Banner Portal
Um modelo de jogo para o voleibol na areia
PDF

Palavras-chave

Voleibol. Modelo de jogo. Tática. Performance.

Como Citar

MARQUES JÚNIOR, Nelson Kautzner. Um modelo de jogo para o voleibol na areia. Conexões, Campinas, SP, v. 6, n. 3, p. 13–26, 2008. DOI: 10.20396/conex.v6i3.8637793. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637793. Acesso em: 16 jul. 2024.

Resumo

O objetivo da revisão foi de sugerir um modelo de jogo para o voleibol na areia. Para esse modelo de jogo ser eficaz o atleta precisa realizar prioritariamente o saque em suspensão, fazer o levantamento com variação para o ataque e durante o bloqueio o atleta deve tentar o ponto. Um bom bloqueio facilita a defesa. Talvez a variação ofensiva através do levantamento em certos momentos após a defesa o voleibolista pode se cansar menos porque ele recebe um levantamento num local que ele não se desgasta muito e efetuando o ataque com tranqüilidade. Entretanto, esse modelo de jogo não é o comum do voleibol na areia da atualidade. Conclui-se que para esse modelo de jogo ser determinado como eficaz merece acompanhamento de cientistas e técnicos.
https://doi.org/10.20396/conex.v6i3.8637793
PDF

Referências

ARRUDA, M.; HESPANHOL, J. E. Fisiologia do voleibol. São Paulo: Phorte, 2008. p. 75-82.

______. Saltos verticais: procedimentos de avaliação em desportos coletivos. São Paulo: Phorte, 2008b. p. 28.

BAHR, R.; REESER, J. C. Injuries among world-class professional beach volleyball players. Am J Sports Med. v. 31, n. 1, p. 119-25, 2003.

BENETTI, G.; SCHNEIDER, P.; MEYER, F. Os benefícios do esporte e a importância da treinabilidade da força muscular de pré-púberes atletas de voleibol. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum., v. 7, n. 2, p. 87-93, 2005.

BIZZOCCHI, C. O voleibol de alto nível: da iniciação à competição. 2. ed. São Paulo: Manole, 2004. p. 112-114.

CAVALHEIRO, J. J.; TAVARES, F. A influência da eficácia da manchete sobre a eficácia da recepção do serviço, no jogo de voleibol. In: MESQUITA, I.; MOUTINHO, C.; FARIA, R. (Ed.). Investigação em voleibol. estudos ibéricos. Porto: Universidade do Porto, 2003. p. 262-70.

CÉSAR, B; MESQUITA, I. Caracterização do ataque do jogador oposto em função do complexo do jogo: estudo aplicado no voleibol feminino de elite. Rev Bras Educ Fís Esp., v. 20, n. 1, p. 59-69, 2006.

CEZARANO, M.; ROCHA, C. M. A distribuição dos levantamentos no voleibol infanto-juvenil feminino. Rev Digit. v. 11, n. 101, p. 1-8, 2006. Disponível em: www.efdeportes. Acesso em: 21 set. 2006.

COLLET, C. et al. Processo de ensino-aprendizagem-treinamento no voleibol infantil masculino em Santa Catarina. Rev Educ Fís/UEM., Maringá, . v. 18, n. 2, p. 147-59, 2007.

COSTA, L. C. A.; NASCIMENTO, J. V. O ensino da técnica e da tática: novas abordagens metodológicas. Rev Educ Fis, UEM, Maringá, v. 15, n. 2, p. 49-56, 2004.

CUNHA, P.; MARQUES, A. A eficácia em voleibol. Estudo da relação entre a qualidade do 1o toque e a eficácia do ataque em voleibolistas portugueses da 1a divisão. In: MESQUITA, I.; MOUTINHO, C.; FARIA, R. (Ed.). Investigação em voleibol: estudos ibéricos. Porto: Universidade do Porto, 2003. p. 180-9.

DEPRÁ, P. P.; BRENZIKOFER, R. Comparação de atletas do voleibol através da análise cinemática e dinâmica de trajetória de bolas de saque. Rev Educ Fís/UEM., Maringá, v. 15, n. 1, p. 7-15, 2004.

