério. Atividades gímnicas: uma proposta de atividade física para crianças de 4 a 6 anos de idade. Conexões, Campinas, SP, v. 10, p. 132–143, 2012. DOI: 10.20396/conex.v10i0.8637666. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637666. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

A infância é o período que a criança desenvolve-se em todas as dimensões. A qualidade das experiências vivenciadas pelas crianças neste período determinará, em certa medida, o adulto no qual ela se tornará. As atividades gímnicas constituem-se em práticas benéficas para os indivíduos em todos os ciclos de vida. Tendo em vista os múltiplos fatores que podem interferir no desempenho motor de tarefas de vida diária, funcionais e/ou atividades esportivas, este estudo objetiva observar a influência da prática de atividades gímnicas no desenvolvimento motor de crianças entre 4 a 6 anos de idade. Após a avaliação inicial, as crianças realizaram a prática gímnica duas vezes por semana com uma hora de duração por três meses. Ao término as crianças foram reavaliadas. A taxa de sucesso nos testes de equilíbrio estático e dinâmico foi de 70% inicialmente em todas as idades. Após a prática gímnica observamos 100% de sucesso nos mesmos testes. Os resultados indicam a importância da atividade física no dia a dia das crianças a fim de desenvolver as capacidades físicas, habilidades manipulativas e criar um estilo de vida mais saudável para a criança.
https://doi.org/10.20396/conex.v10i0.8637666
PDF

Referências

SOARES, C. L. et al. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

RUSSEL, K.; KINSMAN, T. Coaching Certification Manual: introductory gymnastics. Ontario: Gymnastics Canada Gymnastique, 1986.

SCHEMBRI, G. Introductory gymnastics: a guide for coaches and teachers. Moorabbin: Australian Gymnastics Federation, 1987.

COLLINS, J. Gymnastics: what´s in it. Australian: Gymnastics Federation, 1991.

WERNER, P. Teaching children gymnastics: becoming a master teacher. Champaign: Human Kinetics, 1994.

ENGYM. Regulamento da Escola Nacional de Ginástica. Lisboa: Federação Portuguesa de Ginástica, 1999.

LEFÉVRE, A. B. Exame neurológico evolutivo. São Paulo: Sarvier, 1976.

PUCCINI, R. F.; LOUSADA, M. W. O crescimento da criança. In: CARVALHO, E. S.; CARVALHO, W. B. Terapêutica e prática pediátrica. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2000.

LEFÈVRE, A. B.; ALTENHEIM, D.; ALMIRANTE PENNA, H. Estudo comparativo do desenvolvimento psicomotor pelo método de Gesell, entre crianças asiladas e crianças mantidas em ambiente familiar. São Paulo: Pediatria Prática, 1955.

VERDERI, E. Encantando a Educação Física. Rio de Janeiro: Sprint, 1999.

FERREIRA, E. Principais alterações e consequências funcionais no aprendizado motor. São Paulo: Fisio&terapia, 2000.

STABELINI NETO, A. et al. Relação entre fatores ambientais e habilidades motoras básicas em crianças de 6 e 7 anos. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 3, n. 3, p. 135-140, 2004.

BLAAK, E. E. et al. Total energy expen¬diture and spontaneous activity in relation to training in obese boys. American Journal of Clinical Nutrition, v. 55, n. 4, p. 777-782, apr. 1992.

RIBEIRO, I. C. Obesidade entre escolares da rede pública de ensino de Vila Mariana – São Paulo: estudo de caso-controle (Dissertação)-Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2001.

MARCONDES, E. et al. Pediatria básica: pediatria geral e neonatal. 9.ed. São Paulo: Sarvier, 2003.

DIETZ, W. H. Factors increasing risk of obesity and potential for prevention overweight in childhood. In: WORKSHOP IN PREVENTION OF OBESITY POPULATION AT RISK, ETIOLOGIC FACTORS AND INTERVENTION STRATEGIES. Annals… Baltimore: National Institutes of Health: National Institute of Diabetes and Kidney Diseases, 1993.

SPENCE, J. C.; LEE, R. E. Toward a comprehensive model of physical activity. Psychology of Sport and Exercise, n. 4, p. 7-24, 2003.

DIETZ, W. H.; GORTMAKER, S. L. Do we fatten our children at the television set? obesity and television viewing in children and adolescents. Pediatrics, v. 75, n. 5, p. 807-812, may 1985.

KOHL, H. W.; HOBBS, K. E. Development of physical activity behaviors among children and adolescents. Pediatrics, v. 101, n. 3, pt. 2, p. 549-554, mar. 1998.

COON, K. A.; TUCKER, K. L. Television and children's consumption patterns: a review of the literature. Minerva Pediatrica, v. 54, n. 5, p. 423-436, oct. 2002.

DURIGON, O. F. S. et al. Evaluation of the neuromotor development institucionalized normal children. In: CONGRESS OF THE WORLD CONFEDERATION FOR PHYSICAL THERAPY, 12., Washington, 1995. Annals... Washington: American Physical Therapy Association, 1995.

SILVA, M. A. M. et al. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em crianças e adolescentes da rede de ensino da cidade de Maceió. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Maceió, v. 84, n. 5, p. 387-392, maio 2005.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.