Efeitos da suplementação com CrH2O sobre a quimioluminescência urinária em universitários submetidos a 8 semanas de treinamento de força

Autores

  • Tácito Pessoa de Souza Junior Universidade Metropolitana de Santos
  • João Paulo Dubas Universidade Metropolitana de Santos
  • Benedito Pereira Universidade de São Paulo
  • Paulo Roberto Oliveira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v3i2.8637955

Palavras-chave:

Creatina. Treinamento de força. Metabolismo. Estresse oxidativo.

Resumo

A creatina (Cr) é objeto de estudo de grande interesse na comunidade científica do esporte e do exercício. Seus efeitos ergogênicos têm despertado curiosidade entre os pesquisadores pelo fato de um grande numero de estudos apontarem efeitos positivos para aquisição de força e massa muscular Apesar do seu uso ser explorado amplamente pelos atletas e praticantes de atividade física, resultados promissores vem clareando sua utilização na área clínica como uma potente substancia terapêutica em distúrbios neuromusculares, neurológicos, cardiovasculares e ainda como anticarcinogênico. Estudos realizados em nosso laboratório sinalizaram a possibilidade da creatina monohidratada (CrH2O) estar atuando como um antioxidante, após a realização de um treinamento de força (hipertrofia), durante 8 semanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tácito Pessoa de Souza Junior, Universidade Metropolitana de Santos

Faculdade de Educação Física de Santos/FEFIS-UNIMES

João Paulo Dubas, Universidade Metropolitana de Santos

Faculdade de Educação Física de Santos/FEFIS-UNIMES

Benedito Pereira, Universidade de São Paulo

Escola de Educação Física e Esporte/USP

Paulo Roberto Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Faculdade de Educação Física/UNICAMP

Downloads

Publicado

2007-11-06

Como Citar

Souza Junior, T. P. de, Dubas, J. P., Pereira, B., & Oliveira, P. R. (2007). Efeitos da suplementação com CrH2O sobre a quimioluminescência urinária em universitários submetidos a 8 semanas de treinamento de força. Conexões, 3(2), 62–73. https://doi.org/10.20396/conex.v3i2.8637955

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)