FORD, P.; HODGES, N. J.; WILLIAMS, M. Examining action effects in the execution of a skilled soccer kick by using erroneous feedback. Journal of Motor Behavior, v. 39, n. 6, p. 481-490, 2007.

GARGANTA, J. (Re) fundar os conceitos de estratégia e tática nos jogos desportivos coletivos, para promover uma eficácia superior. Rev Bras Educ Fís Esp., v. 20, supl. 5, p. 201-3, 2006.

GASPAR, P.; FERREIRA, J. P.; PÉREZ, L. M. Tomadas de decisão no desporto: o seu ensino em jovens atletas. Rev Mackenz Educ Fís Esp., v. 4, n. 4, p. 95-111, 2005.

GIATSIS, G. The effect of changing the rule on score fluctuation and match duration in the FIVB womens`s beach volleyball. Int J Perfor Analys Sport, v. 3, n. 1, p. 57-64, 2003.

GIATSIS, G.; TZETZIS, G. Comparison of performance for winning and losing beach volleyball teams on different court dimension. Int J Perfor Analys Sport., v. 3, n. 1, p. 65-74, 2003.

GOUVÊA, F. L.; LOPES, M. B. L. Incidência do ataque no voleibol infanto-juvenil feminino. Movim Percep. Pinhal, v. 9, n. 12, p. 168-183, 2008.

GRECO, P. J. Conhecimento técnico-tático: eixo pendular da ação tática (criativa) nos jogos esportivos coletivos. Rev Bras Educ Fís Esp, v. 20, supl. 5, p. 210-2, 2006.

GRÉHAIGNE, J.-F.; GODBOUT, P.; BOUTHIER, D. The foundations of tactics and strategy in team sports. J Teach Phys Educ. v. 18, n. 2, p. 159-74, 1999.

HESPANHOL, J. E. et al. Desempenho do salto vertical, anaeróbio e velocidade em voleibolista de areia em dois ambientes. Rev Bras Educ Fís Esp. v. 20, n. 5, p. S473, 2006.

JAFARZADEHPUR, E.; AAZAMI, N.; BOLOURI, B. Comparison of saccadic eye movements and facility of ocular accommodation in female volleyball players and non-players. Scand J Med Sports. v. 17, n. 2, p. 186-90, 2007.

JOÃO, P. V. et. al. Análise comparativa entre o jogador líbero e os recebedores prioritários na organização ofensiva, a partir da recepção do serviço em voleibol. Rev Port Ciên Desp. v. 6, n. 3, p. 318-28, 2006.

LACERDA, D.; MESQUITA, I. Caracterização da organização do processo ofensivo, a partir da recepção do serviço, no voleibol de praia de elite. In: MESQUITA, I.; MOUTINHO, C.; FARIA, R. (Ed.). Investigação em voleibol. Estudos ibéricos. Porto: Universidade do Porto, 2003. p. 150-9.

MARQUES JÚNIOR, N. K. Uma preparação desportiva para o voleibol. Rev Min Educ Fís. v. 10, n. 2, p. 49-73, 2002.

______. Periodização tática: uma nova organização do treinamento para duplas masculinas do voleibol na areia de alto rendimento. Rev Min Educ Fís. v. 14, n. 1, p. 19-45, 2006.

______. Altas temperaturas. Movim Percep., v. 9, n. 12, p. 6-17, 2008.

______. O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: um estudo na competição. 2008. 157f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro, 2008.

______.; SILVA, K. Identificando os motivos das lesões no atleta profissional do voleibol na quadra. Rev Min Educ Fís., v. 14, n. 2, p. 68-77, 2006.

MARUENDA, F. B. Can the human eye detect na offside position during a football match? Brit Med J. v. 329, p. 18-25, 2004.

MENEZES, F. S.; MENEZES, R. B. P. X.; SANTOS, G. M. Análise das lesões mais freqüentes nos atletas de voleibol de praia masculino de elite. Rev Digit., v. 12, n. 116, p. 1-7, 2008. Disponível em: www.efdeporetes.com. Acesso: 13 jan. 2008.

