Banner Portal
Fundamentos praticados pelo defensor durante o jogo de voleibol na areia
PDF

Palavras-chave

Voleibol. Defensor. Fundamentos. Jogo. Volleyball.

Como Citar

MARQUES JUNIOR, N. K. Fundamentos praticados pelo defensor durante o jogo de voleibol na areia. Conexões, Campinas, SP, v. 7, n. 1, p. 61–76, 2009. DOI: 10.20396/conex.v7i1.8637786. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637786. Acesso em: 24 fev. 2024.

Resumo

O objetivo do estudo foi estabelecer os fundamentos praticados pelo defensor durante o jogo de voleibol na areia. Foram gravados 21 sets usando o vídeo cassete Semp Toshiba VC-X680 e uma televisão CCE. O número de sets para o estudo foi baseado no modelo de disputa da Olimpíada. Depois esses sets foram utilizados na contagem dos fundamentos do defensor com uso de um scout. A Anova one way e post hoc Scheffé identificaram diferença significante (p≤0,05) entre os fundamentos. A cortada foi o fundamento mais praticado com 58,71±4,82. Anova one way e o post hoc Scheffé não identificaram diferença significativa (p≥0,05) entre as atividades realizadas pelo defensor. Os saltos foram às atividades mais praticadas com 278,33±152,97. Em conclusão, o número de fundamentos do defensor é uma referência para o técnico prescrever o treino técnico e o treino situacional para esse atleta.
https://doi.org/10.20396/conex.v7i1.8637786
PDF

Referências

AAGAARD, H.; SCAVENIUS, M.; JORGENSEN, U. An epidemiological analysis of the injury pattern in indoor and beach volleyball. Int J Sports Med, v. 18, n. 3, p. 217-21, 1997.

ALTINI NETO, A.; PELLEGRINOTTI, I. L.; MONTEBELO, M.. Efeitos de um programa de treinamento neuromuscular sobre o consumo máximo de oxigênio. Rev Bras Med Esporte, v.12, n. 1, p. 33-8, 2006.

ARRUDA, M.; HESPANHOL, J. Fisiologia do voleibol. São Paulo: Phorte, 2008. p. 75-82.

BAHR, R.; REESER, J. Injuries among world-class Professional beach volleyball players. Am J Sports Med, v. 31, n. 1, p. 119-25, 2003.

BARBANTI, V. Treinamento físico: bases científicas. 3a ed. São Paulo: CLR Balieiro, 2001.

BONIFAZI, M.; SARDELLA, F.; LUPO, C. Preparatory main competitions: differences in performance, lacate responses and pre-competition plasma cortisol concentrations in elite male swimmers. Eur J Appl Physiol, v. 82, n. 5-6, p. 368-73, 2000.

BOMPA, T.; CARRERA, M.. Peak conditioning for volleyball. In: REESER, J.; BAHR, R (Eds.). Volleyball. Oxford: Blackwell, 2003. p. 29-44.

CUNHA, M.; BASTOS, V.; SILVA, A.; DA SILVA, V.; VEIGA, H.; PIEDADE, R.; RIBEIRO, A. Integração sensório-motora e plasticidade sináptica no córtex cerebelar. Fit Perf J, v. 2, n. 2, p. 91-96, 2003.

FORTEZA, A. Treinamento desportivo: carga, estrutura e planejamento. São Paulo: Phorte; 2001

IGLESIAS, F. Analisis del esfuerzo en el voleibol. Stadium, v. 168, n. 28, p. 17-23, 1994.

JOÃO, P.; et al. Análise comparativa entre jogador líbero e os recebedores prioritários na organização ofensiva, a partir da recepção ao serviço, em voleibol. Rev Port Ciên Desp, v. 6 , n. 3 , p. 318-28, 2006.

KARNI, A. The acquisition of perceptual and motor skills. Cognit Brain Res, v. 5, n. 1-2, p. 39-48, 1996.

KIOUMOURTZOGLOU, E.; et al. Ability profile of the elite volleyball player. Percep Mot Skills, v.

, n. 3, p. 757-70, 2000.

LACERDA, D.; MESQUITA, I. Caracterização da organização do processo ofensivo, a partir da recepção do serviço, no voleibol de praia de elite. In: MESQUITA, I.; MOUTINHO, C.; FARIA, R. (Ed.). Investigação em voleibol. Estudos ibéricos. Porto: Universidade do Porto, 2003. p. 150-9.

MARQUES JUNIOR, N. K. Lesões no voleibol e o treinamento técnico. Rev Min Educ Fís, v. 11, n. 1, p. 67-75, 2003.

MARQUES JUNIOR, N. K. Periodização tática: uma nova organização do treinamento para duplas masculinas do voleibol na areia de alto rendimento. Rev Min Educ Fís, v. 14, n. 1, p. 19-45, 2006.

MARQUES JUNIOR, N. K. Um modelo de jogo para o voleibol na areia. Conexões, v. 6, n. 3, p. 11-24, 2008.

MESQUITA, I.; TEIXEIRA, J. Caracterização do processo ofensivo no voleibol de praia masculino de elite mundial, de acordo com o tipo de ataque, a eficácia e o momento do jogo. Rev Bras Ciên Esporte, v. 26, n. 1, p. 33-49, 2004.

RAMOS, M.; et al. Estrutura interna das ações de levantamento das equipes finalistas da superliga masculina de voleibol. Rev Bras Ciên Mov, v. 12, n. 4, p. 33-7, 2004.

RESENDE, R.; SOARES, J. Caracterização da atividade física em voleibol de praia. In: MESQUITA, I.; MOUTINHO, C.; FARIA, R. (Eds.). Investigação em voleibol. Estudos ibéricos. Porto: Universidade do Porto, 2003. p. 259-67.

SILVA, L. R. da.; et al. Evolução da altura de salto, da potência anaeróbia e da capacidade anaeróbia em jogadoras de voleibol de alto nível. Rev Bras Ciên Esporte, v. 26, n. 1, p. 99-109, 2004.

ROCHA, M; BARBANTI, V. Análise das ações de saltos de ataque, bloqueio e levantamento no voleibol feminino. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, v. 9, n. 3, p. 284-90, 2007.

SILVA, F.; ARAÚJO, R.; BATISTA, G. Voleibol de praia: o treinamento de uma dupla bicampeã mundial. Rev Trein Desp, v. 3, n. 3, p. 17-26, 1999.

STANGANELLI, L.; et al. Caracterização da intensidade e volume das sessões de treino de voleibolistas de alto rendimento. Rev Trein Desp, v. 7, n. 1, p. 6-14, 2006.

TANI, G. Comportamento motor: aprendizagem e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Guanabara, 2005. p. 1-332.

WOOD, R.; et al. Applying a mathematical model to training adaptation in a distance runner. Eur J Appl Physiol, v. 94, n. 3, p. 310-6, 2005.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.