Banner Portal
O Brasil no novo milênio
PDF

Palavras-chave

Teoria da regulação
Neoschumpeterianos
Novo desenvolvimentismo
Brasil no novo milênio

Como Citar

LOPES, Herton Castiglioni. O Brasil no novo milênio: regulação, progresso técnico e novo desenvolvimentismo. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 27, n. 3, p. 1029–1052, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8657093. Acesso em: 12 jul. 2024.

Resumo

O trabalho objetiva analisar o Brasil nos primeiros anos do novo milênio, especialmente a partir do primeiro mandato do presidente Lula quando uma controvérsia significativa se estabeleceu na literatura. Enquanto alguns afirmam que o período inaugurou uma nova fase desenvolvimentista, outros o caracterizam como uma continuidade das políticas neoliberais que se instituíram no final dos anos 1980 e início dos anos 1990. Com vistas a obter maior esclarecimento e algumas conclusões sobre esse debate, o texto integra a Teoria da Regulação (T.R.), a teoria evolucionária neoschumpeteriana e as proposições de política econômica do novo desenvolvimentismo. A partir desses estatutos teóricos, conclui-se que muitos dos problemas levantados pela Cepal e pelo novo desenvolvimentismo se expressam na forma de regulação dos últimos anos. Observa-se uma supremacia da forma de inserção do país no regime internacional que tem repercutido no desempenho da indústria e do progresso técnico, que se mantém frágil ao longo dos últimos anos.

PDF

Referências

ABRAMOVITZ, M. Catching up, forging ahead and falling behind. Journal of Economic History, New York, v. 46, n. 2, p. 385-406, 1986.

AGLIETTA, M. Régulation et crises du capitalisme: l’expérience des États-Unis. Paris: Calmann-Lévy, 1976.

ALMEIDA, M. O Novo Estado Desenvolvimentista e o Governo Lula. Revista Economia & Tecnologia, Ano 07, Volume Especial, p. 69-89, 2011.

AREND, M. 50 Anos de industrialização do Brasil: uma análise evolucionária. 2009. Tese (Doutorado em Economia)–Programa de Pós-Graduação em Economia, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

AREND, M. A industrialização do Brasil ante a nova divisão internacional do trabalho. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Rio de Janeiro: Ipea, 2015. (Texto para Discussão).

AREND, M.; FONSECA, P. C. D. Brasil (1955-2005): 25 anos de catching up, 25 anos de falling behind. Revista de Economia Política, v. 32, n. 1 (126), p. 33-54, jan./mar. 2012.

BARBOSA, N.; SOUZA, J. A. P. A inflexão do Governo Lula: política econômica, crescimento e distribuição de renda. In: SADER, E.; GARCIA, M. A. (Org.). Brasil: entre o passado e o futuro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo e Editora Boitempo, 2010. Disponível em: http://nodocuments.files.wordpress.com/2010 /03/barbosa-nelson-souza-jose-antoniopereira-de-a-inflexao-do-governo-lula-politica-economica-crescimento-e-distribuicao-derenda.pdf. Acesso: 27 jul. 2015.

BIELCHOWSKY, R. (Org.). Cinqüenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: IPA/INPES, 1988.

BIELSCHOWSKY, R. Evolución de las ideas de la Cepal. Revista Cepal, Número Extraordinario, p. 21-45, Oct. 1998.

BOYER, R. A teoria da regulação: uma análise crítica. São Paulo: Nobel, 1990.

BOYER, R. Perspectives on the wage-labour nexus. In: BOYER, R.; SAILLARD, Y. Regulation theory: the state of the art. Paris: La Découverte & Syros, 2002.

BOYER, R.; SAILLARD, Y. A summary of regulation theory. In: BOYER, R.; SAILLARD, Y. Regulation theory: the state of the art. Paris: La Découverte & Syros, 2002.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Estratégia nacional e desenvolvimentismo. Revista de Economia Política, v. 26, n. 2 (102), p. 203-230, 2006a.

BRESSER-PEREIRA, L. C. O novo desenvolvimentismo e a ortodoxia convencional. São Paulo em Perspectiva, v. 20, n. 3, p. 5-24, jul./set. 2006b.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Estado e mercado en el nuevo desarrolismo. Revista Nueva Sociedad, n. 210, jul./ago. 2007a.

BRESSER-PEREIRA, L. C. National development strategy: the key economic growth institution. Escola de Economia de São Paulo, 2007b. (Textos para Discussão).

BRESSER-PEREIRA, L. C. Taxa de câmbio, doença holandesa, e industrialização. Cadernos FGV Projetos, v. 5, n. 14, p. 68‐73, 2010.