MESQUITA, I.; GRAÇA, A. O conhecimento estratégico de um distribuidor de alto nível. Trein. Desp., 2002.

______.; TEIXEIRA, J. Caracterização do processo ofensivo no voleibol de praia masculino de elite mundial, de acordo com o tipo de ataque, a eficácia e o momento do jogo. Rev Bras Ciênc Esporte, v. 26, n. 1, p. 33-49, 2004.

MONTÉS-MICÓ, R. et al. Eye-hand and eye-foot visual reaction times of young soccer players. Optometry. v. 7, n. 12, p. 775-780, 2007.

MORALES, J. C. P.; GRECO, P. J. A influência de diferentes metodologias de ensino-aprendizagem-treinamento no basquetebol sobre o nível de conhecimento tático processual. Rev Bras Educ Fís Esp. v. 21, n. 4, p. 291-299, 2007.

NOCE, F.; SAMULSKI, D. T. Análise do estresse psíquico em atacantes no voleibol de alto nível. Rev Paul Educ Fís. v. 16, n. 2, p. 113-129, 2002.

OLIVEIRA, R.; MESQUITA, I.; OLIVEIRA, M. Caracterização da eficácia do bloqueio no voleibol de elevado rendimento competitivo. Rev Digit., v. 10, n. 84, p. 1-11, 2005. Disponível: www.deportes.com. Acesso em: 24 abr. 2005.

PALAO, J. M.; SANTOS, J. A.; UREÑA, A. Efecto del tipo y eficacia del saque sobre el bloqueo y rendimiento del equipo en defensa. Rend Dep., n. 8, p. 1-19, 2004. Disponível em: www.rendimientdeportivo.com. Acesso em: 13 set. 2006.

RAMOS, M. H. K. P.; et al., Estrutura interna das ações de levantamento das equipes finalistas da superliga masculina de voleibol. Rev Bras Ciên Mov., v. 12, n. 1, p. 33-7, 2004.

RESENDE, R.; SOARES, J. Caracterização da atividade física em voleibol de praia. In: MESQUITA, I.; MOUTINHO, C.; FARIA, R. (Ed.). Investigação em voleibol: estudos ibéricos. Porto: Universidade do Porto, 2003. p. 253-261.

RIZOLA NETO, A. Uma proposta de preparação para equipes jovens de voleibol feminino. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

ROCHA, C. M.; BARBANTI, V. J. Uma análise dos fatores que influenciam o ataque no voleibol masculino de alto nível. Rev Bras Educ Fís Esp., v. 18, n. 4, p. 303-314, 2004.

RUSSO, P. A visão do técnico. In: CONGRESSO INTERNACIONAL GSSI DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 2. 2002, São Paulo. Anais... São Paulo, 2002.

SOUZA, A. P. S.; OLIVEIRA, C. A.; OLIVEIRA, M. A. Medida de tempo de reação simples em jogadores profissionais de voleibol. Rev Digit., v. 10, n. 93, p. 1-9, 2006. Disponível em: www.efdeportes.com. Acesso em: 15 fev. 2006.

STEFANELLO, J. Situação de estresse no vôlei de praia de alto rendimento: um estudo de caso com uma dupla olímpica. Rev Port Ciên Desp., v. 7, n. 2, p. 232-44, 2007.

UGRINOWITSCH, C.; UEHARA, P. Modalidades esportivas coletivas: o voleibol. In: DE ROSE JÚNIOR, D. (Org.). Modalidades esportivas coletivas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 167-168, 171-172.

UREÑA, A. et al. La facilitación defensiva através del saque en el voleibol femenino de alto nivel. Rev Motric. v. 6, p. 176-178, 2000.

VIEIRA, L. F. et al. Estado de humor e desempenho motor: um estudo com atletas de voleibol de alto rendimento. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum., v. 10, n. 1, p. 62-68, 2008.

WILLIAMS, M.; HODGES, N. J. Practice, instruction and skill acquisition in soccer: challenging tradition. J Sports Sci., v. 23, n. 6, p. 637-50, 2005.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.