Obesidade: causas e consequências em crianças e adolescentes

  • Flavia Hernandes Centro Universitário de Maringá
  • Meire Pereira Valentini Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Obesidade. Criança. Adolescente. Atividade Física.

Resumo

A obesidade é definida como um distúrbio nutricional e metabólico caracterizado pelo aumento de massa adiposa no organismo, refletindo em um aumento de peso corpóreo. Um dos métodos mais utilizados para indicar riscos relacionados ao excesso de peso corporal é o Índice de Massa Corporal (IMC) e quando se trata de crianças e adolescentes, deve-se levar em conta a faixa etária analisada. O trabalho se caracteriza como pesquisa bibliográfica no qual foi realizado um levantamento de material de estudo, tendo como objetivo estudar a prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes. Estudos demonstram que a atividade física é um mecanismo eficiente que contribui na redução e manutenção do peso corporal, aliada a outros hábitos positivos à saúde. Assim, conclui-se que devido ao grande índice de obesidade na atualidade, recomenda-se a intervenção através da prática da atividade física como projeto de vida familiar, com a finalidade de estimular e conscientizar sobre a importância e os benefícios que a mesma proporciona.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavia Hernandes, Centro Universitário de Maringá
Profª. de Educação Física pelo Centro Universitário de Maringá (CESUMAR) e Pós-Graduanda em Educação Especial pelo Instituto Dimensão.
Meire Pereira Valentini, Universidade Estadual de Maringá
Profª.de Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Mestranda em Treinamento e Atividade Física pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Referências

RAMOS, A. M. P. P. e BARROS FILHO, A. A. “Prevalência da obesidade em adolescentes de Bragança Paulista e sua relação com a obesidade dos pais”. Arquivos Brasileiros Endocrinológico Metabólico, v. 6, p. 663–667, 2003.

POWERS, S. K. e HOWLEY, E. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 5. ed. Barueri: Manole, 2005.

SIMÃO, R. Fisiologia e prescrição de exercícios para grupos especiais. 3. ed. Rio de Janeiro: Phorte, 2007.

ORGANIZAÇÃO Mundial da Saúde (OMS). Doenças crônico-degenerativas e

obesidade: estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde. 2003.

Disponível em: http://www.opas.org.br/sistema/arquivos/d_cronic.pdf Acesso em: 29 jan.

ASSOCIAÇÃO Brasileira para Estudos da Obesidade (ABESO). 2009. O Programa escola saudável. Disponível em: http://www.abeso.org.br/revista/revista20/escola_saudavel.htm Acesso em: 24 fev. 2009.

MARTINS JR., J. Como escrever trabalhos de conclusão de curso: instruções para planejar e montar, desenvolver, concluir, redigir e apresentar trabalhos monográficos e artigos. Petrópolis: Vozes, 2008.

LEITE, N. Obesidade infanto-juvenil: Efeitos da atividade física e da orientação nutricional sobre a resistência insulínica. 2005. 162f. Monografia (Especialização em Saúde da Criança e do Adolescente) - Universidade Federal do Paraná,Curitiba, 2005.

POLLOCK, M. L.; WILMORE, J. H. Exercício na saúde e na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. 2. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1993.

BOUCHARD, C. Atividade física e obesidade. São Paulo: Manole, 2003.

ORGANIZAÇÃO Mundial da Saúde (OMS). IMC por idade (5 a 19 anos). 2007. Disponível em: http://www.who.int/growthref/who2007_bmi_for_age/en/index.html. Acesso em: 03 nov. 2009.

DIONNE, I.; TREMBLAY, A. Balanço energético e de nutrientes em humanos. In: BOUCHARD, C. (Org.). Atividade física e obesidade. São Paulo: Manole, 2003. p.173-205.

VIUNISKI, N. Obesidade infantil: um guia prático. Rio de Janeiro: EPUB, 2000.

MINAYO, M. C. S. Os Muitos brasis: saúde e população na década de 80. São Paulo: Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco, 1995.

ESCRIVÃO, M. A. M. S.; LOPEZ, F. A. Prognóstico da obesidade na infância e na adolescência. In: FISBERG, M. (Org.). Obesidade infância e adolescência. São Paulo: Fundo editorial BYK, 1995. p. 146-155.

