Codificação de argumentos e ergatividade (cindida) em Tenetehára

Autores

  • Fábio Bonfim Duarte Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v5i1.1441

Palavras-chave:

Línguas tupi-guarani. Lingua tenetehára. Caso absolutivo. Focalização. Indicativo II. Codificação de argumentos. Ergatividade.

Resumo

Este texto examina as propriedades morfossintáticas dos prefixos {Ø- ~ r-} e {i- ~h-} no mecanismo de codificação dos argumentos. Nossa hipótese é que esses afixos apontam para a relação gramatical de adjacência e não-adjacência entre complementos e núcleos nos sintagmas genitivos, nos sintagmas posposicionais e nas orações independentes e dependentes. Em construções de foco de objeto (CFO), o prefixo {i- ~ h} pode marcar o movimento do objeto ou do sujeito para a posição de Spec-FocP. Além disso, o sufixo {-n ~ -Ø} que co-ocorre com o prefixo {i- ~ h-} no Indicativo II e nas CFOs sinaliza o deslocamento de sintagmas XPs para posições A-barra, no domínio do CP.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Bonfim Duarte, Universidade Federal de Minas Gerais

Faculdade de Letras, Departamento de Linguística.

Referências

BENDOR-SAMUEL, D. (1972). Hierarchical structures in Guajajara. Norman: Summer Institute of Linguistics, University of Oklahoma.

BOUDIN, M.H. (1966). Dicionário de Tupi moderno. São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Presidente Prudente.

BOUDIN, M.H. (1978). Dicionário de Tupi moderno. São Paulo, Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas, 2 v.

CABRAL, A.S.A. da C. (2000). Flexão relacional na família Tupi-Guaraní. Belém: UFPA. Ms.

CHOMSKY, N. (1995). The minimalist program. Cambridge, Mass.: MIT Press.

COELHO, E.M.B. (1987). Levantamento da situação das áreas indígenas no Maranhão: relatório de pesquisa. São Luís: Editora da Universidade Federal do Maranhão.

DINIZ, E.S. (1994). Os Tenetehára-Guajajara e a sociedade nacional: flexibilidade cultural e persistência étnica. Belém: Editora Universitária, Universidade Federal do Pará/CNPq.

DIXON, R.M.W. (1979). Ergativity. Language, 55: pp.59-138.

DUARTE, F.B. (1997). Análise gramatical das orações da língua Tembé. Dissertação de Mestrado. Brasília: Instituto de Letras/LIV, UnB.

DUARTE, F.B.(1998). Ordem dos Constituintes na Língua Tembé. Revista da Universidade Católica de Brasília 6(1): pp. 71-80.

DUARTE, F.B.(2002a). Construções de gerúndio na língua Tembé. Revista LIAMES 1: pp.77-90. Campinas:UNICAMP.

DUARTE, F.B .(2002b). Negação e movimento do verbo na língua Tembé. Atas do I Encontro Internacional do Grupo de Trabalho sobre Línguas Indígenas da ANPOLL, t. 1: pp.374-384. Belém: UFPA.

DUARTE, F.B. (2003). Ordem de constituintes e movimento em Tembé: minimalismo e anti-simetria. Tese de Doutorado em Lingüística. Belo Horizonte: UFMG.

DUARTE, F.B. (2004a). Propriedades denotacionais dos prefixos {i-} e {h-} em Tenetehára. Campinas: UNICAMP. Comunicação apresentada no 52o Seminário do GEL. Ms.

DUARTE, F.B.(2004b). Verbos auxiliares, extraposição de projeções máximas e scrambling na ordem básica dos constituintes na Língua Tembé. Juiz de Fora:UFJF. Ms.

DUARTE, F.B.(2004c). On the scope of verb movement in the Tenetehara Language. Comunicação proferida durante o I EVELIN, Campinas: UNICAMP, janeiro 2004. Ms.

DUARTE, F.B.(2004d). Expressão da quantificação em Tenetehara. Brasília: UnB. Comunicação apresentada durante o I Encontro de Línguas e Culturas Tupi. Ms.

DUARTE, F.B.(2005a). Control constructions in Tenetehara. Campinas: UNICAMP, Comunicação apresentada durante o II EVELIN, janeiro 2005. Ms.

