Elipse e reiteração em textos Ikpeng (Karíb)

Autores

  • Frantomé Pacheco Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v3i1.1413

Palavras-chave:

Família karib. Língua ikpeng. Elipse. Reiteração. Hiarraquia de acessibilidade.

Resumo

Este artigo pretende oferecer uma análise para o processo de referenciação em narrativas da língua Ikpeng, contrastando o emprego da elipse (Ø), do pronome e da reiteração do SN no acesso ao SN antecedente. A análise é realizada tomando como base a hierarquia de acessibilidade, conforme proposta por Ariel (1990, 1994 e 1996) e Givón (1983 e 1995), defendendo-se a idéia de que a elipse e a reiteração são os pólos de uma escala que apresenta, intermediariamente, o pronome. Será  emonstrado que a elipse é a estratégia preferida nos processos de retomada do SN e que a reiteração, menos usual, é  empregada não apenas para acessar o antecedente, mas para marcá-lo estilisticamente, mantendo sobre ele o foco da narrativa. Do ponto de vista sintático-estrutural, o SN reiterado apresenta como traço a sua realização na posição não-marcada, funcionando, discursivamente, como tópico não-marcado. Já o uso de pronomes, em particular os demonstrativos, dá-se em contextos muito específicos, como as construções em que o elemento verbal ou auxiliar não é o núcleo predicativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Frantomé Pacheco, Universidade de São Paulo

Departamento de Linguística.

Referências

ARIEL, M. (1990). Accessing noun-phrase antecedents. London: Routledge.

ARIEL, M. (1994). Interpreting anaphoric expressions: a cognitive versus a pragmatic approach. Journal of Linguistics 30: 3-42.

ARIEL, M. (1996). Referring expressions and the +/- coreference distinction. In: T. Fretheim & J. K.Gundel (ed.). Reference and referent accessibility, p. 13-35. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins.

BROWN, G. & G. Yule. (1983). Discourse analysis. Cambridge: Cambridge University Press.

CAMPETELA, C. (1997). Análise do sistema de marcação de caso nas orações independentes da língua Ikpeng. Dissertação de Mestrado em Lingüística. Campinas: UNICAMP.

CAMPETELA, C. (2002). Aspectos prosódicos da língua Ikpeng. Tese de Doutorado. Campinas: UNICAMP.

CROFT, W. (1990). Typology and universals. Cambridge: Cambridge University Press.

DERBYSHIRE, D. (1985). Hixkaryana and Linguistic Typology. Dallas: SIL/The University of Texas at Arlington.

DERBYSHIRE, D. (1999). Carib. In: R. M. W. Dixon & A. Y. Aikhenvald (eds.). The Amazonian languages, p. 23-64. Cambridge: Cambridge University Press.

EMMERICH, C. (1980). Fonologia segmental da língua Txikão: um exercício de análise. Lingüística X. Rio de Janeiro: Museu Nacional/UFRJ.

EMMERICH, C. (1994). The Txikão language: Fricatives or no fricatives? Revista Latinoamericana de Estudios Etnolingüísticos 8: 65-72. Lingüística Tupi-Guarani/Carib.

GILDEA, S. (1998). On reconstructing grammar: comparative Cariban morphosyntax. Oxford: Oxford University Press.

GIVÓN, T. (1983a). Introduction. In: T. Givón (ed.) Topic continuity in discourse: a quantitative cross-language study. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins.

GIVÓN, T. (1983b). Topic continuity in discourse: the functional domain of switch-reference. In J. Haiman & P. Munro (eds.). Switch reference and Universal Grammar, p. 51-82 .Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins.

GIVÓN, T. (1984). Syntax: a functional-typological introduction, Vol. I. Amsterdam /Philadelphia: John Benjamins.

GIVÓN, T. (1990). Syntax: a functional-typological introduction, Vol. II. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins.

GIVÓN, T. (1995). Functionalism and grammar. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins.

HALLIDAY, M. A. K. & R. Hasan. (1976). Cohesion in English. Londres: Longman.

HUANG, C. - T. J. (1984). On the distribution and reference of empty pronouns. Linguistic Inquiry 15: 531-574.

HUANG, Y. (1995). On null subjects and null objects in Generative Grammar. Linguistics, 33:1081-1123.

HUANG, Y. (2000). Discourse anaphora: four theoretical models. Journal of Pragmatics 32: 151-176.

IKPENG, Professores (2001). Ikpeng orempanpot. São Paulo: ISA/FUNAI.

KOCH, I.V. (1992). A coesão textual. 5. ed. São Paulo: Contexto.

KOCH, I.V. (2002). Desvendando os mistérios do texto. São Paulo: Cortez.

LEVINSON, S.C. (1991). Pragmatic reduction of the binding conditions revisited. Journal of Linguistics 27:107-161.

MARCUSCHI, L.A. (1983). Lingüística de texto: o que é e como se faz. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

MENGET, P. (2001). Em nome dos outros: classificação das relações sociais entre os Txikão do Alto Xingu (Trad. de Gonçalo Praça). Lisboa: Assírio & Alvim/Museu Nacional de Etnologia.

PACHECO, F.B. (1997). Aspectos da gramática Ikpeng (Karíb). Dissertação de Mestrado em Lingüística. Campinas: UNICAMP.

PACHECO, F.B. (2000). Elipse em textos Ikpeng. Texto apresentado para qualificação na área de Lingüística Textual. Campinas: IEL/UNICAMP. mimeo.

PACHECO, F.B. (2001). Morfossintaxe do verbo Ikpeng (Karíb). Tese de Doutorado em Lingüística. Campinas: UNICAMP.

RAPOSO, E. (1998). Teoria da gramática: a faculdade da linguagem, 2. ed. Lisboa: Caminho.

TANNEN, D. (1987). Repetition in conversation: toward a poetics of talk. Language 63: 574-605.

Downloads

Publicado

2012-03-15

Como Citar

PACHECO, F. Elipse e reiteração em textos Ikpeng (Karíb). LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 53–74, 2012. DOI: 10.20396/liames.v3i1.1413. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/1413. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos