Banner Portal
Correlação entre microlesão muscular e estresse em atletas usuários de cadeira de rodas
PDF

Palavras-chave

Atletas
Creatina quinase
Estresse psicológico

Como Citar

SILVA, Fábia Freire; JUNIOR, Osvaldo Belli; JUNIOR, José Roberto Andrade Nascimento; CARVALHO, Camila Lopes; SILVEIRA, Wellington Cássio Barbosa da; ARAUJO, Paulo Ferreira de. Correlação entre microlesão muscular e estresse em atletas usuários de cadeira de rodas. Conexões, Campinas, SP, v. 17, p. e019023, 2019. DOI: 10.20396/conex.v17i0.8653372. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8653372. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

Objetivo: Verificar a correlação entre microlesão muscular e o nível de estresse psicológico em atletas de Handebol em Cadeiras de Rodas (HCR). Metodologia: As microlesões foram identificadas pelas concentrações da proteína creatina quinase (CK) em amostras sanguíneas de 10 atletas masculino, coletadas 10 minutos antes e após o final do jogo. O nível de estresse derivou-se do questionário RESTQ-sport aplicado 30 minutos antes do jogo. Resultados e discussão: Os atletas não apresentaram aumentos significativos nos níveis de CK (p = 0,766). Observando o nível de estresse e recuperação, nota-se escores elevados (>4,0) nas escalas relacionadas aos eventos potencialmente tranquilizantes. Quanto as escalas relacionadas aos eventos estressantes, verificou-se escores moderados nas escalas de Conflitos/Pressão (3,5 ± 0,6) e Lesões (3,2 ± 1,3). A correlação entre a CK e os níveis de estresse e recuperação, nos momentos pré e pós jogo, apresentaram correlação moderada nas escalas fadiga (r = -0,46; r = -0,61), lesões (r = -0,47; r = -0,55), perturbações nos intervalos ( r= -0,47; r = -,069) e Estar em forma (r = 0,44; r = 0,41). Conclusão: Os resultados demonstram que não houve aumento significativo nos níveis séricos de Ck e correlação moderada em algumas escalas de estresse e recuperação nos atletas usuários de cadeira de rodas.

https://doi.org/10.20396/conex.v17i0.8653372
PDF

Referências

ALVES, Adriano Lima. O comportamento da enzima creatina quinase sanguínea em jogadores de futebol de elite durante o campeonato brasileiro. 2012. 66 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

ARAÚJO, Paulo Ferreira de. Desporto Adaptado no Brasil: origem, institucionalização e atualidade. 1997. 152 f. Tese (Doutorado em Estudos da Atividade Física e Adaptação) – Faculdade de Educação Física, Campinas, 1997.

BRANCACCIO, Paola; MAFULLI, Nicola; BUONAURO, Rosa; LIMONGELLI, Francesco Mário. Serum Enzyme Monitoring in Sports Medicine. Clinics in Sports Medicine, v. 27, n. 1, p. 1-18, 2008. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18206566.

BRANCACCIO, Paola; MAFULLI, Nicola; LIMONGELLI, Francesco Mário. Creatine kinase monitoring in sport medicine. British Medical Bulletin. v. 81-82, n. 1, 2007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17569697.

BRAZUNA, Melissa Rodrigues; CASTRO, Eliane Mauerberg de. A Trajetória do Atleta Portador de Deficiência Física no Esporte Adaptado de Rendimento. Uma Revisão da Literatura. Motriz, v. 7, n. 2, p.115-23, 2001. Disponível em: http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/07n2/Brazuna.pdf.

COELHO, Daniel Barbosa; MORANDI, Rodrigo Figueiredo; MELO, Marco Aurélio Anunciação; SILAMI-GARCIA, Emerson. Cinética da creatina quinase em jogadores de futebol profissional em uma temporada competitiva. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 189-194, jun. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcdh/v13n3/05.pdf. Acesso em: 13 ago 2019.

COSTA, Leonardo Oliveira Pena; SAMUSLKI, Dietmar Martin. Processo de validação do questionário de estresse e recuperação para atletas (RESTQ-Sport) na língua portuguesa. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 13, n. 1, p. 79-86, abr. 2005. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/615.

HARGREAVES, Mark. Fatores metabólicos da fadiga. Sports Science Exchange, 2006.

KALLUS, K. Wolfgang.; KELLMANN, Michael. The recovery-stress-questionnaire for coaches, manual in preparation. Wurzburg: Wurzburg University, 1993.

KELLMANN, Michael; KALLUS, K. Wolfgang. Recovery-Stress Questionnaire for Athletes: User Manual. Questionário de stress e recuperação para atletas (RESTQ-76 Sport): manual do usuário. Belo Horizonte: Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, 2009.

KENNY, Jon-Emile. Creatine kinase: how much is too much? Clinical Correlations: The New York University Langone Online Journal of Medicine, 2010. Disponível em: http://www.clinicalcorrelations.org/?p=3390. Acesso em: 12 jun 2017.

LEITE, Gerson dos Santos; AMARAL, Daniel Pereira do; OLIVEIRA, Raul Santo de; OLIVEIRA FILHO, Ciro Winckler de; MELO, Marco Túlio; BRANDÃO, Maria Regina Ferreira. Relação entre estados de humor, variabilidade da frequência cardíaca e creatina quinase de para-atletas brasileiros. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 24, n. 1, p. 33-40, jan./mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-30832013000100004&script=sci_abstract&tlng=pt.