BRESSER-PEREIRA, L. C. O Brasil e o novo desenvolvimentismo. Interesse Nacional, 2011.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Macroéconomie développementiste. Palestra no Institut des Amériques, Paris, 2014a.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Reflecting on new developmentalism. São Paulo: EESP/FGV, 2014b.

BRESSER-PEREIRA, L. C; ARAÚJO, E.; GALA, P. An empirical study of the substitution of foreign for domestic savings in Brazil. Revista de Economia da Anpec, v. 15, p. 54-67, 2014. BRESSER-PEREIRA, L. C; GALA, P. Macroeconomia estruturalista do desenvolvimento. Revista de Economia Política. v. 30, n. 4 (120), p. 663-686, 2010.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; GALA, P. Por que a poupança externa não promove crescimento. Revista de Economia Política, v. 27, n. 1, p. 3-19, 2007.

BRESSER-PEREIRA, L.C.; THEUER, D. Um estado novo desenvolvimentista na América Latina? Revista Economia e Sociedade, v. 21, número especial, p. 811-829, 2012.

BRUNO, M. A. P. Crescimento econômico, mudanças estruturais e distribuição as transformações do regime de acumulação no Brasil: uma análise regulacionista. 2004. 711f. Tese (Doutorado em Economia)–Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

CANO, W. Desindustrialização no Brasil é real e estrutural. CEDE, 2015. Disponível em https://www3.eco.unicamp.br/cede/centro/146-destaque/508-desindustrializacao-no-brasil-ereal-e-estrutural. Acesso em: 1 dez. 2015.

CARNEIRO, R. Impasses do desenvolvimento brasileiro: a questão produtiva. Campinas: IE/UNICAMP, 2008. 56p. (Texto para Discussão, n. 153).

CEMAP. Centro de Estudos em Macroeconomia Aplicada. FGV, 2015.

CEPAL. Transformación productiva con equidad. Santiago: Cepal, 1990.

CONCEIÇÃO, O. A. C. Crise e regulação: a metamorfose restauradora da reprodução capitalista. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 155-l74, 1987.

CONCEIÇÃO, O. A. C. Instituições, crescimento e mudança na ótica institucionalista. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser (FEE), 2001.

CORIAT, B.; DOSI, G. The institutional embeddedness of economic change: an appraisal of the evolutionary and regulationist research programmes. 2007. Disponível em: http://esnie.org/pdf/textes_2007/Dosi-chap-12.pdf. Acesso em: 17 jul. 2013.

DOSI, G. Sources, procedures and microeconomic effects of innovation. Journal of Economic Literature, v. 26, n. 3, p. 1120-1171, Sept. 1988.

DOSI, G. Technological paradigms and technological trajectories: a suggested interpretation of the determinants and directions of technical change. Research Policy, v. 22, n. 2, p. 102103, Apr. 1993.

FONSECA, P. C. D.; CUNHA, A. M.; BICHARA, J. S. O Brasil na Era Lula: retorno ao desenvolvimentismo? Revista Nova Economia, v. 23, n. 2, p. 403-428, 2013.

FREEMAN, C. Inovação e ciclos longos de desenvolvimento econômico. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 5-20, 1984.

FREEMAN, C.; PEREZ, C. Structural crisis of adjustment: business cycles and investment behaviour. In: DOSI, G.; FREEMAN, C.; NELSON, R.; SILVERBERG, G.; SOETE, L. (Ed.). Technical change and economic theory. London: Pinter, 1988. p. 38-66.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A economia da inovação industrial. São Paulo: Editora Unicamp, 2008.

GENTIL, D. L.; ARAÚJO, V. L. Dívida pública e passivo externo. Onde está a ameaça? Rio de Janeiro: Ipea, 2012. (Texto para discussão, n. 1768).

GONÇALVES, R. Governo Lula e o nacional-desenvolvimentismo às avessas. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, n. 31, 2012.

HOLLARD, M. Forms of competition. In: BOYER, R.; SAILLARD, Y. Regulation theory: the state of the art. Paris: La Découverte & Syros, 2002.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Ipeadata, 2015.

KIM, L. Da imitação à inovação: a dinâmica do aprendizado tecnológico da Coreia. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2005.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

LEE, W. O papel da política cientifica e tecnológica no desenvolvimento industrial da Coreia do Sul. In: KIM, L. Tecnologia, aprendizado e inovação. Campinas: Editora Unicamp, 2005.

LOPES, H. C. O desenvolvimento econômico: uma proposta de abordagem teórica evolucionária e institucionalista. Revista Estudos Econômicos, v. 45, n. 2, abr./jun. 2015.

MANTEGA, Guido. Entrevista Roda Viva. 3 dez. 2007. Disponível em: http://www.rodaviva.fapesp.br/materia/451/entrevistados/guido_mantega_2007.htm. 2007.

