Numerals in Juruna

Autores

  • Cristina Martins Fargetti Universidade Estadual de São Paulo
  • Priscilla Alyne Sumaio Universidade Estadual de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v15i2.8642307

Palavras-chave:

Sistemas numéricos. Juruna. Línguas indígenas brasileiras.

Resumo

Apresentamos uma reanálise dos numerais da língua juruna, trazendo dados novos em relação ao trabalho anterior (Fargetti 2007), também comparados a dados de registros escritos anteriores da língua. Discutimos brevemente o conhecimento atual sobre sistemas numéricos de línguas indígenas brasileiras, os fatores que levariam a sua grande diferenciação, e as possibilidades conhecidas de expansões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Martins Fargetti, Universidade Estadual de São Paulo

Colaboradora do Departamento de Linguística. Pesquisadora da língua Juruna, Tronco Tupí.

Priscilla Alyne Sumaio, Universidade Estadual de São Paulo

P.G. Faculdade de Ciências e Letras, UNESP

Referências

Collins, I. Vaughn (1962). Formulário dos vocabulários padrões para estudos comparativos preliminares nas línguas indígenas brasileiras – Juruna. Rio de Janeiro: Museu Nacional do Rio de Janeiro.

Comrie, Bernard (2013). Numeral bases. In Matthew Dryer S.; Martin Haspelmath (eds.). The world atlas of language structures online. Leipzig: Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology (Available online at http://wals.info/chapter/131. Accessed on 10/6/2014).

Coudreau, Henri (1977 [1896]). Viagem ao Xingu. Belo Horizonte: Editora Itatiaia.

D’ambrosio, Ubiratan (2010). Volta ao mundo em 80 matemáticas. Scientific American Brasil, Edição Especial Etnomatemática 35: 6-9. 2ª edição.

Everett, Daniel L. (2005). Cultural constraints on grammar and cognition in Pirahã: another look at the design features of human language. Current Anthropology 46(4): 621-646.

Fargetti, Cristina Martins (1992). Análise fonológica da língua jurúna. Campinas: IEL-UNICAMP (Dissertação de mestrado).

Fargetti, Cristina Martins (2007). Estudo fonológico e morfossintático da língua juruna. Muenchen: LINCOMEUROPA.

Fargetti, Cristina Martins (2010). Para um inventário da língua juruna – Relatório Final. Araraquara: UNESP; Brasília: IPHAN.

Fargetti, Cristina Martins (2011). Política linguística entre os juruna. In Ana María Cestero Mancera; Isabel Molina Martos; Florentino Paredes García (eds.). Actas del XVI Congreso Internacional de la ALFAL, pp. 3265-3272. (Alcalá de Henares 6-9 de junio de 2011).

Ferreira, Mariana Kawal Leal (org.) (2002). Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos. São Paulo: Editora Global.

Frank, Michael C.; Everett, Daniel; Fedorenko, Evelina; Gibson, Edward (2008). Number as a cognitive technology: Evidence from Pirahã language and cognition. Cognition 108: 819-824. doi:10.1016/j.cognition.2008.04.007.http://lchc.ucsd.edu/mca/Mail/xmcmail.2014-12.dir/pdf2Yb7JAO0ZG.pdf. Accessed on 15/7/2014.

Green, Diane (1997). Diferenças entre termos numéricos em algumas línguas indígenas do Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi-CNPq. Série Antropologia 13(2): 179-207. Available at: http://www.sil.org/americas/brasil/publcns/ling/NumBrasi.pdf. Accessed on 15/7/2014.

Huford, James (2010 [1975]). The linguistic theory of numerals. Nova York: Cambridge University Press.

ISA (2008). Projeto político pedagógico da escola estadual indígena de educação básica central Kamadu Povo Yudja. Aldeia Tuba tuba/Parque Indígena do Xingu.

Lima, Suzi de Oliveira (2014). The grammar of individuation in counting. Amherst: University of Massachusets. (Ph.D. dissertation).

Lima, Tania Stolze (1996). O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cosmologia Tupi. Mana 2(2): 21-47. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93131996000200002

Lima, Tania Stolze (1995). A parte do Cauim – etnografia juruna. Rio de Janeiro: UFRJ. (Tese de doutorado).

Louro, Ronaldo Leme (1979). Formulário dos vocabulários padrões para estudos comparativos preliminares nas línguas indígenas brasileiras – Juruna. Rio de Janeiro: Museu Nacional do Rio de Janeiro.

Medeiros, Nádia Maria Jorge; Miranda, Maxwell Gomes (2009). Análise preliminar dos quantificadores numéricos e não-numéricos em Krenak (Família Botocudo) In Dermeval da Hora (org.). Anais do VI Congresso Internacional da ABRALIN, pp. 3944-3949. João Pessoa: Idea Editora. Available at: http://etnolinguistica.wdfiles.com/localfiles/site:abralin2009/medeiros.pdf Accessed on 5/11/2011.

Nimuendaju, Curt (1932). Idiomas indígenas del Brasil. Revista del Instituto de Etnología de la Universidad Nacional de Tucumán, tomo II: 543-618. Tucumán.

Nimuendaju, Curt (1928). Wortliste der Šipáia-Sprache. Anthropos 23: 821-850.

Nimuendaju, Curt (1929). Wortliste der Šipáia-Sprache. Anthropos 24: 863-896.

Owens, Kay (2001). The work of Glendon Lean on the counting systems of Papua New Guinea and Oceania. Mathematics Education Research Journal 13: 47-71.

Passes, Alan (2006). Do um à metáfora. Para um entendimento da matemática pa’ikwené (palikur). Revista de Antropologia 49(1): 245-281. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.phppid=S003477012006000100008&script=sci_arttext Accessed on 5/11/2011.

Rodrigues, Aryon Dall’Igna (1986). Línguas Brasileiras. Para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola.

Scandiuzzi, Pedro Paulo (2009). Educação indígena x educação escolar indígena: Uma relação etnocida em uma pesquisa etnomatemática. São Paulo: Editora UNESP.

Steinen, Karl von den (1942) O Brasil Central – expedição em 1884 para a exploração do Rio Xingu. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Villas Boas, Cláudio; Villas Boas, Orlando (1989). Xingu – o velho Káia (conta a história do seu povo). Porto Alegre: Kuarup.

Winter, Werner (1999). When numeral systems are expanded. In Jadranka Gvozdanović (ed.). Numeral types and changes worldwide (Trends in Linguistics: Studies and monographs), pp. 43-53. Berlin; New York: Mouton de Gruyter.

Downloads

Publicado

2015-09-07

Como Citar

FARGETTI, C. M.; SUMAIO, P. A. Numerals in Juruna. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p. 375–392, 2015. DOI: 10.20396/liames.v15i2.8642307. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/8642307. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos