Estrutura argumental dos verbos descritivos Apurinã

Autores

  • Angela Chagas Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v0i12.1485

Palavras-chave:

Família arawak. Língua apurinã. Verbos descritivos. Estrutura argumental.

Resumo

Neste trabalho, apresentamos as principais características dos verbos descritivos em Apurinã: sua morfologia derivacional; seu comportamento morfossintático (diferentes tipos de agrupamento pronominal e S-Cindido e S-Fluido); e seu comportamento semântico (oposição entre stage/individual-level predicates e distinção entre tipos de aktionsart.). A partir disso, investigamos a estrutura argumental dos mesmos, com base na teoria de Hale e Keyser (2002), a fim de observar até que ponto os processos morfológicos contribuem para o entendimento da semântica e estrutura de tais verbos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Chagas, Universidade Estadual de Campinas

Professora Adjunto II da Faculdade de Letras/Instituto de Letras e Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Letras (Área de Concentração: Linguística - Linha de Pesquisa: Análise, Descrição e Documentação das Línguas Naturais) da Universidade Federal do Pará. Possui doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), mestrado em Letras (Linguística) pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e graduação em Letras (Português/Inglês) pela mesma instituição.

Referências

BYBEE, Joan (1985) Morphology. Amsterdam and Philadelphia: John Benjamins.

CARLSON, Gregory (1977) References to kinds in English. Tese de Doutorado. University of Massachusetts at Amherst.

CHAGAS, Angela (2007) Aspectos Semânticos e Morfossintáticos das Palavras Descritivas Apurinã. Dissertação de Mestrado em Letras. Belém, PA. Centro de Letras e Artes: Universidade Federal do Pará (UFPA).

CHIERCHIA, Genaro (1995) Individual-level predicates as inherent generics. In Gregory N. Carlson; Francis Jeffry Pelletier (eds.) The Generic Book, pp. 176-223. Chicago/London: The University of Chicago Press.

COMRIE. Bernard (1976) Aspect: an introduction to the study of verbal aspect and related problems. Cambridge: Cambridge University Press.

DIXON, R. M. W. (1994) Ergativity. Cambridge: Cambridge University Press.

DIXON, R. M. W. (1981) Where have all the adjectives gone? – and other essays in semantics and syntax. Berlin, New York, Amsterdam: Mouton Publishers.

FACUNDES, Sidney (2000) The language of the Apurinã people of Brazil (Maipure/Arawak). Tese de Doutorado. Buffalo: University of New York.

FRAWLEY. William (1992) Linguistic Semantics. New Jersey: LEA.

HALE, Ken; KEYSER, Samuel Jay (2002) Prolegomenon to a Theory of Argument Structure. Massachusetts: MIT.

KRATZER, Angelika (1995) Stage-level and individual-level predicates. In Gregory N. Carlson; Francis Jeffry Pelletier (eds.) The Generic Book, pp. 125-175. Chicago/London: The University of Chicago Press.

PAYNE, Thomas (1997) Describing Morphosyntax: A guide for field linguistics. Cambridge: Cambridge University Press.

SCHIEL, Juliana (2004) Tronco Velho: histórias Apurinã. Tese de Doutorado em Ciências Sociais. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas.

VAN VALIN, Robert D.; LaPOLLA, Randy. (1997) Syntax: structure, meaning and function. Cambridge: Cambridge University Press.

VENDLER, Zeno (1957) Linguistic in philosophy. Ithaca: Cornell Univeristy Press.

Downloads

Publicado

2012-03-11

Como Citar

Chagas, A. (2012). Estrutura argumental dos verbos descritivos Apurinã. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, 12(1), 103–122. https://doi.org/10.20396/liames.v0i12.1485

Edição

Seção

Artigos