SORIANO, F. F. S.; MORTATTI, A. L. Análise da correlação entre dados morfológicos, desempenho motor e maturação em escolares de 11 a 14 anos de idade, no município de São Paulo (SP). Conscientiae Saúde, v.6, n. 1, p. 179-188, 2007.

GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P. Crescimento, composição corporal e desempenho motor de crianças e adolescentes. São Paulo: CLR Balieiro, 1997.

FARIAS, E. S.; SALVADOR, M. R. D. Antropometria, composição corporal e atividade física de escolares. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desenvolvimento Humano, v. 7, n. 1, p. 21-29, 2005.

GUEDES, D. P e GUEDES, J. E. R. P. Controle de peso corporal: composição, atividade física e nutrição. Londrina: Midiograf, 1998.

ESCRIVÃO, M. A. M. S. et al. Obesidade exógena na infância e na adolescência. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 76, p. 305-310, 2000.

BRAY, G. A. Sobrepeso, Mortalidade e Morbidade. In: Bouchard, C. (Org.). Atividade física e obesidade. São Paulo: Manole, 2003. p. 35-62.

AGRAS, W. S. et. al. Risk factors for childhood owerweight: a prospective study from birth to 9,5 years. Journal of Pediatrics, v. 145, p. 20-25, 2004.

TADDEI, J. A. A. C. Epidemiologia da obesidade na infância e adolescência. In: FISBERG, M. (Org.). Obesidade na infância e adolescência. São Paulo: Fundo Editorial BYK, 1995. p. 14-18.

LEÃO, L. S. C. et al. Prevalência de obesidade em escolares de Salvador, BA. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabologia, v. 47, n. 2, p.151-157, abr. 2003.

MELLO, E. D.; LUFT, V. C.; MEYER, F. Obesidade infantil: como podemos ser eficazes? Jornal de Pediatria, v. 80, p. 173 – 181, 2004.

SUPLICY, H. L. Quais as consequências do excesso de peso? as doenças associadas à obesidade. In: HALPERN, A.; MANCINI, M. C. (Org.). Manual de obesidade para o clínico. São Paulo: Roca, 2002. p. 61-84.

CARVALHO, C. M. R. R. et al. Consumo alimentar de adolescentes matriculados em colégio particular de Teresina, Piauí, Br. Revista de Nutrição, Campinas, v.14, n.2, p.85-93, maio/ago. 2001.

HAUSER, C.; BENETTI, M.; REBELO, F. P. V. Estratégias para o emagrecimento. Revista de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 6, n. 1, p. 72-81, 2004.

FRANCISCHI, R. P.; PEREIRA, L. O.; LANCHA JR., A. H. Exercício, comportamento alimentar e obesidade: revisão dos efeitos sobre a composição corporal e parâmetros metabólicos. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 117-146, julho/dezembro, 2001.

ODED BAR-OR, M. D. A Epidemia de obesidade juvenil: a atividade física é relevante? Gatorade Sports Science Institute, v. 16, n. 2, jul./set. 2003. Disponível em: http://www.gssi.com.br/. Acesso em: 08 set. 2009.

SOUZA, L. M.; VIRTUOSO JR, J. S. A Efetividade de Programas de Exercício Físico no Controle do Peso Corporal. Revista Saúde.Com, Bahia, v. 1, p. 71-78, 2005.

FERNANDEZ, A. C. et. al. Influência do treinamento aeróbio e anaeróbio na massa de gordura corporal de adolescentes obesos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 10, n. 3, p. 152-158, maio/jun. 2004.

VOTRUBA, S. B.; HORVITZ, M. A.; SCHOELLER, D. A. The role of exercise in the treatment of obesity. Nutrition, New York, v. 16, p.179-88, 2000.

Publicado
2010-12-30
Como Citar
Hernandes, F., & Valentini, M. P. (2010). Obesidade: causas e consequências em crianças e adolescentes. Conexões: Educação Física, Esporte E Saúde, 8(3), 47-63. https://doi.org/10.20396/conex.v8i3.8637727
Seção
Artigos