O esporte na agenda governamental das políticas públicas para pessoas com deficiência

  • Heloísa Pereira Pancotto Universidade Estadual de Campinas.
Palavras-chave: Pessoas com deficiência. Esporte. Agenda Governamental.

Resumo

O esporte se apresenta como um dos requisitos indispensáveis para que a pessoa com deficiência possa atingir a dimensão total da inclusão social. Neste contexto surge o seguinte questionamento: As políticas públicas para pessoas com deficiência, no Brasil, consideram o esporte como um meio para a inclusão social? O estudo teve como objetivo descrever a evolução da Agenda Governamental das Políticas Públicas para pessoas com deficiência na questão do esporte em plano nacional. A pesquisa foi de carácter qualitativo e utilizou-se o método da análise documental. Como resultado principal, tem-se que nos Planos Plurianuais a discussão sobre a inclusão social de pessoas com deficiência, começa a ter uma maior visibilidade a partir de 2004, com enfoque no cidadão e nos direitos humanos. Porém a relação esporte, inclusão social e as pessoas com deficiência, são tratados como temas específicos e não dentro de um todo, tanto nos planos plurianuais, quanto nas políticas públicas. Ao longo da história a pessoa com deficiência vem ganhando espaço na sociedade e consequentemente sendo mais discutida dentro da Agenda Governamental, porém, na prática, os investimentos e ações com relação ao esporte não se tornam, em grande dimensão, um meio para a inclusão de pessoas com deficiência. 

Biografia do Autor

Heloísa Pereira Pancotto, Universidade Estadual de Campinas.
Formada no curso de Ciências do Esporte, pela UNICAMP e Mestra Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, também pela UNICAMP.

Referências

ALVES, José Antônio Barros; PIERANTI, Octavio. O estado e a formulação de uma política nacional de esporte no Brasil. RAE-eletrônica, Rio de Janeiro, v. 6 n. 1, jan./jun. 2007.

AMARAL JUNIOR, Aécio; BURITY, Joanildo A. Apresentação. In: AMARAL JUNIOR, Aécio. (Org.). Inclusão social, identidade e diferença: perspectivas pós-estruturalistas de análise social. São Paulo: Annablume, 2006. p. 9-18.

ANDRADE, Andresa Caravage et al. Análise documental das políticas públicas de incentivo às práticas físico-esportivas para pessoas com deficiência no Brasil: perspectivas para as Paralimpíadas Rio2016. Revista Gestão & Políticas Públicas, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 106-127, 2014.

AZEVEDO, Paulo H.; BARROS, Jônatas França. O Nível de participação do estado na gestão do esporte brasileiro como fator de inclusão social de pessoas portadoras de deficiência. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 12, n. 1, p. 77-84, 2014.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BRASIL. Ministério do Esporte. Propostas aprovadas na I Conferência Nacional do Esporte. Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério do Esporte. Propostas aprovadas na III Conferência Nacional do Esporte. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Plano Plurianual 2000-2003. Brasília, 2000.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Plano Plurianual 2004-2007. Brasília, 2003.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Plano Plurianual 2012-2015. Brasília, 2011a.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Plano Viver Sem Limites: plano plurianual 2012-2015. Brasília, 2011b.

BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 2.829, de 29 de outubro de 1998, estabelece normas para a elaboração e execução do Plano Plurianual e dos Orçamentos da União, e dá outras providências. 1998. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2829.htm. Acesso em: 28 jan. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004, regulamenta as Leis nOS.10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm. Acesso em: 30 maio 2015.

BURLANDY, Luciene. Segurança alimentar e nutricional: intersetorialidade e as ações de nutrição. 2004. Disponivel em: http://www.unimep.br/phpg/editora/revistaspdf/saude13art01.pdf. Acesso em: 07 jan. 2012.

CAPELLA, Ana Cláudia N. Perspectivas teóricas sobre o processo de formulação de políticas públicas. BIB: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, São Paulo, v. 61, p. 20-40, 2005.

