Mapeamento de sinais do contexto escolar da comunidade surda indígena Paiter Suruí

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v22i00.8667561

Palavras-chave:

Indígenas surdos, Registro de sinais indígenas, Mapeamento de sinais, Paiter Suruí

Resumo

A presente pesquisa foi realizada na comunidade indígena da aldeia Gapgir que está localizada no município de Cacoal, estado de Rondônia. Teve como objetivo mapear os sinais utilizados por um grupo de alunos indígenas surdos do Povo Paiter Suruí, que se comunicam e se expressam por meio de sinais próprios criados na necessidade de comunicação. O suporte metodológico foi orientado pela metodologia de pesquisas pós-críticas em educação que acreditam ser possível pesquisar sem um método previamente definido (Paraíso 2012). A pesquisa fundamentou-se nos Estudos Culturais e nos Estudos Surdos. Os pressupostos teóricos tiveram como referência nos trabalhos das pesquisadoras surdas Perlin (2010), da língua de sinais indígena Vilhalva (2012), e dos estudos culturais Hall (2006) que podem fundamentar as pesquisas de registro da língua de sinais indígenas na perspectiva da valorização da cultura e identidade. Os trabalhos de Leite e Quadros (2014) contribuíram para mostrar a importância do registro das variedades de línguas de sinais do Brasil e que todas essas pesquisas na área de língua de sinais de grupos distantes dos grandes centros urbanos, particularmente os indígenas, contribuem para que essas línguas não desapareçam. Como resultado, registrou-se sinais próprios desses indígenas que surgiram para suprir a necessidade de comunicação entre seus pares na escola com influência da visualidade, que é uma marca importante na cultura surda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosiane Ribas de Souza Eler, Universidade Federal de Rondônia

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação de Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Professora da Universidade Federal Rondônia- Campus de Ji-Paraná- RO. Pesquisadora nas áreas de Descrição e documentação de Línguas de Sinais e Indígenas e de Inclusão de alunos surdos da Unir- Campus de Ji-Paraná- RO. 

Juliana Isabel Ribas Fagundes de Carvalho, Universidade Estadual de Mato Grosso

Mestranda em Linguistica pelo Programa de Pós Graduação da Universidade Estadual do Mato Grosso.

Referências

Biembengut, Maria Salett (2008). Mapeamento na pesquisa educacional. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda.

Costa, Victor H. S. da (2014). Gestualidade e iconicidade nas línguas naturais: a configuração de mão da Língua Brasileira de sinais. In Marianne Rossi Stumpf; Ronice Müller Quadros; Tarcísio de Arantes Leite (Orgs.), Série Estudos de Língua de Sinais, vol. II, pp. 79-102. Florianópolis: Insular.

Eler, R. Ribas de Souza (2017). Mapeamento de sinais da educação escolar indígena dos surdos Paiter Suruí (Dissertação de mestrado em letras). Porto Velho, Rondônia: Universidade Federal de Rondônia. Disponível em: https://ri.unir.br/jspui/handle/123456789/3286

Felipe, Tanya A.; Monteiro, Myrna Sarleno (2007). Libras em contexto (6ª ed.). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Livro do Professor. Disponível em: http://LIBRASemcontexto.org/Livro_Professor/Professor_MEC2007.pdf

Hall, Stuart (2003). Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Organização Liv Sovik; Tradução Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: Editora UFMG/Brasília: Representação da UNESCO no Brasil.

Hall, Stuart (2006). A identidade cultural na pós-modernidade (11ª ed.). Rio de Janeiro: DP & A Editora.

Leite, Tarcísio de Arantes; Quadros, Ronice Müller (2014). Língua de sinais do Brasil: Reflexões sobre o seu estatuto de risco e a importância da documentação. In Marianne Rossi Stumpf; Ronice Müller de Quadros; Tarcísio de Arantes Leite (Orgs.), Estudos da língua brasileria de sinais do Brasil, vol II, pp. 15-27.Florianópolis: Insular.

Meyer, Dagmar Estermann; Paraíso, Marluce Alves (Orgs.) (2012). Metodologias de pesquisa pós-crítica em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições.

Paraíso, Marlucy Alves (2012). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. In Dagmar Estermann Meyer e Marlucy Paraíso (Orgs.), Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: Trajetórias, pressupostos, procedimentos e

estratégias analíticas, pp. 23-45. Belo Horizonte: Mazza edições.

Perlin, Gladis (2010). Identidades Surdas. In Carlos Skliar (Org.), A surdez: um olhar sobre as diferenças (4ª ed.). Porto Alegre: Mediação.

Quadros, Ronice Müller de; Schmiedt, Magall L.P. (2006). Ideias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/port_surdos.pdf

Rocha, Solange (2008). O INES e a educação de surdos no Brasil (2ª ed.), vol 1. Rio de

Janeiro: Institutp Nacional de Educação de Surdos (INES).

Strobel, Karin (2016). As imagens do outro sobre a cultura surda (4ª ed.). Florianópolis: Editora UFSC.

Teixeira, Vanessa Gomes (2017). A iconicidade e arbitrariedade na LIBRAS. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.filologia.org.br/vii_sinefil/COMPLETOS/A%20iconicidade%20e%20arbitrariedade%20na%20Libras%20-%20VANESSA.pdf

Vilhalva, Shirley (2012). Índios surdos: Mapeamento das línguas de sinais do Mato Grosso do Sul. Petrópolis, RJ: Arara Azul.

Downloads

Publicado

2022-08-10

Como Citar

ELER, R. R. de S.; CARVALHO, J. I. R. F. de. Mapeamento de sinais do contexto escolar da comunidade surda indígena Paiter Suruí. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022010, 2022. DOI: 10.20396/liames.v22i00.8667561. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/8667561. Acesso em: 2 out. 2022.