O desenvolvimento motor e a influência do ambiente familiar e do nível socioeconômico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v13i3.8640873

Palavras-chave:

Desenvolvimento motor, Ambiente familiar, Nível socioeconômico

Resumo

O termo desenvolvimento motor é empregado em estudos que pretendem compreender os processos de desenvolvimento da motricidade humana. O processo de desenvolvimento motor ocorre de acordo padrões biológicos também pela influência de fatores externos. O objetivo deste estudo desta revisão foi rever considerações importantes acerca do desenvolvimento motor baseados na obra de Gallahue, Ozmun e Goodway e verificar a influência do ambiente e do nível socioeconômico sobre o desenvolvimento motor de crianças. Foram investigados estudos coletados no período de setembro de 2013 a fevereiro de 2014 nas bases de dados Google Acadêmico, Scielo e Ebsco. A revisão dos estudos reforça que o ambiente familiar e o nível socioeconômico podem influenciar no desenvolvimento motor infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Wagner Zanella, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS - Porto Alegre - RS

Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Ciências do Movimento Humano da Escola de Educação Física - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre em Ciências do Movimento Humano (UFRGS), especialista em Educação Física com ênfase no desenvolvimento motor infantil e graduação em Educação Física. 

Carla dos Reis Rezer, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ - Chapecó - SC

Possui Graduação em Curso de Educação Física pela Universidade Federal de Santa Maria (1992) e Mestrado em Ciência do Movimento Humano pela Universidade Federal de Santa Maria (1998). Atuou na educação básica de 1995 a 1999 (ensino fundamental e médio). Atualmente é professora titular da Universidade Comunitária da Região de Chapecó.

Referências

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C.; GOODWAY, J. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. Porto Alegre: AMGH, 2013.

REED, E. S.; BRIL, B. The primacy of action in development. In: BERNSTEIN, N. A. Dexterity and its development. Dinamarca: Lawrence Erlbaum Associates, 1996. p. 431-451.

ADOLPH, K. Learning to keep balance. Advances in child development and behavior, San Diego, v. 30, p. 1-40, 2002.

BERGER, S. E.; THEURING, C.; ADOLPH, K. E. How and when infants learn to climb stairs. Infant Behavior and Development, v. 30, n. 1, p. 36-49, feb. 2007.

DAVIS, B. E. et al. Effects of sleep position on infant motor development. Pediatrics, Evanston, v. 102, n. 5, p. 1135-1140, nov. 1998.

NORDBERG, L.; RYDELIUS, P.; ZETTERSTRÖM, R. Psychomotor and mental development from birth to age of four years; sex differences and their relation to home environment children in a new stockholm suburb results from a longitudinal prospective study starting at the beginning of pregnancy. Acta Paediatrica, Oslo, v. 80, n. s378, p. 1-25, oct. 1991.

LEITSCHUH, C. A.; DUNN, J. M. Prediction of the gross motor development quotient in young children prenatally exposed to cocaine/polydrugs. Adapted Physical Activity Quarterly, v. 18, n. 3, p. 240, july 2001.

LEJARRAGA, H. et al. Psychomotor development in Argentinean children aged 0–5 years. Paediatric and Perinatal Epidemiology, Oxford, v. 16, n. 1, p. 47-60, jan. 2002.

BAX, M.; WHITMORE, K. The medical examination of children on entry to school. The results and use of neurodevelopmental assessment. Developmental Medicine & Child Neurology, London, v. 29, n. 1, p. 40-55, feb. 1987.

CAMP, B. W. et al. Preschool developmental testing in prediction of school problems studies of 55 children in Denver. Clinical Pediatrics, Philadelphia, v. 16, n. 3, p. 257-263, mar. 1977.

KROMBHOLZ, H. Physical performance in relation to age sex social class and sports activities in kindergarten and elementary school. Perceptual and Motor Skills, Missoula, v. 84, n. 3c, p. 1168-1170, june 1997.

LARSSON, J. O. et al. Developmental screening at four years of age. Relation to home situation, perinatal stress, development and behaviour. Acta Paediatrica, Oslo, v. 83, n. 1, p. 46-53, jan. 1994.

NOBRE, F. S. S. et al. Análise das oportunidades para o desenvolvimento motor (affordances) em ambientes domésticos no Ceará-Brasil. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 9-18, 2009.

OLIVEIRA, S. M. S.; ALMEIDA, C. S.; VALENTINI, N. C. Programa de fisioterapia aplicado no desenvolvimento motor de bebês saudáveis em ambiente familiar. Revista Educação Física/UEM, Maringá, v. 23, n. 1, p. 25-35, 2012.

GIAGAZOGLOU, P. et al. Standardization of the motor scales of the Griffiths Test II on children aged 3 to 6 years in Greece. Child: care, health and development, Oxford, v. 31, n. 3, p. 321-330, may 2005.

HINDLEY, C. B. Stability and change in abilities up to five years: Group trends. Journal of Child Psychology and Psychiatry, Elmsford, v. 6, n. 2, p. 85-99, apr. 1965.

Downloads

Publicado

2015-10-02

Como Citar

Zanella, L. W., & Rezer, C. dos R. (2015). O desenvolvimento motor e a influência do ambiente familiar e do nível socioeconômico. Conexões, 13(3), 101–113. https://doi.org/10.20396/conex.v13i3.8640873

Edição

Seção

Artigo de Revisão

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)