Bases para prescrição do treinamento desportivo aplicado ao jiu-jitsu

  • Leonardo Vidal Andreato Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Treinamento desportivo. Alto rendimento.

Resumo

Nos dias atuais o condicionamento físico vem se tornando cada vez mais importante, tornando-se fator determinante para se alcançar o triunfo nos esportes que exigem das aptidões físicas, em alguns casos superando o talento. Contudo, a sistematização da preparação física deve ser realizada respeitando teorias gerais do treinamento desportivo e principalmente as especificidades da modalidade. Neste sentido, o Brazilian Jiu-Jitsu é um esporte que vem crescendo muito nos últimos anos, principalmente em seu caráter esportivo, porém a evolução literária acerca da modalidade não segue a mesma proporção. Desta forma, o objetivo deste estudo foi por meio bibliográfico, explanar algumas das bases para a prescrição do treinamento desportivo aplicado ao Jiu-jitsu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Vidal Andreato, Universidade Federal de São Paulo
Universidade Federal de São Paulo

Referências

ACHOUR JUNIOR, A. Exercícios de alongamento: anatomia e fisiologia. 2. ed. Barueri: Manole, 2006.

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

ARTIOLI, G. G.; FRANCHINI, E.; LANCHA JÚNIOR, A. H. Perda de peso em esportes de combate de domínio: revisão e recomendações aplicadas. Rev Bras Cineantr Des Hum, v. 8. 2006. p. 92-101.

ASSIS, M. M. V.; GOMES, M. I.; CARVALHO, E. M. S. Avaliação isocinética de quadríceps e ísquios-tibiais nos atletas de jiu-jitsu. Rev Bras Prom Saúde, p. 85-89, 2005.

BLANKE, D. Flexibilidade. In: MELLION, M. B. et al. Segredos em medicina desportiva: respostas necessárias ao dia-dia em centros de treinamento, na clínica, em exames orais e escritos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BARBANTI, V. J.; TRICOLI, V.; URGRINOWITSCH, C. Relevância do conhecimento científico na pratica do treinamento físico. Rev Paul Educ Fis, v. 18, p. 101-109, 2004.

BARBANTI, V. J. Treinamento físico: bases científicas. São Paulo: CLR Baleiro, 2001.

BLAIS, L.; TRILLES, F. The progress achieved by judokas after strength training with a judo-specific machine. J Sports Sci Med, v. 5, 2006.

CALLSITER, R.; et al. Physiological and performance responses to overtraining in elite judo athletes. Med Sci Sports Exercise, v. 22, n. 6, p.S816-824, 1990.

CASTAÑEDA, P. E. G. Importancia del desarrollo óptimo de la flexibilidade en las artes marciales. EFDeportes: revista digital, Buenos Aires, n. 69, 2004.

CASTARLENAS, J. L.; SOLÉ, J. El entrenamiento de la resistencia en los deportes de lucha con agarre: una propuesta integradora. Apunts: Educ Fis Dep, v.1, n.47, p.81-6, 1997.

CLAESSENS, A. et al. Somatotype and body structure of world top judoists. J Sports Med Phys Fitness, v. 27, n. 1, p. 105-13, 1987.

DENADAI, B. S. Intensidade e tempo de exaustão a 100%: implicações para o treinamento e a performance. Rev Educ Fis, v. 1, n. 124, p. 23-30, 2000.

DEL VECCHIO, F. B. et al. Análise morfo-funcional de praticantes de brazilian jiu-jitsu e estudo da temporalidade e da quantificação das ações motoras na modalidade. Mov Percepc, v. 7, n. 10, p. 263-281, 2007.

DRIGO, A. J. et al. Demanda metabólica em lutas de projeção e de solo no judô: estudo pelo lactato sangüíneo. Motriz, v.2, n 2., p. 80-86, 1996.

FLECK, S. J.; KRAEMER, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FORTEZA, A. Entrenamiento deportivo: alta metodologia. Cuba: Komekt, 1999.

FOSS, M. L.; KETEYAN, S. J. Bases fisiológicas do exercício e do esporte. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

FRANCHINI, E. Judô: desempenho competitivo. Barueri: Ed. Manole, 2001.