MARKWALD, R. A. O impacto da abertura comercial sobre a indústria brasileira: balanço de uma década. Revista Brasileira de Comercio Exterior, Rio de Janeiro, n. 68, p. 1-28, 2001.

Disponível em: http://www.funcex.com.br/material/rbce/68-Integra%C3%A7ao-RM.pdf. Acesso em: 26 out. 2014.

MOLLO, M. L. R.; AMADO, A. M. O debate desenvolvimentista no Brasil: tomando partido. Economia e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 1, jan./apr. 2015.

MORAIS, L.; SAAD-FILHO, A. Da economia política à política econômica: o Novodesenvolvimentismo e o Governo Lula. Revista de Economia Política, v. 31, n. 4 (124), out. /dez. 2011.

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Infraestrutura no Brasil: projetos, financiamento e oportunidades. Brasília, 2013. Disponível em: http://www.fazenda.gov.br/centrais-deconteudos/publicacoes/publicacoes-descontinuadas/infraestrutura-nobrasil/road_show_infraestrutura_no_brasil_2013.pdf. Acesso em: 15 jul. 2015.

NASSIF, André. Há evidências de desindustrialização no Brasil? Revista de Economia Política, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 72-96, mar. 2008.

NELSON, R. R. Economic development from the perspective of evolutionary economic theory. Globelics, 2007. (Working Paper Series).

NELSON, R.; WINTER, S. G. In search of useful theory of innovation. Research Police, v. 6 (1), p. 36-76, jan. 1977.

NELSON, R.; WINTER, S. G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2005.

NOVY, A. O retorno do estado desenvolvimentista no Brasil. Indicadores Econômicos FEE, v. 36, n. 4, p. 121-128, 2009.

OREIRO, J. L. FEIJÓ, C. A. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2 (118), p. 219-232, abr./jun. 2010.

PAULANI, L. Brasil delivery: razões, contradições e limites da política econômica dos primeiros seis meses do governo Lula. IN: PAULA, J. A. de. A economia política da mudança. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PEREZ, C. Cambio tecnológico y oportunidades de desarrolho como Blanco móvil. Revista de la Cepal, Santiago de Chile, n. 75, p. 115-136, dic. 2001.

PEREZ, C. Revoluciones tecnológicas y capital financiero: la dinâmica de las grandes burbujas financieras y las épocas de bonanza. México: Siglo XXI, 2004.

PEREZ, C. Technological revolutions and techno-economic paradigms. Technology governance. Working Papers in Technology Governance and Economic Dynamics, n. 20, 2009.

PINTEC. Pesquisa Inovação Tecnológica. IBGE, 1998-2000; 2000-2002; 2003-2005; 20052008.

POSSAS, M. L. Economia evolucionária neo-schumpeteriana: elementos para uma integração micro-macrodinâmica. Estudos avançadosav. [online]. v. 22, n. 63, p. 281-305, 2008.

PROTEC. Pró-inovação tecnológica. Monitor do Déficit Tecnológico, 2011. Disponível em http://protec.org.br/uploads/paginas/file/publicacoes/Monitor%20do%20d%C3%A9ficit%20t ecnol%C3%B3gico%2010%20-%20Resumo%20de%202013.pdf. Acesso em: 1 dez. 2015.

RODRIGUEZ, O. Teoria do subdesenvolvimento da Cepal. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

RODRÍGUEZ, O. La agenda del desarrollo (elementos para su discusión). Economia Ensaios, Uberlândia, v. 17, n. 1, p. 7-55, jul./dez. 2002.

ROWTHORN, R.; RAMASWANY, R. Growth, trade and deindustrialization. IMF Staff Papers, v. 46, n. 1, 1999.

SAYAD, J. Pé ante pé: o preço da salada e outros mitos da moeda. Folha de São Paulo, 31 ago. 2014.

SAYAD, J Entrevista para Folha de São Paulo. In. LUCENA, E. Para Sayad, crescimento será lento e arrocho não é saída para governo. Folha de São Paulo, 10 jul. 2014.

SCHUMPETER, J. A. Business cycles. New York: McGraw-Hill Book Company, 1939. 461p.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo socialismo e democracia. Rio de janeiro: Fundo de Cultura, 1984.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

SISCU, J.; PAULA, L. F.; MICHEL, R. Por que novo-desenvolvimentismo? Revista de Economia Política, v. 27, n. 4, p. 507-524, 2007.

YANO, N. M.; MONTEIRO, S. M. M. Mudanças institucionais na década de 1990 e seus efeitos sobre a produtividade total de fatores. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 36., 2008, Salvador. Anais... Disponível em: http://www.anpec.org.br/encontro2008/artigos/200807211610100-.pdf. Acesso em: 10 jan. 2010.

ZAWISLAK, P. A. Uma abordagem evolucionária para casos de atividade de inovação no Brasil. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 323-353, 1996.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.