Banner Portal
Análise das ações defensivas e ofensivas, e perfil metabólico da atividade do goleiro de futebol profissional
PDF

Palavras-chave

Goleiro. Caracterização. Metabolismo. Treinamento específico. Goalkeeper. Characterization. Metabolism. Specific coaching.

Como Citar

GALLO, C. R.; ZAMAI, C. A.; VENDITE, L.; LIBARDI, C. A. Análise das ações defensivas e ofensivas, e perfil metabólico da atividade do goleiro de futebol profissional. Conexões, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 16–37, 2010. DOI: 10.20396/conex.v8i1.8637753. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637753. Acesso em: 25 fev. 2024.

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a atividade do goleiro, durante 12 jogos, para obter um perfil metabólico da sua atividade e uma direção de treinamento mais adequada às reais necessidades da posição. A metodologia utilizada consistiu inicialmente de levantamento bibliográfico sobre o goleiro e suas funções, além das características morfológicas, tipos de fibras musculares, metabolismo energético e ações motoras praticadas durante o jogo . Também foi realizada pesquisa de campo com coleta de dados quantificando as ações motoras, pré-estabelecidas, nos momentos em que aconteceram. Foram registradas em uma planilha específica que permite visualizar os momentos ativos e sem intervenções no jogo. Os resultados obtidos foram os seguintes: 93 ações de saltos/quedas/defesas, 95 saídas do gol (cruzamentos, enfrentamentos, antecipações), e 267 reposições de bola (passes, lançamentos) totalizando 455 ações motoras praticadas em 12 jogos. A média obtida por jogo foi de: 7,8 saltos/quedas/defesas, 7,9 saídas do gol, e 22,3 reposições em 37,9 ações gerais praticadas. Por intermédio dos resultados, conclui-se que a atividade de alta intensidade (defesas,saídas do gol ou lançamentos) é de curtíssima duração e o tempo entre uma e outra é longo e suficiente para recuperação. Portanto o perfil de taxa de trabalho do goleiro implica mais na potência anaeróbica alática, resultando numa pequena depleção de ATP-CP, do que qualquer outra demanda no sistema de transporte de oxigênio. Palavras chaves Goleiro, caracterização, metabolismo, treinamento específico.
https://doi.org/10.20396/conex.v8i1.8637753
PDF

Referências

BALIKIAN, P.; et al. Consumo máximo de oxigênio e limiar anaeróbio de jogadores de futebol: comparação entre as diferentes posições. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói: v. 8, n. 2, Mar./Apr. 2002.

BANGSBO, J. Energy demands in competitive soccer. Journal of Sports Sciences, v. 12, s5-s12, 1994.

BANGSBO, J. Entrenamiento de la condición física en el fútbol. 4 ed, Badalona: Paidotribo, 2008.

BARBANTI, V. J. Treinamento físico: bases científicas. 2. ed, São Paulo: Balieiro, 2002.

CARLESSO, R. A. Manual de treinamento do goleiro. Rio de Janeiro: Palestra, 1981.

CSANÁDI, A. El fútbol. 4. ed. Barcelona: Planeta, 1987.

DOMINGUES, A. Goleiro 100 segredos. 20. ed, Curitiba: Verbo, 1997.

FLECK, S. J.; KRAEMER, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

FOSS, M. L.; KETEYIAN, S. J. Fox: bases fisiológicas do exercício e do esporte. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

FREIRE, J. B. Pedagogia do futebol. Londrina : Midiograf, 1998.

FRISSELLI, A.; MANTOVANI, M. Futebol teoria e prática. São Paulo: Phorte, 1999.

GALLO, C. R. Análise das ações defensivas e ofensivas de um goleiro de futebol profissional e perfil metabólico da sua atividade. 2008. 48f. Monografia (Curso de Educação Física) – Universidade Paulista, Campinas, 2008.

GOMES, A. C. ; SOUZA, J. Futebol treinamento desportivo de alto rendimento. Porto Alegre: Artmed, 2008.

GOMES, P. S. C. et al. Physiological and morphological characteristics of the 1994 soccer world cup champions. Medicine and Science in Sports and Exercise. v. 27, n. 5 suppl., 1996.

KRAEMER, W. J.; HÄKKINEN, K. Treinamento de força para o esporte. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LA ROSA, A. F. Treinar para ganhar: a versão cubana do treinamento desportivo. São Paulo: Phorte, 2004.

LOPES, E. W. Caracterização da performance aeróbia e anaeróbia de goleiros de futebol através da análise de lactato: utilização de teste de corrida intermitente de “ida e volta”, teste de Wingate e testes específicos de defesas. 2001. 107f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

MAIER, S. Aprenda com o maior goleiro do mundo. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1981.

MAUGHAN, R.; GLESSON, M.; GREENHAFF, P. L. Bioquímica do exercício e treinamento. Barueri: Manole, 2000.

McARDLE, W. D.; KATCH, F. I.; KATCH, V. L. Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

POWERS, S. K.; HOWLEY, E. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 3 ed. Barueri: Manole, 2000.

PRADO, W. L. et al., Perfil antropométrico e ingestão de macronutrientes em atletas profissionais brasileiros de futebol, de acordo com suas posições. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói: v. 12, n. 2, Mar./Apr. 2006.

ROCHA FILHO, N. Caracterização dos jogadores de futebol de campo por posição tática através do estudo das variáveis antropométricas e de dinamometria isocinética.2000. 26f. (Monografia) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

SANT’ANNA, M.; ÁVILA, M. A. Preparação física do futebol: metodologia e estatística. Holambra: Cuca Fresca, 2006.

SOARES, J. M. C. O treino do futebolista: resistência, força, velocidade. Porto: v.1. Porto Editora, 2005.

SELUIANOV, V. N.; SARSANIA, S. K. SARSANIA, K. S. Futebol: aspectos fisiológicos e metabólicos. Curitiba: Juruá, 2008.

TEIXEIRA, J. S.; BARRIONUEVO, M.; ISRAEL, A. Anais... I Simpósio para treinadores de goleiros. São Paulo, 2006.

VOSER, R. C.; GUIMARÃES, M. G. V.; RIBEIRO, E. R. Futebol: história, técnica e treino de goleiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

WEINECK, E. J. Futebol total: O treinamento físico no futebol. Guarulhos: Phorte, 2000.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.