Saberes possíveis no processo de ensinar e aprender dança: revisitando bases epistemológicas

Autores

  • Neusa Dendena Kleinubing Universidade Comunitária da Região de Chapecó
  • Maria do Carmo Saraiva Universidade Federal de Santa Catarina
  • Damiana Fernandes de Melo Escola Angel Vianna

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v9i2.8637703

Palavras-chave:

Dança. Epistemologia. Educação física.

Resumo

Este ensaio tem por objetivo discutir a dança e os possíveis conhecimentos que podem ser apreendidos a partir da sua prática. Nesse sentido, empreendemos esforços a fim de problematizar e identificar os saberes, bem como bases dos pensamentos geradores desses, refletindo sobre as implicações de tais formas de pensar e fazer a dança em diferentes contextos nas quais esta se manifesta. Para isso discutimos a dança a partir de três momentos históricos que retratam diferentes realidades político-sociais e procuramos identificar modos de pensar a sociedade, o sujeito que dança e a própria dança. Entendemos que esse caminho amplia o olhar sobre essa prática, possibilitando construir conhecimentos que dão conta de compreender a diversidade e a complexidade humana. Almejamos com esse texto (re)discutir as contribuições da dança no processo de formação humana, com especial atenção para a dança na escola, no contexto da Educação Física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neusa Dendena Kleinubing, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Professora da Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó. Ms. em Educação Física, linha de pesqusa: Teoria e prática pedagógica - UFSC

Maria do Carmo Saraiva, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em motricidade humana - especialidade dança, Universidade Técnica da Lisboa; Professora associada do Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Damiana Fernandes de Melo, Escola Angel Vianna

Especialista em Educação Física Escolar; Especialista em Estudos Contemporâneos em Dança- Escola Angel Vianna.

Referências

SARAIVA-KUNZ, M. C. Dança e gênero na escola: formas de ser e viver mediadas pela educação estética. 2003. Tese (Doutorado) – Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2003.

ABRÃO, E. et al. Imagens e percepção da dança: da estética formal à expressão estética. In: SILVA, A. M.; DAMIANI, I. Práticas corporais: construindo outros saberes em educação física. Florianópolis: Nauemblu Ciência & Arte, 2006. p. 84-99.

KLEINUBING, N. D. A dança como espaço-tempo de intersubjetividades: possibilidade da educação física no ensino médio. 2009. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

MONTEIRO, M. Balé, tradição e ruptura. In: PEREIRA, R.; SOSTER, S. (Org.). Lições de dança, Rio de Janeiro, n. 1, p. 169-189, 1999.

PORTINARI, M. História da dança. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 4. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 6. ed. Porto: Afrontamento, 1993.

FORTIN, S. Transformação de práticas de dança.. Lições de dança, Rio de Janeiro, n. 4, p. 161-173, 2004.

STRAZZACAPPA, M. Reflexões sobre a formação profissional do artista da dança. Lições de dança, Rio de Janeiro, n. 4, p. 175-194, 2004.

HOUAISS, A. Dicionário da língua portuguesa. 2 ed. rev. aum. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

ALVES, L. G.; SARAIVA, M. C. Autoridade na dança: reflexões iniciais a partir de um referencial histórico-crítico. In: SEMINÁRIO DE EPISTEMOLOGIA E TEORIAS DA EDUCAÇÃO, 3., 2008, Campinas. COLÓQUIO DE EPISTEMOLOGIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA, 4., 2088, Campinas. Anais ... Campinas, 2008.

CANTON, K. A pulsação do nosso tempo. Disponível em: http://www.superzap.com.br/arte-

cultura/a-pulsacao-do-nosso-tempo.html. Acesso em: 15 abr. 2007.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SARAIVA, M. C. O sentido da dança: arte, símbolo, experiência vivida e representação, Movimento, Rio Grande do Sul, v. 11, n. 3, p. 219-241, set./dez. 2005.

LEPECKI, A. O corpo colonizado. Gesto: revista do Centro Coreográfico do Rio, Rio de Janeiro, n. 2, p. 6-11, jun. 2003.

FRITSCH, U. Tanz, bewegungskultur, gesellschaft. Verluste und chancen symbolisch-expressiven bewegens. Frankfurt: Afra Verlag, 1988.

HERCOLES, R. Dança como produção de conhecimento. Disponível em: http://idanca.net/lang/pt-br/2008/02/21/epistemologia-em-movimento/5229/. Acesso em 12 dez. 2009.

BRASILEIRO, L. T.; MARCASSA, L. P. Linguagens do corpo: dimensões expressivas e possibilidades educativas da ginástica e da dança. Pro-Posições, Campinas, v. 19, n. 3, p. 195- 207, set./dez. 2008.

KUNZ, E. Pedagogia do esporte, do movimento humano ou da educação física? In: KUNZ, E.; TREBELS, A. H. (Org.). Educação Física crítico-emancipatória: com uma perspectiva da pedagogia alemã do esporte. Ijuí: Ed. da Unijuí, 2006.

Downloads

Publicado

2011-09-16

Como Citar

Kleinubing, N. D., Saraiva, M. do C., & Melo, D. F. de. (2011). Saberes possíveis no processo de ensinar e aprender dança: revisitando bases epistemológicas. Conexões, 9(2), 110–129. https://doi.org/10.20396/conex.v9i2.8637703

Edição

Seção

Artigos