Banner Portal
Judô paraolímpico: comparações e reflexões sobre as realidades de diferentes seleções femininas
PDF

Palavras-chave

Direitos da mulher. Artes marciais. Cegueira.

Como Citar

GOMES, Mariana Simões Pimentel; MORATO, Marcio Pereira; ALMEIDA, José Júlio Gavião. Judô paraolímpico: comparações e reflexões sobre as realidades de diferentes seleções femininas. Conexões, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 85–109, 2011. DOI: 10.20396/conex.v9i2.8637702. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637702. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

Com o intuito de entender o fenômeno mulheres com deficiência inseridas no esporte paraolímpico, especificamente no Judô, buscamos comparar as realidades de atletas brasileiras e estrangeiras, a partir de uma perspectiva sócio-cultural. Este é um estudo de cunho qualitativo que recorreu à análise de enunciação, uma das técnicas da Análise de Conteúdo para tratamento e interpretação de seus dados. Realizamos entrevistas semi-estruturadas com atletas de seleções nacionais de quatro países diferentes (Brasil, Estados Unidos, Suécia e Inglaterra). As questões de gênero parecem não incomodar as entrevistadas, em relação à deficiência ainda existe certo desconforto e sensação de preconceito alheio, entretanto, o fato de representarem o próprio país tende a inverter a imagem de pessoa em desvantagem para uma atleta de judô com potencialidades, independentemente de sua origem. As realidades analisadas refletem o contexto sócio-cultural das atletas e apontam para suas dificuldades, entretanto, os paradigmas de rótulos e preconceitos quanto ao gênero, deficiência, lutas e alto rendimento estão sendo ressignificados, cada um a seu modo, em consonância com seu contexto cultural.
https://doi.org/10.20396/conex.v9i2.8637702
PDF

Referências

ANDERSON, J. E. Women and sport psychology: an applied perspective. In: PUHL, J.; BROWN, C. H.; VOY, R. O. (Eds.). Sport science perspectives for women. Colorado: Springer, 1985.

HOBSBAWM, E. A nova mulher. In: HOBSBAWM, E (Org.). A Era dos impérios. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

DUNNING, E. Sport matters: sociological studies of sport violence and civilization. London: Routledge, 1999.

ALONSO, L. K. Mulher, corpo e mitos no esporte. In: SIMÕES, A. C. (Org.). Mulher e

esporte mitos e verdades. São Paulo: Manole, 2003.

LANE, S. T. M. Usos e abusos do conceito de representação social. In: SPINK, M. J. (Org.).

O conhecimento do cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1993.

CIDADE, R. Atletas paraolímpicas: figurações e sociedade contemporânea. 2004. 248 f.

Tese (Doutorado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual

de Campinas, Campinas, 2004.

STEFANE, C. et al. Esporte adaptado, Paraolimpíadas e Olimpíadas Especiais. In:

DACOSTA (Org.). Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Shape, 2005. p. 645-649.

COSTA, A. M. Relatório da chefia de delegação. In: COMITÊ PARAOLÍMPICO

BRASILEIRO. Relatório geral. Brasília, 2005.

DEPAUW, K.; GAVRON, S. J. Disability and sport. Champaign: Human Kinetics, 1995.

AMARAL, L. Deficiência: questões conceituais e alguns de seus desdobramentos. Cadernos de Psicologia da USP, n. 1, 1996. p. 3-12.

OLIVEIRA FILHO, C. W. Relatório da equipe paraolímpica de atletismo brasileira nos XII Jogos Paraolímpicos de Atenas. In: COMITE PARAOLIMPICO BRASILEIRO. Relatório geral. Brasília, 2005.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE DESPORTOS PARA CEGOS (CBDC). Classificação visual. Disponível em: http://www.cbdc.org.br/novo_site/index.php?idmenu=26&codtipoconteudo=4. Acesso em:

set. 2009.

BENITO, J. Nuevas tecnologias aplicadas a los deportes para ciegos y deficientes visuales. Barcelona: Espanha, 1996.

INTERNATIONAL BLIND SPORTS FEDERATION (IBSA). Judo. Disponível em: http://www.ibsa.es/eng/deportes/judo/presentacion.htm. Acesso em: 20 out. 2009.

MATARUNA, L. et al. Analysing the brazilian judo team participation in the Athens Paralympic Games. In: EUROPEAN COLLEGE OF SPORTS SCIENCE CONGRESS, 2005, Belgrado. Poster Sessions. Belgrado: ECSSC, 2005.

INTERNATIONAL PARALYMPIC COMMITTEE (IPC). Results. Disponível em: http://www.paralympic.org/Sport/Results/. Acesso em: 10 dez. 2009.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K. Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre: Artmed, 2002.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A Construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BALBINO, H. Pedagogia do treinamento: método, procedimentos pedagógicos e as múltiplas competências do técnico nos jogos desportivos coletivos. 2005. Tese (Doutorado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

DUARTE, E.; SANTOS, T. P. Adaptação e inclusão. In: DUARTE, E.; LIMA, S. M. Atividade física para pessoas com necessidades especiais: experiências e intervenções pedagógicas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.