LEITE, Marco Aurélio Ferreira de Jesus, SANTANA, Fernanda de Assis; SASAKI, Jeffer Eidi; ZANETTI, Hugo Ribeiro; CASTRO, Gisélia Gonçalves de; MOTA, Gustavo Ribeiro da; ABRAHÃO, César Augusto França. Percepção do Estresse e Recuperação na Prática do Karatê. Coleção Pesquisa em Educação Física, Várzea Paulista, v. 14, n. 2, p. 107-16, jun. 2015. Disponível em: https://www.fontouraeditora.com.br/periodico/upload/artigo/1178_1504272996.pdf.

MACHADO, Carolina Neis; GEVAERD, Monique da Silva; GOLDFEDER, Ricardo Teixeira; CARVALHO, Tales de. Efeito do exercício nas concentrações séricas de creatina cinase em triatletas de ultradistância. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 16, n. 5, p. 378-81, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-86922010000500012&script=sci_abstract&tlng=pt.

MARQUES, Renato Francisco Rodrigues; GUTIERREZ, Gustavo Luiz. O esporte paralímpico no Brasil: profissionalismo, administração e classificação de atletas. São Paulo: Phorte Editora, 2014.

MORAES, Luiz Carlos, SIMIN, Mário; LÔBO, Ingrid Ludmila Bastos; FERREIRA, Renato Lima. Ansiedade pré-competitiva em atletas de futebol amputados. EF Deportes: revista digital, Buenos Aires, v. 15, n. 144, p. 1-1, mai. 2010. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd144/ansiedade-em-atletas-de-futebol-amputados.htm. Acesso em: 14/08/2019.

MOUGIOS, Vassilis. Reference intervals for serum creatine kinase in athletes. British Journal of Sports Medicine, v. 41, n. 10, p. 674-678, may. 2007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17526622.

NADEAU, Claude. H. et al. Psychology of motor behavior and sport-1979. Champaign: Human Kinetics, 1980.

SAMULSKI, Dietmar Martin; NOCE, Franco; ANJOS, Dalva; LOPES, Mariana. The Psychological evaluation. In: MELLO, Marco Tulio. Clinical evaluation and assessment of the fitness of the brazilian paralympic athletes: concepts, methods and results. São Paulo: Atheneu, 2004. p.147-157.

SAMULSKI, Dietmar Martin; NOCE, Franco; CHAGAS, Mauro Heleno. Estresse. In: Samulski, Dietmar. Martin. (Ed.), Psicologia do Esporte: Conceitos e novas perspectivas. São Paulo: Manole, 2009. p. 231-264.

SCHNEIDER, Mateus; PÉRICO, Eduardo; POZZOBOM, Adriane. Verificação do dano muscular através da avaliação da concentração de creatina quinase em indivíduos não atletas após prova de ciclismo não competitivo. Scientia Medica: v. 25, n. 1, 2015. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/scientiamedica/article/view/19819.

SHANMUGAM, Suresh; FARENIA, Reni; TRISTINA, Nina. Creatine Phosphokinase and Visual Analogue Scale as Indicators for Muscle Injury in Untrained Bodybuilders. Althea Medical Journal: v. 2, n. 2, 2015. Disponível em: http://journal.fk.unpad.ac.id/index.php/amj/article/view/542. Acesso em: 14 ago 2019.

SHEARER, David; BRESSAN, Elizabeth. Psychological aspects of wheelchair sport. In: Goosey-Tolfrey Vicky, editor. Wheelchair sport. Champaign: Human Kinetics; 2010. p. 100-15. Disponível em: https://us.humankinetics.com/blogs/excerpt/psychological-aspects-of-wheelchair-sport.

SILVA, Bianca Veiga.; ARAÚJO, Paulo Ferreira. Jogos esportivos adaptados em cadeira de rodas: criando competências. In: REVERDITO, Riller Silva; SCAGLIA, Alcides José; MONTAGNER, Paulo Cesar (Org.) Pedagogia do esporte: aspectos conceituais da competição e estudos aplicados. São Paulo: Phorte, 2013. p. 403-452.

SILVA, Andressa; QUEIROZ, Sandra Souza; WINCKLER, Ciro; VITAL, Roberto; SOUSA, Ronnie Andrade; FAGUNDES, Vander; TUFIK, Sérgio; MELO, Marco Túlio de. Sleep quality evaluation, chronotype, sleepiness and anxiety of Paralympic Brazilian athletes: Beijing 2008 Paralympic Games. British Journal of Sports Medicine. n. 46, p. 150–154, 2012. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21173008.

SOARES, Leôncio Lopes; PIMENTA, Eduardo Mendonça; BARROS, Allan Filipe da Silveira; LESSA, Lucas Barros; PUSSIELDI, Guilherme de Azambuja. Análise dos níveis séricos de creatina quinase em atletas de futebol universitário após uma sessão intermitente. Motricidade. v. 8, n. S2, p. 439-446, 2012. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=273023568052.

TOTSUKA, Manabu; NAKAJI, Shigevuki; SUZUKI, Katsuhiko; SUGAUARA, Kazuo; SATO, Koki. Break point of serum creatine kinase release after endurance exercise. Journal Applied Physiology, v. 93, n. 4, p.1280-1286, 2002. Disponível em: https://www.physiology.org/doi/full/10.1152/japplphysiol.01270.2001.

WEINBERG, Robert. S; GOULD, Daniel. Fundamentos da Psicologia do esporte e do exercício. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

WINNICK, Joseph P. Educação Física e Esportes Adaptados. 3. ed. Barueri: Manole, 2004.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.