Indústrias criativas no Brasil

mapeamento de aglomerações produtivas potenciais e sua contribuição para o desenvolvimento local

Autores

Palavras-chave:

Indústrias criativas, Aglomeração, Desenvolvimento regional

Resumo

Partindo-se do pressuposto de que a criatividade é um recurso chave em uma economia baseada no conhecimento, o presente trabalho visa a identificação de áreas com sinais potenciais de aglomerações produtivas relacionadas ao setor criativo no Brasil e sua provável contribuição para o desenvolvimento local. Utilizou-se o método de análise multivariada de agrupamentos para a estimação de grupos de municípios aproximadamente homogêneos em termos de dinamismo e criatividade, empregando-se os microdados dos Censos de 2000 e 2010, do IBGE. Foram encontrados três grupamentos principais classificados, respectivamente, como grande polo criativo nacionalpolo criativo nacional e polo criativo regional, demonstrando um potencial para formação de aglomerados produtivos do setor. As cidades que formaram tais grupamentos se destacam devido à sua infraestrutura urbana, robustez institucional, governança, presença de mão de obra especializada, posição na hierarquia urbana e proximidade ao eixo mais dinâmico do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Maria Novaes Dias, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG-Cedeplar).

Ana Carolina da Cruz Lima, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorado em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora adjunta do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IE-UFRJ).

Referências

BARROS, Ricardo Paes de. A efetividade do salário mínimo em comparação à do Programa Bolsa Família como instrumento de redução da pobreza e da desigualdade. In: IPEA. Desigualdade de Renda no Brasil: uma análise da queda recente. 2. ed. Brasília: Ipea, 2007. cap. 34. p. 507-549.

CEGOV. UFRGS. Atlas Econômico da Cultura Brasileira: metodologia I. Porto Alegre: UFRGS/CEGOV, 2017. 25p.

CEGOV. UFRGS. Produto 1: Revisão de modelos existentes e contribuições teóricas para a conta satélite de cultura, fundamentando opções metodológicas. Porto Alegre: UFRGS/CEGOV , 2016.

CORAZZA, Rosana Icassatti. Criatividade, inovação e economia da cultura: abordagens multidisciplinares e ferramentas analíticas. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 12, n. 1, p. 207-231, jun. 2013.

FIRJAN. Mapeamento da indústria criativa no Brasil: ambiente socioeconômico. Rio de Janeiro: FIRJAN, 2019. 24p.

FLORIDA, Richard. Cities and the creative class. New York: Routledge, 2005. 198p.

FLORIDA, Richard; ADLER, Patrick; MELLANDER, Charlotta. The city as innovation machine. Regional Studies, [s.l.], v. 51, n. 1, p.86-96, 15 dez. 2016. Informa UK Limited.

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DA PARAÍBA (PaqTcPB). Homepage PaqTcPB. 2018. Disponível em: Disponível em: http://www.paqtc.org.br/ Acesso em: 1 fev. 2018.

GOLGHER, André Braz. As cidades e a classe criativa no Brasil: diferenças espaciais na distribuição de indivíduos qualificados nos municípios brasileiros. Rev. Bras. Estud. Popul., São Paulo, v. 25, n. 1, p.109-129, 2008.

GOLGHER, André Braz. A distribuição de indivíduos qualificados nas regiões metropolitanas brasileiras: a influência do entretenimento e da diversidade populacional. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p.109-134, jan. 2011.

HOWKINS, John. Creative economy: how people make money from ideas. Penguin Global, 2002 [2001].

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Comissão Nacional de Atividades Econômicas. 2017. Disponível em: Disponível em: http://cnae.ibge.gov.br/classificacoes/por-tema/atividades-economicas/ classificacao-nacional-de-atividades-economicas Acesso em: 30 mar. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Microdados do Censo 2000. 2001. Disponível em: Disponível em: http://downloads.ibge.gov.br/downloads_estatisticas.htm# Acesso em: 3 maio 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Microdados do Censo 2010. 2011. Disponível em: Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/resultados_gerais_amostra/resultados_gerais_amostra_tab_uf_microdados.shtm Acesso em: 3 maio 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Regiões de Influência das Cidades: 2007. Rio de Janeiro: Ibge, 2008. 201p.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Desafios do Desenvolvimento: o que é? Índice de Gini. 2004. Disponível em: Disponível em: http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option= com_content&id=2048:catid=28&Itemid=23 Acesso em: 21 jun. 2017.

MACHADO, Ana Flávia; SIMÕES, Rodrigo Ferreira; DINIZ, Sibelle Cornélio. Urban amenities and the development of creative clusters: the case of Brazil. Current Urban Studies, [s.l.], v. 1, n. 4, p. 92-101, 2013. Scientific Research Publishing, Inc.

MINGOTI, Sueli Aparecida. Análise de agrupamentos (cluster). In: MINGOTI, Sueli Aparecida. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: Editora Ufmg, 2007. cap. 6. p. 155-211.

NOVA SCOTIA. The Creative Nova Scotia Leadership Council. Creative Economy Literature Review. Nova Scotia: The Creative Nova Scotia Leadership Council, 2012. 58p.

OLIVEIRA, João Maria de; ARAUJO, Bruno Cesar de; SILVA, Leandro Valério. Panorama da economia criativa no Brasil. Brasília: Ipea , 2013. 54p. (Texto para Discussão, n. 1880).

REIS, Ana Carla Fonseca. Cidades criativas: da teoria à prática. São Paulo: Sesi-SP, 2012. 236p.

RESTREPO, Felipe Buitrago; MÁRQUEZ, Iván Duque. La economía naranja: una oportunidad infinita. New York: Banco Interamericano de Desarrollo, 2013. 244p.

ROCHA, Sonia. O Programa Bolsa Família: evolução e efeitos sobre a pobreza. Economia e Sociedade, Campinas, v. 20, n. 1 (41), p. 113-139, abr. 2011.

RUEDIGER, Marco Aurélio et al. A economia criativa e de alta tecnologia do Brasil: sumário executivo. Rio de Janeiro: FGV, 2015. 30p.

SILVA, Diana Lúcia Gonzaga da; SANTOS, Gervásio Ferreira dos; FREGUGLIA, Ricardo da Silva. Distribuição espacial dos efeitos de aglomeração sobre os retornos à educação no Brasil entre 1995 e 2008. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 46, n. 2, p.7-46, ago. 2016.

STORPER, Michael; VENABLES, Anthony J. Buzz: face-to-face contact and the urban economy. Journal of Economic Geography, [s.l.], v. 4, n. 4, p.351-370, Aug. 1, 2004. Oxford University Press (OUP).

TAYLOR, Calvin. Between culture, policy and industry: modalities of intermediation in the creative economy. Regional Studies, [s.l.], v. 49, n. 3, p.362-373, Jan. 8, 2013. Informa UK Limited.

UNCTAD. Creative Economy Report 2010. Usa: United Nations Development Programme (UNDP), 2010. 423p.

Downloads

Publicado

2022-03-31

Como Citar

DIAS, J. M. N.; LIMA, A. C. da C. Indústrias criativas no Brasil: mapeamento de aglomerações produtivas potenciais e sua contribuição para o desenvolvimento local. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. 3, p. 1069–1093, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8668848. Acesso em: 30 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos