Análise do indice do arco plantar em escolares da zona rural

Autores

  • Glauber Carvalho Nobre Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Anne Emanuele da Silva Pereira Universidade Castelo Branco
  • Maria Nadja dos Santos Ferreira Universidade Castelo Branco
  • Gertrudes Nunes de Melo Instituto de Educação Ciências e Tecnologia do Ceará
  • Maria do Socorro Cirilo de Sousa Universidade Federal da Paraiba

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v7i2.8637773

Palavras-chave:

Escolares da zona rural. Pés. Impressão plantar.

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar o índice do arco plantar IP e prevalência de desvios posturais no segmento pe em escolares. Decorre um estudo descritivo, transversal em 60 escolares, com média de idade (11,15 ± 2,7dp) anos, submetidos ao teste de impressão plantar, equacionando o índice do arco plantar (IP), que estabelece a relação entre a região central e posterior dessa impressão, referenciando em Cavanagh e Rodgers (1987). Utilizou-se do programa SPSS versão 13.00 para estatística descritiva e inferencial. Não foram observadas diferenças significativas do IP dos lados direito e esquerdo quando comparado por dominância do segmento, entre e intergênero. A maioria dos escolares, tanto do sexo masculino quanto do feminino, indicou estar em índices classificatórios considerados normais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glauber Carvalho Nobre, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará.

Anne Emanuele da Silva Pereira, Universidade Castelo Branco

Professora efetiva do Instituto Federal do Ceará (IFCE - Campus Canindé). 

Maria Nadja dos Santos Ferreira, Universidade Castelo Branco

Atualmente é Responsável Técnica e Professora na Academia Ferreira. 

Gertrudes Nunes de Melo, Instituto de Educação Ciências e Tecnologia do Ceará

Mestre em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN (2013). Especialista em fisiologia do exercício e treinamento personalizado pela UNIFOA. Graduada no curso de Licenciatura em Educação Física pelo IFCE (2008).

Maria do Socorro Cirilo de Sousa, Universidade Federal da Paraiba

Atualmente é professora Associada III da Universidade Federal da Paraíba, ministra disciplinas no curso de Bacharelado e Licenciatura em Educação Física, coordena o Núcleo de Estudos em Movimento Humano e LABOCINE. 

Referências

AMADIO, A. C. Fundamentos biomecânicos para análise do movimento humano. São Paulo:

Laboratório de Biomecânica: EEFUSP, 1996.

BARELA, J. A. Estratégias de controle em movimentos complexos: ciclo percepção-ação no controle postural. Rev Paul Ed Fis, São Paulo, supl. 3, p.79-88, 2000.

BRUNO, M. Avaliação médica e física para atletas e praticantes de atividades físicas. São Paulo: Roca, 2000.

CARNAVAL, P. E. Medidas e avaliação em ciência do esporte. 6. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2004.

FERREIRA, M. N. D. S. Prevalência de desvios posturais em escolares das zonas urbana e rural na cidade de Crato, Ceará. 2007. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Superior de Tecnologia em Gestão Esportiva) - Centro Federal de Educação Tecnológica Unidade de Ensino Descentralizada de Juazeiro do Norte, Juazeiro, 2007.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças adolescentes e adultos. 3. ed. São Paulo: Phorte, 2005

LIPOSCK, D. B.; ROSA NETO, F.; SAVALL, A. C. Validação do conteúdo do instrumento de avaliação postural – IAP. Disponível em: http://www.efdeportes.com/Revista Digital, Buenos Aires, ano 12, n. 109, jun. 2007.

MALINA, R. M. Motor Development during infancy and early childhood: Overview and suggested directions for research. Int J Sport and Health Sci, v. 2, p. 50-66, 2004.

PAYNE, V. G.; ISAACS, L. D. Human motor development: a life approach. California: Moutan View, 2001.

PRETA, C.; GOMES, J. C. Desenvolvimento de padrões motores: a marcha. 2004. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2004.

STABELINI NETO, A. et al. Relação entre fatores ambientais e habilidades motoras básicas em crianças de 6 e 7 anos. Rev Mackenzie de Ed Fis Esp, v. 3 n. 3, p. 135-140, 2004.

TEODORO, E. C. M.; TOMAZINI, J. E.; NASCIMENTO, L. F. C. Hálux valgo e pés planos: as forças plantares são iguais? Acta Ortop Bras, São Paulo, v. 15, n. 5, 2007.

Downloads

Publicado

2009-08-11

Como Citar

Nobre, G. C., Pereira, A. E. da S., Ferreira, M. N. dos S., Melo, G. N. de, & Sousa, M. do S. C. de. (2009). Análise do indice do arco plantar em escolares da zona rural. Conexões, 7(2), 1–12. https://doi.org/10.20396/conex.v7i2.8637773

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)