DUARTE, F.B.(2005b) Propriedades denotacionais dos prefixos {i- ~ h-} em Tenetehára. Revista de

Estudos Lingüísticos/GEL XXXIV: pp. 1194-1199.Campinas: Unicamp.[http://www.gel.org.br/4publica-estudos-2005].

GALÚCIO, A.V. (2002). O prefixo i- em Tupi: morfema antipassivo vs marcador pronominal incorporado. Atas do I Encontro Internacional do Grupo de Trabalho sobre Línguas Indígenas da ANPOLL t. I: pp. 274-287. Belém: UFPA.

GRANNIER, Daniele Marcelle. (2005). A natureza dos prefixos relacionais em Guarani Antigo. In Aryon Rodrigues & Ana Suelly Cabral (Orgs.). Novos Estudos sobre Línguas Indígenas, pp. 129-140. Brasília: Editora UnB.

HARRISON, C. (1986). Verb prominence, verb initialness, ergativity and typological disharmony in Guajajara. In D. C. Derbyshire & G. K Pullum (Eds.). Handbook of Amazonian Languages, v. 1: 407-439. Berlin: Mouton de Gruyter.

JENSEN, C. (1990). Cross-referencing changes in some Tupi-Guarani languages. In Doris L. Payne (Ed.). Amazonian Linguistics: Studies in Lowland South American Languages, pp. 117-158. Austin: University of Texas Press.

KAYNE, R.S. (1994). The antisymmetry of syntax. Cambridge, Mass.: MIT Press.

LEVIN, B. & HOVAV, M. Rappaport. (1995). Unaccusativity: At the Syntax-Lexical Semantics Interface. Cambridge, Mass.: MIT Press.

MIOTO, C. (2001). Sobre o sistema CP no português brasileiro. Revista Letras 56: pp.97-140. Curitiba: UFPR.

PUSKAS, G. (1997). Focus and the CP domain. In L. Haegeman (Ed.). The New Comparative Syntax, pp.145-164. London: Longman.

RAPOSO, E.P. (1999). O Programa minimalista – Noam Chomsky. Portugal, Lisboa: Editorial Caminho.

RICARDO, C.A. (1985). Povos indígenas no Brasil. São Paulo: CEDI (Centro Ecumênico de Documentação e Informação).

RICE, F.J.D. (1934). O idioma Tembé (Tupi-Guarany). Journal de la Société des Américanistes 26: 109-180. Paris.

RIZZI, L. (1990). Relativized minimality. Cambridge. Mass.: MIT Press.

RIZZI, L.(1997). The Fine Structure of the Left Periphery. In L. Haegeman (Ed.). Elements of

Grammar:Handbook of Generative Syntax, pp. 281-337. Kluwer: Dordrecht.

RODRIGUES, A.D. (1953). Morfologia do Verbo Tupi. Letras 1: pp.121-152. Curitiba.

RODRIGUES, A.D. (1986). Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. Rio de Janeiro: Loyola.

RODRIGUES, A.D.(2000). Sobre a natureza do caso argumentativo. In F. Queixalós (Ed.). Des noms et des verbs em Tupi-Guarani, état de la question, pp. 63-74. Caiena: IRD e CNRS.

RODRIGUES, A.D.(2001). Alguns problemas em torno da categoria lexical verbo em Línguas Tupi-Guarani. In Ana S. Cabral & Aryon Rodrigues (Orgs.). Estudos sobre Línguas Indígenas 1: pp.87-100. Belém: UFPA/GTLI.

SEKI, L. (1990). Kamaiurá (Tupí-Guaraní) as an Active-Stative Language. In Doris Payne (Ed.) Amazonian Linguistics: Studies in Lowland South American Languages, pp. 367-390. Austin: University of Texas Press.

SEKI, L.(2000). Gramática do Kamaiurá: língua Tupi-Guarani do Alto Xingu. Campinas: Editora da UNICAMP e Imprensa Oficial de São Paulo.

SHOPEN, T. (1986). Language Typology and Syntatic Description. Cambridge: Cambridge University Press, 3 v.

WAGLEY, C. E GALVÃO, E. (1955). Os Índios Tenetehára: uma cultura em transição. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura.

Downloads

Publicado

2012-03-13

Como Citar

DUARTE, F. B. Codificação de argumentos e ergatividade (cindida) em Tenetehára. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 113–145, 2012. DOI: 10.20396/liames.v5i1.1441. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/1441. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos