Diferença na qualidade de vida de mulheres ativas e sedentárias com síndrome de fibromialgia

Autores

  • Márcia Helena Mota de Oliveira Faculdade de Minas
  • Emerson Coelho Faculdade de Minas
  • Guilherme Tucher Faculdade de Minas

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v7i1.8637790

Palavras-chave:

Síndrome de fibromialgia. Qualidade de vida. Atividade Física.

Resumo

O estudo avaliou a diferença na qualidade de vida de mulheres fisicamente ativas e sedentárias acometidas com a síndrome de fibromialgia. O nível de atividade física foi avaliado pelo IPAQ e a qualidade de vida pelo Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQ). Aplicou-se o FIQ em 10 mulheres fisicamente ativas (G1) e 8 sedentárias (G2). Na análise estatística calculou-se a média, desvio padrão e o teste T de Student com nível de significância de p < 0,05. Os resultados do FIQ indicaram 32 pontos para G1 e 71 pontos para G2. Houve diferença significativa nos valores obtidos entre os grupos (p < 0,001). Conclui-se que a prática de exercícios físicos influencia positivamente na melhora da qualidade de vida das mulheres com a síndrome de fibromialgia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Helena Mota de Oliveira, Faculdade de Minas

Faculdade de Minas (FAMINAS) Graduada em Licenciatura em Educação Física Pós Graduada em Treinamento Desportivo pela Faculdade de Minas (FAMINAS), Muriaé.

Emerson Coelho, Faculdade de Minas

Faculdade de Minas (FAMINAS) Professor e Coordenador da Faculdade de Minas (FAMINAS); Mestre em Psicofisiologia do Exercício pela Universidade Gama Filho (UGF), Rio de Janeiro, RJ; Doutorando em Endocrinologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ.

Guilherme Tucher, Faculdade de Minas

Faculdade de Minas (FAMINAS). Professor da Faculdade de Minas (FAMINAS) Muriaé, MG Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela Universidade Castelo Branco (UCB) Especialista em Natação e Atividades Aquáticas, e em Treinamento Desportivo pela Universidade Gama Filho (UGF), Rio de Janeiro, RJ. Av. Cristiano Ferreira Varella, 655 - Bairro Universitário - Muriaé-MG

Referências

BURCKHARDT, C. S., CLARK, S. R., BENNETT, R. M. The Fibromyalgia impact questionnaire: development and validation. Journal of Rheumatology, v. 18, n. 5, p. 728-33, 1991.

BURCKHARDT, C. S., MANNERKORPI, K., HEDENBERG, L., BJELLE, A. A randomized, controlled clinical trial of education and physical training for women with fibromyalgia. Journal of Rheumatology, v. 21, n. 4, p. 714–720, 1994.

CHAITOW, L. Síndrome da fibromialgia: um guia para o tratamento. 1a ed. São Paulo: Editora Manole, 2002.

CICONELLI, R. M., Medidas de avaliação de qualidade de vida. Revista Brasileira de Reumatologia, v.43, n.2, p. 9-13, 2003.

FRAZEN, C. G., IDE, M. R. Influência do exercício aeróbico aquático na qualidade de vida de pacientes com fibromialgia: revisão narrativa. Arquivos de Ciências da Saúde da Unipar, v. 8, n. 1, p. 55-62, 2004.

GOWANS, S. E., DEHUECK, A., SILAJ, A., ABBEY, S. E. Six-month andone-year followup of 23 weeks of aerobic exercise for individuals with fibromialgia. Arthritis e Rheumatism, v. 51, n. 6, p. 890-898, 2004.

GUEDES, D. P., LOPES, C. C., GUEDES, J. E. R. P. Reprodutibilidade e validade do questionário internacional de atividade física em adolescentes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 11, n. 2, p. 151-158, 2005.

IDE, M. R. Eficácia de um programa de exercícios respiratórios aquáticos em indivíduos com fibromialgia: ensaio clínico randomizado. Tese de Doutorado. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5145/tde-06082008-162105/ Acesso em: 27 de maio de 2008.

KONRAD, L. M. Efeito agudo do exercício físico sobre a qualidade de vida de mulheres com síndrome da fibromialgia, 2005. Dissertação de Mestrado. Disponível em: http://www.tede.ufsc.br/teses/PGEF0119.pdf . Acesso em: 27 mai. 2008.

MANNERKORPI, K., NYBERG, B., AHLMÉN, M., EKDAHL, C. Pool exercise combined with education program for patients with Fibromyalgia Syndrome: a prospective randomized study. Journal of Rheumatology, v. 27, n. 10, p. 2473-2481, 2000.

MARTINEZ, J. E., FILHO, I. S. B. KUBOKAWA, K., PEDREIRA, I. S., MACHADO, L. A. CEVASCO, G. Análise crítica de parâmetro de qualidade de vida em fibromialgia. Acta Fisiátrica, v. 5, n. 2, p. 116-120, 1998.

MEYER, B. B., LEMLEY, K. J. Utilizing exercise to affect the symptomology of fibromyalgia: a pilot study. Medicine Science Sports Exercise, v. 32, n. 10, p. 1691-1697, 2000.

PARDINI, R.; et al.; Validação do questionário internacional de nível de atividade física (IPAQ – versão 6): estudo piloto em adultos jovens brasileiros. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 9, n. 3, p. 45-51, 2001.

PROVENZA, J. R.; et al., Fibromialgia. Revista da Associação Médica do Rio Grande do Sul, v. 49, n. 3, p. 202-211, 2005.

RIBEIRO, K. L., FUSCO, I. S. Fibromialgia e Atividade Física. Fitness e Performance Journal, v. 4, n. 5, p. 280-287, 2005.

SANTOS, A. M. B.; et al. Depressão e qualidade de vida em pacientes com fibromialgia. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 10, n. 3, p. 317-324, 2006.

Downloads

Publicado

2009-04-01

Como Citar

OLIVEIRA, M. H. M. de; COELHO, E.; TUCHER, G. Diferença na qualidade de vida de mulheres ativas e sedentárias com síndrome de fibromialgia. Conexões, Campinas, SP, v. 7, n. 1, p. 135–145, 2009. DOI: 10.20396/conex.v7i1.8637790. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637790. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)