Banner Portal
Analise da capacidade funcional de idosos institucionalizados a partir da auto-avaliação
PDF

Palavras-chave

Idosos. Capacidade funcional. Asilo.

Como Citar

OLIVEIRA, Daniel Vicentini; BENEDETI, Marcia Regina; MORALES, Rosangela Cocco; FARIA, Terezinha Gomes. Analise da capacidade funcional de idosos institucionalizados a partir da auto-avaliação. Conexões, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 79–95, 2009. DOI: 10.20396/conex.v7i2.8637778. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637778. Acesso em: 15 jul. 2024.

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar a capacidade funcional para a realização das atividades da vida diária (AVDs) de idosos residentes nas instituições assistenciais do município de Maringá/PR, bem como determinar a média de idade, prevalência de gênero, capacidade funcional correlacionada com a idade cronológica e com o gênero, assim como com o tempo de institucionalização. O instrumento utilizado foi o protocolo intitulado “Ficha de Auto-Avaliação da Capacidade Funcional” composto por 18 itens que avaliam a capacidade do indivíduo em realizar as tarefas básicas do cotidiano de um idoso. O estudo foi desenvolvido em três instituições asilares filantrópicas do município de Maringá-PR, com 70 idosos. Deste total, 40 do gênero masculino e 30 do feminino, com idade variando entre 60 e 101 anos, no período compreendido entre Agosto e Outubro de 2008. Obteve-se como resultados um alto índice de dependência na realização das atividades da vida diária, sendo a capacidade funcional classificada como baixa (47%) ou moderada (49%). O trabalho revelou ainda um baixo índice de independência total (4%) além da importância da participação de profissionais da área da saúde devidamente habilitados. Desta forma, estes poderão auxiliar nas limitações da capacidade funcional buscando a prevenção e a reabilitação precoce.
https://doi.org/10.20396/conex.v7i2.8637778
PDF

Referências

ANDREOTTI, R.A; OKUMA, S.S. Validação de uma bateria de testes de atividades da vida diária para idosos fisicamente independentes. Rev Paul Educ Fis, n.13,1999.

ARAUJO, M. O. D. H; CEOLIM, M. F. Avaliação do grau de independência de idosos residentes em instituições de longa permanência. Rev Esc Enferm USP, v. 41, n. 3, set. 2007.

BORN, T. Cuidado ao idoso em instituição. In: NETTO, M. P. (Org.). Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu, 2002. p. 1131-1141

DAVIM, R. M. B. et al. Estudo com idosos de instituições asilares no município de Natal/RN: características socioeconômicas e de saúde. Rev Latino Americana Enferm, v. 12, n. 3, maio/jun. 2004.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte, 2001

GIACOMIN, K.C et al. Estudo de base populacional dos fatores associados à incapacidade funcional entre idosos na Região metropolitana de Belo Horizonte/MG, Brasil. Cad Saúde Pública, v. 24, n. 6, p.1260-1270, 2008.

GOBBI, S. et al. Comportamento e barreiras: atividade física em idosos institucionalizados. Psicol: teoria e pesquisa, v. 24, n. 4, p. 451-458, 2008.

GONÇALVES, L. G. et al. Prevalência de quedas em idosos asilados do município de Rio Grande/RS. Rev Saúde Pública, v.42, n.5, p.938-945, 2008.

GORZONI, M. L; PIRES, S. L. Aspectos clínicos da demência senil em instituições asilares. Rev Psquiatr Clin USP, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 18-23, 2006.

GUCCIONE, A. A. Fisioterapia geriátrica. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

GUEDES, J.M; SILVEIRA, R. C. R. Análise da capacidade funcional da população geriátrica institucionalizada na cidade de Passo Fundo – RS. Rev Bras Cien Envel Hum, v.1, n. 2, jul./dez. 2004

HAMILTON, I. S. A psicologia do envelhecimento: uma introdução. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MATSUDO, S. M. Avaliação do idoso: física e funcional. São Caetano do Sul: Phorte, 2005.

MEIRELLES, M. Atividade física na terceira idade. Rio de Janeiro: Sprint, 1997.

MINCATO, P. C; FREITAS, C. R. Qualidade de vida dos idosos residentes em instituições asilares da cidade de Caxias do Sul-RS. Rev Bras Cien Envel Hum, v. 4, n. 1, p.127-138, jan./jun. 2007.

OLIVEIRA, C. R. M; SOUZA, C.S; FREITAS, T. M. Idosos e família: asilo ou casa. Disponível em: psicologia.com.pt.

OLIVEIRA, D. V.; SILVA, E.V; KRAVCHYCHYN, C. Prevalência de obesidade em mulheres na terceira idade praticantes de hidroginástica nas academias da cidade de Maringá/PR. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR, 5., Maringá, 2007. Anais... Maringá: Cesumar, 2007.

QUADROS JÚNIOR, A.C. et al. Estudo do nível de atividade física, independência funcional e estado cognitivo de idosos institucionalizados: análise por gênero. J Bras Biom, p. 39-50, fev. 2008.

REBELATTO, J. R; MORELLI, J. G. S. Fisioterapia geriátrica: a prática da assistência ao idoso. São

Paulo: Manole, 2007.

REIS, L. A.; TORRES, G. V.; REIS, L. A. Características sócio-demográficas de saúde de idosos de uma instituição do município de Jequeié/BA. Rev Espaço Saúde, v .9, n. 2, p. 39-46, jun. 2008.

ROSA, T.E.C. et al. Fatores determinantes da capacidade funcional entre idosos. Rev Bras Saúde Pública, v . 37, n. 1, fev. 2003.

TEIXEIRA, I. N. D. O; NERI, A. L. Envelhecimento bem sucedido: uma meta no curso da vida. Rev Psicol USP, v. 19, n. 1, março 2008.

UENO, L. M. A Influência da atividade física na capacidade funcional: Envelhecimento. Rev Bras Ativ Fis Saúde, v. 4, n. 1, p. 57-68, 1999

YAMAMOTO, A; DIOGO, M.J D. Os idosos e as instituições asilares do município de Campinas-SP. Rev Latino Amer Enferm, Ribeirão Preto, v. 10, n. 5, set./out. 2002.

ZIMERMAN, G. Velhice: Aspectos Biopsicossociais. São Paulo: Artes Médicas, 2000.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.