FRANCHINI, E.; DEL VECCHIO, F. B. Preparação física para atletas de Judô. São Paulo: Phorte, 2008.

FRANCHINI, E.; TAKITO, M. Y.; PEREIRA, J. N. D. C. Freqüência cardíaca e força de preensão manual durante a luta de jiu-jitsu. EFDeportes: revista digital, Buenos Aires, n. 65, out. 2003. Disponível em: http://efdeportes.com. Acesso em: 15 jul. 2009.

FRANCHINI, E. et al. Composição corporal, somatotipo e força isométrica em atletas da seleção brasileira universitária de judô. mbito Med Esp, v.3, n. 4, p. 21-29,1997.

FRANCHINI, E. Influência da aptidão aeróbia sobre o desempenho em uma tarefa anaeróbia láctica intermitente. Motriz, v.5, n. 1, p. 58-66, 1999.

GOMES, A. C. Treinamento desportivo: estrutura e periodização. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HÄKKINEN, K.; KRAEMER, W. J. Treinamento de força para o esporte. Porto Alegre: Artmed, 2004.

IGUMA, E. H. Aspectos do treinamento total no Judô. Rev Educ Fis, v. 1, n. 119, p. 49-63, 1991.

LATIN, R. W. Construindo a capacidade aeróbia. In: MELLION, M. B. et al. Segredos em medicina desportiva: respostas necessárias ao dia-dia em centros de treinamento, na clínica, em exames orais e escritos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

LIMA, E. V. et al. Estudo da correlação entre a velocidade de reação motora e o lactato sangüíneo em diferentes tempo de luta no Judô. Rev Bras Med Esporte, v.10, n.5, p. 339-343, 2004.

LÔBO, I. L. B.; MORAES, L. C. C. A.; NASCIMENTO, E. Processo de validação da escala de

comportamento do treinador-versão atleta (ECT-A). Rev Bras Educ Fis Esportes, v. 19, n. 3, p. 255-265, 2005.

MOREIRA, S. R. et al. Correlação de variáveis antropométricas de membros superiores com a força de preensão manual em praticantes de jiu-jitsu. Motriz, v. 9, n.1, p. S147-148, 2003.

PLATONOV, V. N. Teoria geral do treinamento desportivo olímpico. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

POWERS, S. K.; HOWLEY, E. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 3. ed. Barueri: Manole, 2000.

RODRIGUEZ, L. S. et al. ¿ Por qué ES importante conocer la zona de transición aeróbica-anaeróbica en el judo del competición? EFDeportes: revista digital, Buenos Aires, n. 104, 2007. Disponível em: http://efdeportes.com. Acesso em: 15 jul. 2009.

ROSA, R. R. Testes de controle no judô: proposta de avaliação da resistência especial do judoca. 2006. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

SOUZA, I.; SILVA, V. S.; CAMÕES, J. C. Flexibilidade tóraco-lombar e de quadril em atletas de jiu-jitsu. Revista Digital EFDeportes, Buenos Aires, n. 82, mar. 2005. Disponível em: http://efdeportes.com. Acesso em: 15 jul. 2009.

THOMAS, S. G. et al. Physiological profiles of the Canadian National Judo Team. Can J Sport Sci, v. 14, n. 3, p.142-147, 1989.

TUBINO, M. J. G. Metodologia científica do treinamento desportivo. 3. ed. São Paulo: Ibrasa, 1984.

WEINECK, J. Biologia do esporte. São Paulo: Manole, 1991.

WEINECK, J. Treinamento ideal. Barueri: Manole, 1999.

WILMORE, J. H.; COSTIL, D. L. Fisiologia do esporte do exercício. São Paulo: Manole, 2001.

Publicado
2010-07-23
Como Citar
Andreato, L. V. (2010). Bases para prescrição do treinamento desportivo aplicado ao jiu-jitsu. Conexões: Educação Física, Esporte E Saúde, 8(2), 174-186. https://doi.org/10.20396/conex.v8i2.8637749
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)