Banner Portal
Emoção na torcida de futebol: uma paixão perigosa
PDF

Palavras-chave

Futebol. Violência. Emoção.

Como Citar

PAIXÃO, Jairo António; KOWALSI, Marizabel. Emoção na torcida de futebol: uma paixão perigosa. Conexões, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 54–66, 2011. DOI: 10.20396/conex.v9i1.8637713. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637713. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo discutir o fenômeno futebol como uma paixão perigosa, aquela que induz indivíduos e grupos ao risco de morte. A literatura revista aponta para o fato que a emoção quando levada ao extremo, pode ser violenta na movimentação da massa humana, na excitação da vitória e transposição da derrota. Ainda que os estádios de futebol se configurem como espaços destinados a excessos e euforias coletivas, propõe-se a efetivação da regulamentação em que se estrutura o futebol nos estádios, contribuindo assim para se evitar o descontrole das paixões e emoções pelos torcedores e por sua vez, a banalização de atos violentos e mortes.
https://doi.org/10.20396/conex.v9i1.8637713
PDF

Referências

CAGIGAL, J. M. Deporte y agresion. Madrid: Alianza, 1990.64Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 9, n. 1, p. 54-66, jan./abr. 2011.ISSN: 1983-9030

MURAD, M. A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007 .

MANDELL, R. Historia cultural del deporte. Espanha: Ediciones Bellaterra, 1986.

BODEI, R. Geometría de las pasiones: miedo, esperanza, felicidad – filosofia y uso

político. Fondo de Cultura Económica: México, 1995.

MURPHY, P.; WILLIAMS, J.; DUNNING, E. O futebol no banco dos réus: violência dos espectadores num desporto em mudança. Oeiras: Celta, 1994.

PIMENTA, C. A. M. (2000). Violência entre torcidas organizadas de futebol. Revista SãoPaulo em Perspectiva, v. 14, n. 2, 2000.

ANDERSON, C.; HUESMANN, L. Human aggression: a social cognitive view. The Sage Handbook of Social Psychology. New York: Sage, 2003. Disponível em: http://www.sageereference.com/hdbk_socpsych/Article_n12.html. Acesso em: 26 abr. 2010.

DUNNING, E. Sport matters: sociological studies of sport, violence and civilization.

London: Routledge, 1999.

DUNNING, E. Spectator violence. In: Encyclopedia of crime and punishment. 2002.

Disponível em: http://www.sageereference.com/crimepunishment/Article n410.html. Acesso em: 26 abr. 2010.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia cientifica. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOLEMAN, D. Emocionalidade: a teoria que redefine o que é ser inteligente. 60. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

STRONGMAN, K. T. A psicologia da emoção. Lisboa: Climepsi Edes, 1998.

ARENDT, A. Sobre a violência. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 9, n. 1, p. 54-66, jan./abr. 2011.ISSN: 1983-9030

ELIAS, N., DUNNING, E. (1995). Desporte y ócio en el processo de la civilización.México: Fondo de Cultura Econômica, 1995.

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2004.

WEISHEIPEL, J. E. Tomás de Aquino, vida, obras y doctrina. Pamplona: Eunsa, 1994.

AQUINO, T. Sobre o ensino (De Magistro) & os sete pecados capitais. São Paulo:

Martins Fontes, 2001.

DARWIN, C. A expressão das emoções no homem e nos animais. São Paulo: Cia das Letras, 200021BAUDRILLARD, J. A Transparência do mal: ensaio sobre fenômenos extremos. Campinas: Papirus, 1992.

GIULIANOTTI, R. Sociologia do futebol: dimensões históricas e socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

PAULA, A. R. (2005). Violência das torcidas e racismo no futebol: o que a escola tem comisto? Revista Urutágua, v. 14, n. 7, p. 21-37, 2005.

WILLIAMS, J.; DUNNING, E.; MURPHY, P. Hooligans abroad: the behaviour and

control of english fans in continental europe. London: Routledge, 1984.

KOWALSKI, M. Futebol: a esportivização do brasileiro. Viçosa: Ed. da Univ. Fed. deViçosa, 2009.

MAFFESOLI, M. Os tempos das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2006.66 Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 9, n. 1, p. 54-66, jan./abr. 2011.ISSN: 1983-9030

SOUZA, E. R.; MINAYO, M. C. S. O impacto da violência social na saúde pública no Brasil. In MINAYO, M. C. S. (Org.). Os muitos brasis: saúde e população na década de 80.São Paulo: Hucitec, 1995. p. 87-116.

DOMENACH, J. M. La violencia y sus causas. Paris: Unesco, Paris, 1981.

ENGELS, F. Teoria da violência. Ática: São Paulo, 1981.

FONSECA, C. Bandidos e mocinhos: antropologia da violência no cotidiano. Revista do IFCH da UFRGS, v. 16, n. 2, p. 67-89, 1993.

FREUD, S. Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1980.(Edição Standard Brasileira)

ELIAS, N.; DUNNING, E. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.

PEARSON, K. (1988). Deception, Sportsmanship and Ethics. In: MORGAN, W. J.;

MEIER, K. V. Philosophic inquiry in sport. Champaign: Human Kinetics, 1988.

ELIAS, N. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.v. 1.

ELIAS, N. O processo civilizador: formação do estado e civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. v. 2.

PRONI, M.; LUCENA, R. F. Esporte: história e sociedade. Campinas: Autores Associados,:

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.