Análise da qualidade de vida em atletas de basquetebol da cidade de Londrina, Paraná

Palavras-chave: Qualidade de vida, Saúde, Atletas, Basquetebol

Resumo

O principal objetivo do presente estudo foi analisar a qualidade de vida de atletas de Basquetebol da cidade de Londrina, no Paraná. Participaram do estudo 28 atletas de categorias de base da equipe masculina de Basquetebol do Londrina Esporte Clube/APVE/FEL. Para avaliar a Qualidade de Vida foi utilizado o questionário Kidscreen-52, constituído por 52 questões divididas em 10 dimensões. Para a caracterização da amostra foi empregada estatística descritiva e para análise da variável qualidade de vida foi utilizado o Teste “t” de Student e a Análise de Variância (ANOVA) One-Way. Os valores médios obtidos para o construto qualidade de vida como um todo foram de 79,20±10,75 para categoria Sub-13, e 80,50±7,62 para a categoria Sub-14. Quanto às dimensões que compõem a qualidade de vida, nota-se que ambas as categorias manifestaram os escores mais altos na dimensão “Rejeição Social”, seguida pela dimensão “Bem-estar psicológico”. Não foram encontradas diferenças significativas entre ambas as categorias avaliadas para os valores médios do construto qualidade de vida e suas dimensões. Diante dos resultados apresentados, conclui-se que tanto a categoria Sub-13, quanto a categoria Sub-14, apresentaram valores elevados para a qualidade de vida e suas dimensões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Eduardo Guterres Heinemann, Universidade Estadual de Londrina

Bacharel em Esporte pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Mestrando em Educação Física pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Márcia Greguol, Universidade Estadual de Londrina

Possui mestrado e doutorado pela Escola de Educação Física e Esportes da Universidade de São Paulo (2005) e pós doutorado pela Universidade de Pádova (Itália) em Atividade Física Adaptada. Atualmente é professora adjunta do Centro de Educação Física e Esporte da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência nas áreas de Educação Física e Esporte, com ênfase em Atividades Físicas e Esportes Para Pessoas com Deficiências, atuando principalmente nos seguintes temas: educação física adaptada, inclusão, aptidão física e saúde e esporte adaptado para pessoas com deficiência.Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisa em Atividade Física e Defficiência (GEPAFID).

Arli Ramos de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina

Possui graduação em Licenciatura em Educação Física pela Faculdade de Educação Física do Norte do Paraná (1976), atual UNOPAR de Londrina, Paraná. Mestrado em Desenvolvimento Motor e Estudos Esportivos pela Universidade de Pittsburgh (1994) e doutorado em Desenvolvimento Motor e Estudos Esportivos pela Universidade de Pittsburgh, Pennsylvania - USA (2001). Atualmente é Professor Associado no Curso de Esporte da Universidade Estadual de Londrina. Coordenador do Trabalho de Conclusão de Curso e Coordenador da Comissão de Pesquisa do Departamento de Ciências do Esporte. Membro da Comissão de Pesquisa do Centro de Educação Física e Esporte da Universidade Estadual de Londrina. Membro da Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Física UEM/UEL. Membro do Colégio Europeu de Ciências do Esporte. Bolsista de Produtividade em Pesquisa PQ2/CNPq 2011-2016. Membro da Equipe Colaboradora EC15 do Projeto Segundo Tempo e Esporte da Escola do Ministério do Esporte. Membro do Comitê Editorial da Revista Semina Ciências Biológicas/Saúde da UEL. Consultor Ad-Hoc do CNPq, CAPES, Fundação Araucária. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Atividade Física e Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: esporte, atividade física e saúde, treinamento com pesos, crianças e adolescentes, escolares, metodologia de pesquisa.

Referências

ADRIANO, Jaime Rabelo et al. A construção de cidades saudáveis: uma estratégia viável para a melhoria da qualidade de vida? Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 53-62, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232000000100006&script=sci_abstract&tlng=pt.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, DF, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf. Acesso em: 05 jun. 2016.