DARIDO, Suraya Cristina; RANGEL, Irene Conceição Andrade. Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

FARAH, Marta Ferreira Santos. Parcerias, novos arranjos institucionais e políticas públicas no nível local de governo. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 35, n. 1, p. 119-145, jan./fev. 2001.

GARAJAU, Narjara Incalado. Articulação intersetorial: uma estratégia de gestão para o Programa Cozinha Comunitária. 2013. 143f. Dissertação (Mestrado) – Centro Universitário UNA, Belo Horizonte, 2013.

GARCIA, Ronaldo Coutinho. A reorganização do processo de planejamento do governo federal: o PPA 2000-2003. Texto para Discussão, Brasília, n. 726, 2000.

KINGDON, John W. Agendas, Alternatives, and Public Policies. New York: Longman, 1995.

MARQUES, Renato Francisco Rodrigues; GUTIERREZ, Gustavo Luis; ALMEIDA, Marco Antonio Bettine de. O esporte contemporâneo e o modelo de concepção das formas de manifestação do esporte. Conexões, Campinas, v. 6, n. 2, 2008.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza; GOMES, Suely Ferreira Deslandes Romeu (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 27. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 9-29.

NERI, Anita Liberalesso. Qualidade de vida na velhice. In: REBELATTO, José Rubens; MORELLI, José Geraldo da Silva (Org.). Fisioterapia geriátrica: a prática da assistência ao idoso. São Paulo: Manole. 2003. p. 9-34.

PENAFORT, Jacqueline Dourado. A integração do esporte adaptado com o esporte convencional a partir da inserção de provas adaptadas: um estudo de caso. 2001. 173f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

PEREIRA, Yanne de Lima; TEIXEIRA, Solange Maria. Redes e intersetorialidade nas políticas sociais: reflexões sobre sua concepção na política de assistência social. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 114 -127, jan./jun. 2013.

RUBIO. Do Olimpo ao Pós-olimpismo: elementos para uma reflexão sobre o esporte atual. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 130-143, jul./dez. 2002.

SANFIM, Milena Pavan; DIAS, Rafael de Brito. Análise de política: uma revisão da literatura. Policy analysis: a review. Cadernos de Gestão Social, Salvador, v. 3, n. 1, p. 121-134, jan./jun. 2012.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Memorial da inclusão. São Paulo, [2009?].

SASSAKI, Regina. K. Inclusão: o paradigma do século 21. Inclusão, Brasília, v. 1, n. 1, p. 19-23, out. 2005.

SHITSUKA, Ricardo; ALEXANDRUX, Marcos; GOUVEA, Eduardo Penna. Visão histórica da sociedade sobre as pessoas com necessidades especiais. Revista Científica Brasileira; n. 2, p. 45-52; 2008.

TEIXEIRA, Andrade Codo Marina. Políticas públicas para pessoas com deficiência no Brasil. 2010. 132f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

TUBINO, Manoel José Gomes. Dimensões sociais do esporte. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1992.

TUBINO, Manoel José Gomes. Dimensões sociais do esporte. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

TUBINO, Manoel José Gomes. Teoria geral do esporte. São Paulo: Ibrasa, 1987.

TUBINO, Manoel José Gomes; GARRIDO, Fernando; TUBINO, Fábio. Dicionário enciclopédico Tubino do esporte. Rio de Janeiro: SENAC, 2006.

TUBINO, Manoel José Gomes. Estudos brasileiros sobre o esporte: ênfase no esporte-educação. Eduem, 2010. 163 p.

ZUCHETTO, Angela Teresinha; CASTRO, Rosângela Laura Ventura Gomes de. As contribuições das atividades físicas para a qualidade de vida dos deficientes físicos. Kinesis, Santa Maria, n. 26, p. 52-166, 2002.

Publicado
2017-08-15
Como Citar
Pancotto, H. P. (2017). O esporte na agenda governamental das políticas públicas para pessoas com deficiência. Conexões: Educação Física, Esporte E Saúde, 15(2), 142-171. https://doi.org/10.20396/conex.v15i2.8647453
Seção
Artigo Original