O pensamento de Charles Darwin (1809-1882) no estudo dos jogos cooperativos

Autores

  • Joaquim Francisco Lira Neto Colégio Militar de Manaus

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v13i3.8640875

Palavras-chave:

Evolução, Seleção natural, Jogos em grupo

Resumo

O presente trabalho busca explicitar as formas sociais de competição e cooperação defendidas por Charles Darwin (1809-1882), para que seja retomada a interpretação do pensamento do autor feita por alguns dos mais conceituados estudiosos dos Jogos Cooperativos. Tais estudiosos defendem que, para Darwin, a cooperação seria um valor mais importante para a sociedade do que a competição; entretanto, a análise de suas principais obras revela a legitimação das piores formas de competição social, ligadas à dominação do homem pelo homem, que o autor tenta justificar pela inelutável lei da seleção natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joaquim Francisco Lira Neto, Colégio Militar de Manaus

Mestre em Educação, pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Atua como professor de Educação Física, no Colégio Militar de Manaus.

Referências

ORLICK, T. Vencendo a competição. São Paulo: Círculo do Livro, 1989.

BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: se o importante é competir, o fundamental é cooperar. Santos: Renovada, 1997.

BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Santos: Projeto Cooperação, 2001.

BROWN, G. Jogos cooperativos: teoria e prática. 5. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2004.

SOLER, R. Jogos cooperativos para educação infantil. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

SOLER, R. Jogos cooperativos. 2. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

HOBSBAWM, E. J. A era das revoluções: 1789-1848. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

MALTHUS, T. R. Ensaio sobre o princípio da população. Lisboa: Europa-América, 1798.

DARWIN, C. A origem das espécies: ilustrada. São Paulo: Melhoramentos, 1982.

ORLICK, T. Vencendo a competição. São Paulo: Círculo do Livro, 1989.

BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: se o importante é competir, o fundamental é cooperar. Santos: Renovada, 1997.

BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Santos: Projeto Cooperação, 2001.

BROWN, G. Jogos cooperativos: teoria e prática. 5. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2004.

SOLER, R. Jogos cooperativos para educação infantil. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

SOLER, R. Jogos cooperativos. 2. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

HOBSBAWM, E. J. A era das revoluções: 1789-1848. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

MALTHUS, T. R. Ensaio sobre o princípio da população. Lisboa: Europa-América, 1798.

DARWIN, C. A origem das espécies: ilustrada. São Paulo: Melhoramentos, 1982.

SPENCER, H. Do progresso: sua lei e sua causa. Lisboa: Editorial Inquérito, 1939.

DARWIN, C. A origem do homem. In: DARWIN, C. A origem do homem e a seleção sexual. São Paulo: Hemus, 1974.

MARCO, N. O que é darwinismo. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

Downloads

Publicado

2015-10-02

Como Citar

Lira Neto, J. F. (2015). O pensamento de Charles Darwin (1809-1882) no estudo dos jogos cooperativos. Conexões, 13(3), 131–145. https://doi.org/10.20396/conex.v13i3.8640875

Edição

Seção

Artigo de Revisão