DANTAS, Rosana Aparecida Spadoti; SAWADA, Namie Okino; MALERBO, Maria Bernadete. Pesquisas sobre qualidade de vida: revisão da produção científica das universidades públicas do Estado de São Paulo. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 11, n. 4, p. 532-538, ago. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692003000400017.

FARINATTI, Paulo de Tarso Veras; FERREIRA, Marcos Santos. Saúde, promoção da saúde e educação física: conceitos, princípios e aplicações. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2006.

GASPAR, Tânia; MATOS, Margarida Gaspar. Qualidade de vida em crianças e adolescentes: Versão portuguesa dos instrumentos Kidscreen 52. Cruz Quebrada: Aventura Social e Saúde, 2008.

GASPAR, Tânia et al. Qualidade de vida em crianças e adolescentes: impacto da migração e estatuto socioeconômico. Brazilian Journal of Health, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 80-92, jan/abr. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017002401373.

GORDIA, Alex Pinheiro. Associação da atividade física, consumo de álcool e índice de massa corporal com a qualidade de vida de adolescentes. 2008. 82 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

GUEDES, Dartagnan Pinto; GUEDES, Joana Elisabete Ribeiro Pinto. Tradução, adaptação transcultural e propriedades psicométricas do KIDSCREEN-52 para a população brasileira. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 364-371, set. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822011000300010.

MENDES, Daisiane; PICCOLI, João Carlos Jaccottet; QUEVEDO, Daniela Müller de. Qualidade de vida relacionada à saúde de escolares do ensino fundamental de Campo Bom, RS. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 22, n. 4, p. 47-54, 2014. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/290882643_Qualidade_de_Vida_Relacionada_a_Saude_de_Escolares_do_Ensino_Fundamental_de_Campo_Bom_RS.

MOREIRA, Natália Boneti et al. Quality of life perception of basketball master athletes: association with physical activity level and sports injuries. Journal of sports sciences, v. 34, n. 10, p. 988-996, set, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26323316.

MOREIRA, Natália Boneti et al. Associação entre dependência do exercício físico e percepção da qualidade de vida no basquetebol máster brasileiro. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 39, n. 4, p. 433-441, out. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0101-32892017000400433&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.

MOREIRA, Natália Boneti et al. Association between injury and quality of life in athletes: A systematic review, 1980–2013. Apunts Medicina de l'Esport, v. 49, n. 184, p. 123-138, out. 2014. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1886658114000243.

PETTENGILL, Elaine Cristina da Fonseca Costa. Qualidade de vida no trabalho: a fala dos motoristas de ônibus urbano. 2010. 182 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) -Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2010.

PIRES JUNIOR, Raymundo. Análise da qualidade de vida e desempenho motor em escolares. 2010. 78 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Centro de Educação Física e Esporte, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

RAVENS-SIEBERER, Ulrike et al. KIDSCREEN-52 quality-of-life measure for children and adolescents. Expert Review of Pharmacoeconomics & Outcomes Research, v. 5, n. 3, p. 353-364, 2005. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19807604.

SARAIVA, Luciana Eduardo Fernandes. Qualidade de vida do servidor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte em condição crônica de saúde. 2011. 124 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Departamento de Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.

SEIDL, Eliane Maria Fleury; ZANNON, Célia Maria Lana da Costa. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 580-588, abr. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2004000200027&script=sci_abstract&tlng=pt.

THE WHOQOL GROUP. Development of the WHOQOL: Rationale and Current Status. International Journal of Mental Health, v. 23, n. 3, p. 24-56, 1994. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/41344692.

THE WHOQOL GROUP. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Social Science Medicine, n. 41, p. 1403-1410, 1995. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8560308.

Publicado
2018-08-28
Como Citar
Heinemann, G. E. G., Greguol, M., & Oliveira, A. R. de. (2018). Análise da qualidade de vida em atletas de basquetebol da cidade de Londrina, Paraná. Conexões, 16(3), 266-280. https://doi.org/10.20396/conex.v16i3.8649963
Seção
Artigo Original