Banner Portal
Time amador juvenil de futsal feminino de Barra do Garças-MT
PDF

Palavras-chave

Feminilidade
Futebol de salão
Homofobia

Como Citar

TRAJANO, R. W.; ALMEIDA, N. F. P. de; RODRIGUES, M. C.; FERNANDES, L. A. B. Time amador juvenil de futsal feminino de Barra do Garças-MT: rompendo limitações na construção do gênero mulher. Conexões, Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 65–91, 2017. DOI: 10.20396/conex.v15i1.8646350. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8646350. Acesso em: 22 fev. 2024.

Resumo

O objetivo deste estudo foi de entender como atletas do Time Amador Juvenil de Futsal Feminino da cidade de Barra do Garças - MT compreendiam os significados da vivência dessa prática no que se refere às determinações históricas, sociais e culturais do gênero e da sexualidade. A compreensão sobre a relação gênero, feminilidade e futebol, sob o olhar de técnicos desse time foi também foco de interesse. Trata-se de uma pesquisa direta e de abordagem qualitativa, construída a partir da correlação de fontes bibliográficas, questionário e entrevista. A perspectiva pós-estruturalista definiu o campo teórico que sustentou as análises. Concluiu-se que a prevalência de preconceito em relação à sexualidade é inerente ao futebol/futsal, uma vez que vivemos numa sociedade em que essa modalidade é entendida como privilégio masculino. As mulheres que se inserem nesse esporte são expostas a vários tipos de recusas pela prevalência de um imaginário social que alimenta que o futebol/futsal possa masculinizá-las. 

https://doi.org/10.20396/conex.v15i1.8646350
PDF

Referências

ALONSO, Luiza Klein. Mulher, corpo e mitos no esporte. In: SIMÕES, Antonio Carlos (Org). Mulher e esporte: mitos e verdades. Barueri: Manole, 2003. p. 35-48.

ALTMANN, Helena. Educação física escolar: relações de gênero em jogo. São Paulo: Cortez, 2015.

BATISTA, Renata Silva; DEVIDE, Fabiano Pries. Mulheres, futebol e gênero: reflexões sobre a participação feminina numa área de reserva masculina. Revista Digital, Buenos Aires, ano XIV, n. 137, p. 1-1, out. 2009. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd137/mulheres-futebol-e-genero.htm. Acesso em 30 jun. 2014.

BRACHT, Valter. Sociologia critica do esporte: uma introdução. 3.ed. Ijuí: Ed. da Unijuí, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação e cultura. Deliberação CND 01/83 de 11 de abril de 1983. Dispõe sobre normas básicas para a prática de futebol por mulheres. Diário Oficial, Brasília, p. 5794.

BREGOLATO, Roseli Aparecida. Cultura corporal da ginástica. 2. ed. São Paulo: Ícone, 2002. v. 2.

BRITZMAN, Deborah P. “O que é esta coisa estranha chamada amor?”. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 1. n. 1, p. 71-96, fev. 1996.

CAMPÕES DO FUTEBOL. História do futebol: origens. 2005. Disponível em: http://www.campeoesdofutebol.com.br/histfutebol.html. Acesso em: 30 jun. 2013.

CARNEIRO, Maria Luiza Bettiol. Um toque de bola em pés femininos: um estudo sobre o futebol feminino de Florianópolis. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

CASTELLANI FILHO, Lino. Educação física no Brasil: a história que não se conta. Campinas: Papirus, 1988.

DAOLIO, Jocimar. Cultura: educação física e futebol. 3. ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 2006.

DARIDO, Suraya Cristina. Futebol feminino no Brasil: do seu início à prática pedagógica. Motriz, Rio Claro, v. 8, n. 2, p. 43-49, dez. 2002. Disponível em: http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/08n2/Darido.pdf. Acesso em: 18 fev. 2014.

DEVIDE, Fabiano Pries. Gênero e mulheres no esporte: história das mulheres nos jogos olímpicos modernos. Ijuí: Ed. da Unijuí, 2005. 144 p.

FOUCAULT, Michael. História da sexualidade: vontade de saber. 16. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FRANZINI, Fábio. Futebol é “coisa para macho”? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 25, n. 50, p. 315-328, jul./dez. 2005.

FUTSAL DO BRASIL. O esporte da bola pesada que virou uma paixão. 2009. Disponível em: http://www.futsaldobrasil.com.br/2009/cbfs/origem.php. Acesso em: 30 jun. 2013.

GOELLNER, Silvana V. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 143-51, abr./jun. 2005.

HERCULANO-HOUZEL, Suzana. O cérebro homossexual. Mente e cérebro, São Paulo, ano 14, n. 165, p. 46-51, out. 2006. Editorial.

KNIJNIK, Jorge Dorfman. A mulher brasileira e o esporte: seu corpo, sua história. São Paulo: Mackenzie, 2003.

LIMA, Roberto. “On the rocks”: corpo e gênero entre os escaladores do Paraná. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 149-164, 1995.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Autêntica: Belo Horizonte, 2004.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1997. 179 p.

LOURO, Guacira Lopes. Heteronormatividade e homofobia. In: JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009. p. 85-94.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 7-34.

MALYSSE, Stéfhane. (H)altères-ego: olhares franceses nos bastidores da corpolatria carioca. In: GOLDEMBERG, Miriam. (Org.). Nu e vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca. Rio de Janeiro: Record, 2002. p. 79-137.

MATTOS, Mauro Gomes; ROSSETO JÚNIOR Adriano José; BLECHER, Shelly. Teoria e prática da metodologia da pesquisa em educação física: construindo sua monografia, artigo e projeto de ação. São Paulo: Phorte, 2008.

MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, Guacira Lopes, FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana V. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 9-27.

NUNAN, Adriana. Homossexualidade: do preconceito aos padrões de consumo. Rio de Janeiro: Caravansarai, 2003.

PARKER, Richard G. Abaixo do equador. Rio de Janeiro: Record, 2002. 380p.

RIGO, Luiz C.. et al. Notas acerca do futebol feminino pelotense em 1950: um estudo genealógico. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 29, n. 3, p. 173-188, maio 2008.

SILVA, Maria C. P.; COSTA, Marta M.; SALLES, José G. C. Representação Social do futebol feminino na imprensa brasileira. In: VOTRE, Sebastião. J; SALLES, José. G. C. Representação social do esporte e da atividade física: ensaios etnográficos. Brasília: INDESP, 1998. p. 91-116.

SOUZA JUNIOR, Osmar Moreira; DARIDO, Suraya Cristina. A prática do futebol feminino no Ensino Fundamental. Motriz, Rio Claro, v. 8, n.1, p.1-8, abr. 2002.

VASCONCELOS, Bruna do Socorro Roma. A trajetória das jogadoras de futebol feminino paraense: um estudo sobre o preconceito e discriminação de sua prática esportiva. 2009. 84 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física) - Universidade do Estado do Pará, Belém, 2009.

VILANI, Luiz Henrique Porto; SAMULSKI, Dietmar Martin. Família e esporte: uma revisão sobre a influencia dos pais na carreira esportiva de crianças e adolescentes. In: GARCIA, Emerson Silami; LEMOS, Kátia Lucia Moreira. Temas atuais VII: educação física e esporte. Belo Horizonte: Health, 2002. p. 09-26.

WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. (Org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 35-84.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.